Uma construção cultural de ser baleia: A história ambiental de dois arrojamentos na Lisboa ribeirinha e das pessoas que os observaram e descreveram

Research output: Contribution to journalArticlepeer-review

Abstract

Neste artigo contamos a história de baleias que entraram
e arrojaram no estuário do Tejo, em dois momentos e contextos históricos distintos. Iremos abordar a baleia avistada nas
vésperas do terramoto de 1531 e a baleia arrojada em 1723, criando uma narrativa que permite interrelacionar a existência dos animais - sua ocorrência, vida e morte – com a das pessoas de Lisboa ribeirinha da época moderna. Utilizamos uma abordagem integradora da análise das fontes históricas documentais e iconográficas e das produções literárias e artísticas que lhes estejam associadas. Utilizamos ainda a voz e a perspetiva da baleia, tornando-a mais do que o objeto e sujeito da
narrativa, um dos agentes co-construtores da história. Este é um
método de trabalho e de comunicação enquadrado nas Humanidades Ambientais. Conceptualizamos a baleia-entidade numa abordagem que extrapola a existência real e biológica destes animais, revertendo-a para constructo cultural ou ‘realidade imaginada’. Assim, a baleia torna-se caleidoscópica. Na baleia, passam a existir vários mundos, todos os mundos mais-do-que-humanos, todos os tempos, geografias ne sentidos. A baleia é, para nós, um hiper-objeto.
Original languagePortuguese
Pages (from-to)140-155
Number of pages15
JournalSCAENA
Volume3
Publication statusPublished - Feb 2022

Keywords

  • Marine Environmental History
  • Environmental Humanities
  • Whales

Cite this