The Imaginary of death in Portuguese folktales

Research output: Contribution to journalArticle

53 Downloads (Pure)

Abstract

O Imaginário humano é, por definição, um fenómeno complexo que se projeta em imagens nem sempre fáceis de interpretar. No entanto, vários estudos têm vindo a aprofundar o nosso conhecimento sobre este domínio, com destaque para a produção da escola francesa dos Estudos sobre o Imaginário (Gilbert Durand, Claude-Gilbert Dubois, Philippe Walter, Joël Thomas, Jean-Jacques Wunenburger e, em Portugal, Helder Godinho). Um corpus especialmente profícuo sobre o qual esta linha teórica por vezes se debruça é o dos contos tradicionais, narrativas simultaneamente seminais e marginais relativamente ao cânone da contística mundial. Dada a sua condição de produtos desenvolvidos ao longo de séculos, permanentemente reelaborados e recontados, múltiplas constelações do Imaginário cristalizam-se nestas pequenas narrativas de forma muito nítida. O presente artigo aborda um destes temas complexos, a imagem da morte, transmitida em filigrana por um número considerável de textos, permitindo-nos assim identificar um conjunto de características significativas que vão desde o sentimento de inevitabilidade e de democraticidade, à desdramatização carnavalesca deste momento marcante que estabelece o final da vida. Com efeito, apesar de algumas marcas da cosmovisão cristã e católica, os contos estudados não deixam de veicular ideias e imagens que podemos fazer remontar a medos e angústias primordiais e universais.
Translated title of the contributionThe Imaginary of death in Portuguese folktales
Original languagePortuguese
Pages (from-to)315-325
Number of pages11
JournalForma Breve. Revista de Literatura
Volume14
Publication statusPublished - 2017

Fingerprint

Dada
Portugal
death

Keywords

  • Imaginary
  • Death
  • Folktales
  • Good-evil dichotomy
  • Catholic worldview
  • atavistic fears and images

Cite this

@article{0d60ec41c7784fda9f8c2e06af20cc6f,
title = "O Imagin{\'a}rio da morte em contos tradicionais portugueses",
abstract = "O Imagin{\'a}rio humano {\'e}, por defini{\cc}{\~a}o, um fen{\'o}meno complexo que se projeta em imagens nem sempre f{\'a}ceis de interpretar. No entanto, v{\'a}rios estudos t{\^e}m vindo a aprofundar o nosso conhecimento sobre este dom{\'i}nio, com destaque para a produ{\cc}{\~a}o da escola francesa dos Estudos sobre o Imagin{\'a}rio (Gilbert Durand, Claude-Gilbert Dubois, Philippe Walter, Jo{\"e}l Thomas, Jean-Jacques Wunenburger e, em Portugal, Helder Godinho). Um corpus especialmente prof{\'i}cuo sobre o qual esta linha te{\'o}rica por vezes se debru{\cc}a {\'e} o dos contos tradicionais, narrativas simultaneamente seminais e marginais relativamente ao c{\^a}none da cont{\'i}stica mundial. Dada a sua condi{\cc}{\~a}o de produtos desenvolvidos ao longo de s{\'e}culos, permanentemente reelaborados e recontados, m{\'u}ltiplas constela{\cc}{\~o}es do Imagin{\'a}rio cristalizam-se nestas pequenas narrativas de forma muito n{\'i}tida. O presente artigo aborda um destes temas complexos, a imagem da morte, transmitida em filigrana por um n{\'u}mero consider{\'a}vel de textos, permitindo-nos assim identificar um conjunto de caracter{\'i}sticas significativas que v{\~a}o desde o sentimento de inevitabilidade e de democraticidade, {\`a} desdramatiza{\cc}{\~a}o carnavalesca deste momento marcante que estabelece o final da vida. Com efeito, apesar de algumas marcas da cosmovis{\~a}o crist{\~a} e cat{\'o}lica, os contos estudados n{\~a}o deixam de veicular ideias e imagens que podemos fazer remontar a medos e ang{\'u}stias primordiais e universais.",
keywords = "Imaginary, Death, Folktales, Good-evil dichotomy, Catholic worldview, atavistic fears and images",
author = "Dias, {Isabel Barros}",
note = "info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147232/PT# UID/ELT/00657/2013",
year = "2017",
language = "Portuguese",
volume = "14",
pages = "315--325",
journal = "Forma Breve. Revista de Literatura",
issn = "1645-927X",
publisher = "Universidade de Aveiro, Departamento de L{\'i}nguas e Culturas",

}

O Imaginário da morte em contos tradicionais portugueses. / Dias, Isabel Barros.

