A água e a arquitetura no Hospital Real de Todos-os-Santos, Lisboa (séculos XVI-XVIII): as estruturas claustrais no registo arqueológico

Translated title of the contribution: The water and the architecture in the royal hospital of all saints, Lisbon (16th-18th centuries): the cloister structures in the archaeological record

Research output: Contribution to journalArticlepeer-review

30 Downloads (Pure)

Abstract

Fundado em 1492, o Hospital Real de Todos-os-Santos revelou-se paradigmático em Portugal no que à assistência diz respeito. Inovador nos mais diversos campos merece especial atenção a inspiração arquitetónica renascentista, que se traduziu em novos hábitos no quotidiano hospitalar. De planta cruciforme e integrando quatro pátios, a água esteve presente através de, pelo menos, quatro estruturas hidráulicas/poços, cada uma afecta a um claustro e, consequentemente, às suas dependências térreas, no decorrer dos quase três séculos de funcionamento deste grande complexo público.
Este texto analisa as estruturas hidráulicas do Hospital Real de Todos-os-Santos descobertas aquando das intervenções arqueológicas na Praça da Figueira na década de 60 e em 1999-2001, integradas nos vários momentos de reformulação arquitetónica do edifício, estudados no âmbito do projeto «Hospital Real de Todos-os-Santos: a Cidade e a Saúde». Além de elemento vital para o seu funcionamento, estas estruturas são um espelho de hábitos e atribuições funcionais dos espaços envolventes.

Translated title of the contributionThe water and the architecture in the royal hospital of all saints, Lisbon (16th-18th centuries): the cloister structures in the archaeological record
Original languagePortuguese
Pages (from-to)59-74
Number of pages15
JournalARTis ON
Volume10
DOIs
Publication statusPublished - 2020

Keywords

  • Arqueologia urbana
  • Hidráulica
  • Cerâmica
  • Poços
  • Saneamento

Fingerprint

Dive into the research topics of 'The water and the architecture in the royal hospital of all saints, Lisbon (16th-18th centuries): the cloister structures in the archaeological record'. Together they form a unique fingerprint.

Cite this