O Estado Novo português e a reforma do Estado colonial em Angola

O comportamento político das elites brancas (1961-1962)

Translated title of the contribution: The Portuguese "New State" and the reform of the colonial State in Angola : The political behavior of the white elites (1961-1962)

Research output: Contribution to journalArticle

1 Citation (Scopus)
3 Downloads (Pure)

Abstract

Este artigo coloca em perspectiva a problemática das relações políticas e institucionais entre diferentes níveis de governação da administração colonial portuguesa e entre esta e os estratos superiores da comunidade branca de Angola. Para o efeito, definimos um triângulo analítico constituído por: a) Estado central, representado pelo Ministério do Ultramar; b) Estado colonial, representado pelo Governo Geral de Angola; c) as elites brancas de Angola, representadas pelas respectivas associações económicas. A análise incide fundamentalmente no biénio 1961/1962, que coincidiu com o início da guerra de independência de Angola e com a subsequente experiência de reformismo colonial promovida por Adriano Moreira.
Original languagePortuguese
Pages (from-to)250-272
Number of pages23
JournalHistoria (Brazil)
Volume33
Issue number2
DOIs
Publication statusPublished - 2014

Fingerprint

Angola
political behavior
elite
reform

Keywords

  • Estado Novo
  • Colonialismo português
  • Angola
  • Elites brancas

Cite this

@article{eccc58a86c2e40edac5563312edecd4b,
title = "O Estado Novo portugu{\^e}s e a reforma do Estado colonial em Angola: O comportamento pol{\'i}tico das elites brancas (1961-1962)",
abstract = "Este artigo coloca em perspectiva a problem{\'a}tica das rela{\cc}{\~o}es pol{\'i}ticas e institucionais entre diferentes n{\'i}veis de governa{\cc}{\~a}o da administra{\cc}{\~a}o colonial portuguesa e entre esta e os estratos superiores da comunidade branca de Angola. Para o efeito, definimos um tri{\^a}ngulo anal{\'i}tico constitu{\'i}do por: a) Estado central, representado pelo Minist{\'e}rio do Ultramar; b) Estado colonial, representado pelo Governo Geral de Angola; c) as elites brancas de Angola, representadas pelas respectivas associa{\cc}{\~o}es econ{\'o}micas. A an{\'a}lise incide fundamentalmente no bi{\'e}nio 1961/1962, que coincidiu com o in{\'i}cio da guerra de independ{\^e}ncia de Angola e com a subsequente experi{\^e}ncia de reformismo colonial promovida por Adriano Moreira.",
keywords = "Estado Novo, Colonialismo portugu{\^e}s, Angola, Elites brancas",
author = "F.T. Pimenta",
note = "info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147295/PT# UID/CPO/04627/2013",
year = "2014",
doi = "10.1590/1980-436920140002000012",
language = "Portuguese",
volume = "33",
pages = "250--272",
journal = "Hist{\'o}ria",
issn = "0101-9074",
publisher = "Universidade Estadual Paulista",
number = "2",

}

TY - JOUR

T1 - O Estado Novo português e a reforma do Estado colonial em Angola

T2 - O comportamento político das elites brancas (1961-1962)

AU - Pimenta, F.T.

N1 - info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147295/PT# UID/CPO/04627/2013

PY - 2014

Y1 - 2014

N2 - Este artigo coloca em perspectiva a problemática das relações políticas e institucionais entre diferentes níveis de governação da administração colonial portuguesa e entre esta e os estratos superiores da comunidade branca de Angola. Para o efeito, definimos um triângulo analítico constituído por: a) Estado central, representado pelo Ministério do Ultramar; b) Estado colonial, representado pelo Governo Geral de Angola; c) as elites brancas de Angola, representadas pelas respectivas associações económicas. A análise incide fundamentalmente no biénio 1961/1962, que coincidiu com o início da guerra de independência de Angola e com a subsequente experiência de reformismo colonial promovida por Adriano Moreira.

AB - Este artigo coloca em perspectiva a problemática das relações políticas e institucionais entre diferentes níveis de governação da administração colonial portuguesa e entre esta e os estratos superiores da comunidade branca de Angola. Para o efeito, definimos um triângulo analítico constituído por: a) Estado central, representado pelo Ministério do Ultramar; b) Estado colonial, representado pelo Governo Geral de Angola; c) as elites brancas de Angola, representadas pelas respectivas associações económicas. A análise incide fundamentalmente no biénio 1961/1962, que coincidiu com o início da guerra de independência de Angola e com a subsequente experiência de reformismo colonial promovida por Adriano Moreira.

KW - Estado Novo

KW - Colonialismo português

KW - Angola

KW - Elites brancas

UR - http://www.scopus.com/inward/record.url?eid=2-s2.0-84921452810&partnerID=MN8TOARS

U2 - 10.1590/1980-436920140002000012

DO - 10.1590/1980-436920140002000012

M3 - Article

VL - 33

SP - 250

EP - 272

JO - História

JF - História

SN - 0101-9074

IS - 2

ER -