Um sonho cor-de-rosa: Propaganda, ideologia e (não-)imagens do matrimónio nos filmes de ‘comédia à portuguesa’

Research output: Contribution to journalArticlepeer-review

1 Downloads (Pure)

Abstract

O objetivo deste artigo é compreender o fenómeno da propaganda indirecta no cinema enquanto dispositivo ideológico de controlo da vida privada, identificando a forma como foram tratados os papéis do feminino e do masculino no que à intriga amorosa conducente ao casamento diz respeito.
Para o efeito, foram analisados, à luz do contexto sociocultural e político das duas primeiras décadas do Estado Novo em Portugal, sete filmes de ‘comédia à portuguesa’ marcantes do chamado ‘período de ouro’ do cinema português.
A análise comparada do enredo faz emergir um paradoxo: por um lado, o casamento, tido à luz da época como epicentro da vida privada e unidade primária da vida social e afetiva, é naturalmente um dos tópicos centrais nessas narrativas - tudo se encaminha para ele como concretização e realização individual. Porém - salvo raríssimas exceções -, nada dele é retratado. A sua vivência exterior ou social, e sobretudo quotidiana, privada, é omissa. Tratado dessa forma, o casamento não é mais do que um “desfecho ornamental” e uma utopia: o círculo da vida comum a dois nunca é invadido pelo espetador.
Original languagePortuguese
Pages (from-to)289-333
Number of pages44
JournalCultura
Issue number35
DOIs
Publication statusPublished - 2016

Keywords

  • Cinema
  • Casamento
  • Estado Novo (1933-1974)
  • Propaganda
  • Comédia à Portuguesa

Cite this