«Unir, Organizar, Armar»: O PRP durante o PREC

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingChapter

19 Downloads (Pure)

Abstract

Em Novembro de 1970, alguns militantes do Partido Comunista Português, tendo rompido com o partido, formaram as Brigadas Revolucionárias (BR), uma organização que se propunha fazer a luta armada em Portugal. No entanto, pretendia-se criar uma organização política mais ampla, que fosse para além das BR, o que veio a suceder em Setembro de 1973, quando ocorre o Congresso fundador do PRP-BR (Partido Revolucionário do Proletariado – Brigadas Revolucionárias).
Após a revolução do 25 de Abril de 1974, o PRP passa à legalidade,
apelando à organização autónoma dos trabalhadores e integrando-se nas lutas
de bairro, de empresa e de rua; e as BR cessam as acções armadas, integrando-
-se na luta de massas até Outubro de 1975, quando, em virtude dos
acontecimentos políticos que foram ocorrendo no chamado Verão Quente, são
reactivadas, passando à clandestinidade.
O que se pretende com este texto é entender o papel do PRP durante o Verão
Quente de 1975, assim como a sua evolução ideológica, especialmente no que
concerne ao papel da violência política no processo revolucionário.
Original languagePortuguese
Title of host publicationAs Esquerdas Radicais Ibéricas entre a Ditadura e a Democracia
Subtitle of host publicationPercursos Cruzados
EditorsAna Sofia Ferreira, João Madeira
Place of PublicationLisboa
PublisherColibri
Pages87-97
Number of pages11
ISBN (Print)9789896899455
Publication statusPublished - 2020

Cite this