Why did the music stop?

o uso de padrões musicais na construção do medo em jogos survival horror

Research output: Contribution to conferencePaper

Abstract

Os jogos de survival horror constroem uma série de interacções simbióticas e sensoriais com os jogadores através da relação entre o design da narrativa e a utilização da música e sonoplastia durante a acção no ecrã – a música é utilizada para canalizar diversos estados emocionais aos jogadores, bem como instruções sónicas ao experienciar estes produtos (Roberts: 2014). Este trabalho pretende examinar, através de um caso de estudo prático e interactivo com participantes com diferentes níveis de experiência, como é que os mesmos percepcionam a música, a sua construção e aplicação na jogabilidade de quatro videojogos de subgéneros distintos, observando também os estados emocionais que decorreram desta experiência, procurando cruzar com outras formas audiovisuais que utilizem métodos semelhantes na construção do horror e medo no espectador.
Original languagePortuguese
Publication statusPublished - 2016
EventV Seminário Música, Teoria Crítica e Comunicação - FCSH/NOVA, Lisboa, Portugal
Duration: 28 Apr 201614 Jul 2016

Seminar

SeminarV Seminário Música, Teoria Crítica e Comunicação
Abbreviated titleV MTCC
CountryPortugal
CityLisboa
Period28/04/1614/07/16

Keywords

  • Interacção
  • imersão
  • horror
  • experiência participativa
  • construção de ambiente
  • música e atmosfera sonora

Cite this

Freitas, J. (2016). Why did the music stop? o uso de padrões musicais na construção do medo em jogos survival horror. Paper presented at V Seminário Música, Teoria Crítica e Comunicação, Lisboa, Portugal.
Freitas, Joana. / Why did the music stop? o uso de padrões musicais na construção do medo em jogos survival horror. Paper presented at V Seminário Música, Teoria Crítica e Comunicação, Lisboa, Portugal.
@conference{05ebbeadedc14a9b8beb492433cac11c,
title = "Why did the music stop?: o uso de padr{\~o}es musicais na constru{\cc}{\~a}o do medo em jogos survival horror",
abstract = "Os jogos de survival horror constroem uma s{\'e}rie de interac{\cc}{\~o}es simbi{\'o}ticas e sensoriais com os jogadores atrav{\'e}s da rela{\cc}{\~a}o entre o design da narrativa e a utiliza{\cc}{\~a}o da m{\'u}sica e sonoplastia durante a ac{\cc}{\~a}o no ecr{\~a} – a m{\'u}sica {\'e} utilizada para canalizar diversos estados emocionais aos jogadores, bem como instru{\cc}{\~o}es s{\'o}nicas ao experienciar estes produtos (Roberts: 2014). Este trabalho pretende examinar, atrav{\'e}s de um caso de estudo pr{\'a}tico e interactivo com participantes com diferentes n{\'i}veis de experi{\^e}ncia, como {\'e} que os mesmos percepcionam a m{\'u}sica, a sua constru{\cc}{\~a}o e aplica{\cc}{\~a}o na jogabilidade de quatro videojogos de subg{\'e}neros distintos, observando tamb{\'e}m os estados emocionais que decorreram desta experi{\^e}ncia, procurando cruzar com outras formas audiovisuais que utilizem m{\'e}todos semelhantes na constru{\cc}{\~a}o do horror e medo no espectador.",
keywords = "Interac{\cc}{\~a}o, imers{\~a}o, horror, experi{\^e}ncia participativa, constru{\cc}{\~a}o de ambiente, m{\'u}sica e atmosfera sonora",
author = "Joana Freitas",
note = "info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147237/PT# UID/EAT/00693/2013; null ; Conference date: 28-04-2016 Through 14-07-2016",
year = "2016",
language = "Portuguese",

}

Freitas, J 2016, 'Why did the music stop? o uso de padrões musicais na construção do medo em jogos survival horror' Paper presented at V Seminário Música, Teoria Crítica e Comunicação, Lisboa, Portugal, 28/04/16 - 14/07/16, .

Why did the music stop? o uso de padrões musicais na construção do medo em jogos survival horror. / Freitas, Joana.

2016. Paper presented at V Seminário Música, Teoria Crítica e Comunicação, Lisboa, Portugal.

Research output: Contribution to conferencePaper

TY - CONF

T1 - Why did the music stop?

T2 - o uso de padrões musicais na construção do medo em jogos survival horror

AU - Freitas, Joana

N1 - info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147237/PT# UID/EAT/00693/2013

PY - 2016

Y1 - 2016

N2 - Os jogos de survival horror constroem uma série de interacções simbióticas e sensoriais com os jogadores através da relação entre o design da narrativa e a utilização da música e sonoplastia durante a acção no ecrã – a música é utilizada para canalizar diversos estados emocionais aos jogadores, bem como instruções sónicas ao experienciar estes produtos (Roberts: 2014). Este trabalho pretende examinar, através de um caso de estudo prático e interactivo com participantes com diferentes níveis de experiência, como é que os mesmos percepcionam a música, a sua construção e aplicação na jogabilidade de quatro videojogos de subgéneros distintos, observando também os estados emocionais que decorreram desta experiência, procurando cruzar com outras formas audiovisuais que utilizem métodos semelhantes na construção do horror e medo no espectador.

AB - Os jogos de survival horror constroem uma série de interacções simbióticas e sensoriais com os jogadores através da relação entre o design da narrativa e a utilização da música e sonoplastia durante a acção no ecrã – a música é utilizada para canalizar diversos estados emocionais aos jogadores, bem como instruções sónicas ao experienciar estes produtos (Roberts: 2014). Este trabalho pretende examinar, através de um caso de estudo prático e interactivo com participantes com diferentes níveis de experiência, como é que os mesmos percepcionam a música, a sua construção e aplicação na jogabilidade de quatro videojogos de subgéneros distintos, observando também os estados emocionais que decorreram desta experiência, procurando cruzar com outras formas audiovisuais que utilizem métodos semelhantes na construção do horror e medo no espectador.

KW - Interacção

KW - imersão

KW - horror

KW - experiência participativa

KW - construção de ambiente

KW - música e atmosfera sonora

M3 - Paper

ER -

Freitas J. Why did the music stop? o uso de padrões musicais na construção do medo em jogos survival horror. 2016. Paper presented at V Seminário Música, Teoria Crítica e Comunicação, Lisboa, Portugal.