Vivendo de sua fazenda e da sua arte de pintor: relações entre as imagens de música e a vila de Borba, a partir da obra pictórica de José de Sousa de Carvalho (1741-1795).

Research output: Contribution to journalArticle

8 Downloads (Pure)

Abstract

Pintor, escultor e proprietário, integrado numa elite borbense, José de Sousa de Carvalho (1741 – 1795) é o autor de várias pinturas que se espalham por espaços públicos e privados, incluindo as raríssimas representações musicais e de dança que se guardam nos Paços do Concelho de Borba. Pai de Bernardo Germano de Carvalho (1777 – 1853), também pintor e proprietário, e avô paterno de José Ignácio de Carvalho (1819 – 1887), corista na Igreja Matriz de Borba e capelão na Colegiada da Misericórdia de Borba, Sousa de Carvalho documenta, em oito telas que pinta de visu – para decorar, com grande probabilidade, a sua residência familiar, o Palacete dos Sousa Carvalho e Melo –, momentos de recreio da escol borbense inerentes ao gosto coevo, aos hábitos domésticos de sociabilidade crescente, e à grandeza e poder de uma família telúrica endinheirada. Em contexto, deixaremos breves achegas para a vida musical borbense entre finais do século XVII e o início do século XIX, incluindo notas inéditas relativas ao, até agora, desconhecido Pedro Gonçalves Mexia.
Original languagePortuguese
Pages (from-to)20-33
Number of pages13
JournalARTis ON
Volume7
Issue number1
Publication statusPublished - 2018

Keywords

  • Imagem
  • Música
  • José de Sousa de Carvalho

Cite this