The matter of China in Garcia de Orta’s Colóquios dos simples e drogas da Índia (Goa, 1563)

Research output: Contribution to journalArticle

Abstract

Garcia de Orta foi um médico português que viveu na Índia nos meados do século XVI, e que se interessou sobremaneira pela história natural e pelas relações desta com a medicina. Em 1563 publicou um volumoso trabalho intitulado Coloquios dos simples, e drogas he cousas medicinais da Índia, que foi uma das primeiras obras impressas no território de Goa, em prelos originários da Europa. Neste tratado, o naturalista português imaginou dois protagonistas, Orta e Ruano, que em sucessivos colóquios discutem os mais importantes produtos naturais asiáticos, analisando os seus nomes, origens, preços de mercado, características e propriedades terapêuticas, questionando também as informações que tinham sido disponibilizadas até então pela literatura médica ocidental e oriental. Ao longo destas eruditas conversas, muitos outros tópicos são introduzidos por Orta e Ruano, e também por um alargado conjunto de personagens secundários, desde a análise de etimologias exóticas até ao debate de casos clínicos, passando pela discussão de temas de geografia e organização política asiática. A China é objecto de particular relevo na obra do médico português, não só através de repetidas menções aos produtos naturais dali oriundos, mas também através de uma miríade de detalhes sobre o mundo chinês que são introduzidos em vários colóquios, e ainda pela atitude extremamente positiva adoptada por Garcia de Orta relativamente aos chineses. O presente texto debruça-se com algum vagar sobre o lugar que as “coisas da China” ocupam na estrutura global dos Colóquios dos simples, uma das primeiras obras impressas na Europa do século XVI onde um estudioso europeu revela uma atitude abertamente apologética a respeito da China.

The Matter of China in Garcia de Orta’s Colóquios dos simples (Goa, 1563)
Garcia de Orta was a Portuguese physician who lived in India in the middle of the 16th century, and who was extremely interested in natural history and its relations with medicine. In 1563 he published a voluminous work entitled Coloquios dos simples, e drogas he cousas medicinais da India (Colloquies on the simples and drugs and medicinal matters of India), which was one of the first books to be published by a European printing press in the territory of Goa. In this work, the Portuguese naturalist introduced two main characters, Orta and Ruano, whom he stagesdiscussing in successive colloquies the most important Asian natural products, analysing their names, origins, prices in the market, characteristics, and therapeutic properties, and also questioning what previous Western and Eastern medical literature had to say about them. During these scholarly conversations, many other topics are introduced by Orta and Ruano, and a host of other secondary characters, from the analysis of exotic etymologies to the debate of clinical cases and to the discussion of Asian geography and political organisation. China is the object of particular attention in the work of the Portuguese physician, not only by the repeated mention of its natural products, but also by the wealth of details about the Chinese world that are introduced in the colloquies and by the extremely positive attitude adopted by Garcia de Orta towards the Chinese. The present text, then, takes a closer look at the place of ‘Chinese matters’ in the framework of the Coloquios dos simples, one of the first European printed works in which an apologetic attitude towards China is adopted in the early modern period.
Original languageEnglish
Pages (from-to)7-30
Number of pages23
JournalReview of Culture / Revista de Cultura – Edição Internacional / International Edition
Volume52
Publication statusPublished - 2016

Fingerprint Dive into the research topics of 'The matter of China in Garcia de Orta’s Colóquios dos simples e drogas da Índia (Goa, 1563)'. Together they form a unique fingerprint.

Cite this