Vozes Transmontanas na Paisagem: Paisagens de pedra e água na poesia de A. M. Pires Cabral

Research output: Book/ReportBook

2 Downloads (Pure)

Abstract

A paisagem na poesia de A. M. Pires Cabral (Chacim, 1941) traduz o encontro do homem e do poeta com a região de Trás-os-Montes. No entanto, a paisagem, tal como é entendida nesta reflexão, não pertence apenas ao domínio daquilo que é geográfico, físico, exterior; pelo contrário, a paisagem representada nos poemas de A. M. Pires Cabral é entendida como uma inscrição da intimidade, das convicções mais profundas e dos princípios mais enraizados no espírito do poeta. Na primavera de 2012, e no âmbito do projeto Atlas Literário de Portugal Continental, José Barbirei realizou um vídeo sobre as paisagens essenciais de A. M. Pires Cabral, em particular sobre os lugares que ilustrando um percurso geográfico representam, também, um itinerário poético. Assim, surgem no vídeo, par a par, imagens e poemas de Alvites, Serra de Bornes, Alvão e Douro. Na sua generalidade, este trabalho encontra em O Livros dos Lugares e Outros Poemas (1999) a sua principal matriz. É igualmente objetivo sublinhar-se o modo como uma leitura atenta dos poemas de A. M. Pires Cabral resulta numa redescoberta do(s) sentido(s) do(s) lugar(es), algo que, segundo Luisa Bonesio, se torna imperativo no mundo globalizado atual, “no qual as diferenças culturais e a rugosidade natural [são] anuladas numa superfície lisa e contínua” (Bonesio 203). Assim, neste trabalho defende-se que os lugares representados na poesia de A. M. Pires Cabral são a imagem de reentrâncias e vincos de uma paisagem há muito definida pela aspereza, isolamento e solidez.
Original languagePortuguese
Place of PublicationLisboa
PublisherFCSH/NOVA
Number of pages30
ISBN (Print)9789729347092
DOIs
Publication statusPublished - 1 Jan 2013

Cite this