"Uma história que se pode tocar"

apropriações artísticas da Guerra Colonial a partir de Sandro Ferreira

Research output: Contribution to journalArticle

2 Downloads (Pure)

Abstract

Pretende-se atentar às práticas artísticas contemporâneas que versam sobre a Guerra Colonial Portuguesa, tomando como caso de estudo um conjunto de obras do artista Sandro Ferreira (1975). Ferreira faz parte da segunda geração da Guerra Colonial: a dos filhos da Guerra, aquela que não a viveu diretamente e que Marianne Hirsch designou de “geração da pós-memória” (2012). Na demanda que urge, para recordar este episódio da nossa História coletiva e de compreender uma história que, com frequência, coabita, silenciosa, nas nossas casas, Sandro Ferreira resgata e expõe pequenas memórias, colecionando e apropriando-se, na sua prática criativa, de memorabilia de Guerra e, sobretudo, de arquivos privados como cartas ou fotografias pessoais. Deste modo, pretende-se, a partir do trabalho criativo de Sandro Ferreira, indagar sobre o modo como as artes visuais se podem tornar, contemporaneamente, ferramentas contra o silêncio ou o esquecimento.
Original languagePortuguese
Pages (from-to)165-184
JournalVista - revista de cultura visual
Issue number2
Publication statusPublished - 2018

Keywords

  • Guerra
  • Memória
  • Arquivo

Cite this

@article{b4c32396f27e4a8db30476cb6232141d,
title = "{"}Uma hist{\'o}ria que se pode tocar{"}: apropria{\cc}{\~o}es art{\'i}sticas da Guerra Colonial a partir de Sandro Ferreira",
abstract = "Pretende-se atentar {\`a}s pr{\'a}ticas art{\'i}sticas contempor{\^a}neas que versam sobre a Guerra Colonial Portuguesa, tomando como caso de estudo um conjunto de obras do artista Sandro Ferreira (1975). Ferreira faz parte da segunda gera{\cc}{\~a}o da Guerra Colonial: a dos filhos da Guerra, aquela que n{\~a}o a viveu diretamente e que Marianne Hirsch designou de “gera{\cc}{\~a}o da p{\'o}s-mem{\'o}ria” (2012). Na demanda que urge, para recordar este epis{\'o}dio da nossa Hist{\'o}ria coletiva e de compreender uma hist{\'o}ria que, com frequ{\^e}ncia, coabita, silenciosa, nas nossas casas, Sandro Ferreira resgata e exp{\~o}e pequenas mem{\'o}rias, colecionando e apropriando-se, na sua pr{\'a}tica criativa, de memorabilia de Guerra e, sobretudo, de arquivos privados como cartas ou fotografias pessoais. Deste modo, pretende-se, a partir do trabalho criativo de Sandro Ferreira, indagar sobre o modo como as artes visuais se podem tornar, contemporaneamente, ferramentas contra o sil{\^e}ncio ou o esquecimento.",
keywords = "Guerra, Mem{\'o}ria, Arquivo",
author = "Almeida, {Joana Miguel}",
note = "info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147310/PT# UID/ANT/04038/2013",
year = "2018",
language = "Portuguese",
pages = "165--184",
journal = "Vista - revista de cultura visual",
issn = "2184-1284",
number = "2",

}

TY - JOUR

T1 - "Uma história que se pode tocar"

T2 - apropriações artísticas da Guerra Colonial a partir de Sandro Ferreira

AU - Almeida, Joana Miguel

N1 - info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147310/PT# UID/ANT/04038/2013

PY - 2018

Y1 - 2018

N2 - Pretende-se atentar às práticas artísticas contemporâneas que versam sobre a Guerra Colonial Portuguesa, tomando como caso de estudo um conjunto de obras do artista Sandro Ferreira (1975). Ferreira faz parte da segunda geração da Guerra Colonial: a dos filhos da Guerra, aquela que não a viveu diretamente e que Marianne Hirsch designou de “geração da pós-memória” (2012). Na demanda que urge, para recordar este episódio da nossa História coletiva e de compreender uma história que, com frequência, coabita, silenciosa, nas nossas casas, Sandro Ferreira resgata e expõe pequenas memórias, colecionando e apropriando-se, na sua prática criativa, de memorabilia de Guerra e, sobretudo, de arquivos privados como cartas ou fotografias pessoais. Deste modo, pretende-se, a partir do trabalho criativo de Sandro Ferreira, indagar sobre o modo como as artes visuais se podem tornar, contemporaneamente, ferramentas contra o silêncio ou o esquecimento.

AB - Pretende-se atentar às práticas artísticas contemporâneas que versam sobre a Guerra Colonial Portuguesa, tomando como caso de estudo um conjunto de obras do artista Sandro Ferreira (1975). Ferreira faz parte da segunda geração da Guerra Colonial: a dos filhos da Guerra, aquela que não a viveu diretamente e que Marianne Hirsch designou de “geração da pós-memória” (2012). Na demanda que urge, para recordar este episódio da nossa História coletiva e de compreender uma história que, com frequência, coabita, silenciosa, nas nossas casas, Sandro Ferreira resgata e expõe pequenas memórias, colecionando e apropriando-se, na sua prática criativa, de memorabilia de Guerra e, sobretudo, de arquivos privados como cartas ou fotografias pessoais. Deste modo, pretende-se, a partir do trabalho criativo de Sandro Ferreira, indagar sobre o modo como as artes visuais se podem tornar, contemporaneamente, ferramentas contra o silêncio ou o esquecimento.

KW - Guerra

KW - Memória

KW - Arquivo

M3 - Article

SP - 165

EP - 184

JO - Vista - revista de cultura visual

JF - Vista - revista de cultura visual

SN - 2184-1284

IS - 2

ER -