In: Forma Breve. Revista de Literatura, Vol. 14, 2017, p. 315-325.

Research output: Contribution to journalArticle

TY - JOUR

T1 - O Imaginário da morte em contos tradicionais portugueses

AU - Dias, Isabel Barros

N1 - info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147232/PT# UID/ELT/00657/2013

PY - 2017

Y1 - 2017

N2 - O Imaginário humano é, por definição, um fenómeno complexo que se projeta em imagens nem sempre fáceis de interpretar. No entanto, vários estudos têm vindo a aprofundar o nosso conhecimento sobre este domínio, com destaque para a produção da escola francesa dos Estudos sobre o Imaginário (Gilbert Durand, Claude-Gilbert Dubois, Philippe Walter, Joël Thomas, Jean-Jacques Wunenburger e, em Portugal, Helder Godinho). Um corpus especialmente profícuo sobre o qual esta linha teórica por vezes se debruça é o dos contos tradicionais, narrativas simultaneamente seminais e marginais relativamente ao cânone da contística mundial. Dada a sua condição de produtos desenvolvidos ao longo de séculos, permanentemente reelaborados e recontados, múltiplas constelações do Imaginário cristalizam-se nestas pequenas narrativas de forma muito nítida. O presente artigo aborda um destes temas complexos, a imagem da morte, transmitida em filigrana por um número considerável de textos, permitindo-nos assim identificar um conjunto de características significativas que vão desde o sentimento de inevitabilidade e de democraticidade, à desdramatização carnavalesca deste momento marcante que estabelece o final da vida. Com efeito, apesar de algumas marcas da cosmovisão cristã e católica, os contos estudados não deixam de veicular ideias e imagens que podemos fazer remontar a medos e angústias primordiais e universais.

AB - O Imaginário humano é, por definição, um fenómeno complexo que se projeta em imagens nem sempre fáceis de interpretar. No entanto, vários estudos têm vindo a aprofundar o nosso conhecimento sobre este domínio, com destaque para a produção da escola francesa dos Estudos sobre o Imaginário (Gilbert Durand, Claude-Gilbert Dubois, Philippe Walter, Joël Thomas, Jean-Jacques Wunenburger e, em Portugal, Helder Godinho). Um corpus especialmente profícuo sobre o qual esta linha teórica por vezes se debruça é o dos contos tradicionais, narrativas simultaneamente seminais e marginais relativamente ao cânone da contística mundial. Dada a sua condição de produtos desenvolvidos ao longo de séculos, permanentemente reelaborados e recontados, múltiplas constelações do Imaginário cristalizam-se nestas pequenas narrativas de forma muito nítida. O presente artigo aborda um destes temas complexos, a imagem da morte, transmitida em filigrana por um número considerável de textos, permitindo-nos assim identificar um conjunto de características significativas que vão desde o sentimento de inevitabilidade e de democraticidade, à desdramatização carnavalesca deste momento marcante que estabelece o final da vida. Com efeito, apesar de algumas marcas da cosmovisão cristã e católica, os contos estudados não deixam de veicular ideias e imagens que podemos fazer remontar a medos e angústias primordiais e universais.

KW - Imaginary

KW - Death

KW - Folktales

KW - Good-evil dichotomy

KW - Catholic worldview

KW - atavistic fears and images

M3 - Article

VL - 14

SP - 315

EP - 325

JO - Forma Breve. Revista de Literatura

JF - Forma Breve. Revista de Literatura

SN - 1645-927X

ER -