A nomeação da cor do vinho em Português Europeu

Translated title of the contribution: The appointment of wine color in European Portuguese

Research output: Contribution to conferenceAbstract

Abstract

O presente trabalho aborda o universo das cores, em especial na Análise Sensorial Enológica. O ato de degustar um vinho desencadeia uma verbalização de sensações associadas à cor. Essa verbalização corresponde, de forma geral, a um conjunto de termos para expressar as tonalidades do vinho, como os habituais e genéricos “branco”, “rosé”, “tinto”, “amarelo-palha”, “rosado”, “vermelho-púrpura”, etc. No entanto, essa verbalização ativa, quase sempre, a criação de novas unidades lexicais, que permitem a diversidade e criatividade lexical para nomear o espectro luminoso e ajuda o especialista a categorizar a experiência cromática. Para conhecer mais sobre este domínio e compreender de que modo é feita a nomeação da cor do vinho em Português Europeu, foram recolhidos dados na revista de especialidade de vinho ENOTECA (2001-2015), para fazer uma breve análise de cada um deles, com ênfase nos aspetos semânticos e, em particular, descrever a estrutura interna dos nomes e adjetivos de cor, dando conta de aspetos relacionados com a produtividade dos processos de construção de palavras envolvidos, associando esses aspetos com as capacidades referenciais dessas palavras. Em suma, com este trabalho, espera-se contribuir para o desenvolvimento de investigação no domínio da denominação da cor em português e, simultaneamente, compreender como o especialista se expressa quanto ao domínio cromático do vinho.
Original languagePortuguese
Publication statusAccepted/In press - 2017
EventVI Simpósio Mundial de Estudos da Língua Portuguesa - Escola Superior de Educação de Santarém, Santarém, Portugal
Duration: 24 Oct 201728 Oct 2017
http://simelp.ese.ipsantarem.pt/

Conference

ConferenceVI Simpósio Mundial de Estudos da Língua Portuguesa
Abbreviated titleVI SIMELP
CountryPortugal
CitySantarém
Period24/10/1728/10/17
Internet address

Fingerprint

wine

Keywords

  • degustação
  • neologia
  • cores
  • cronónimos
  • sintagmas cromáticos

Cite this

Barbosa, S. (Accepted/In press). A nomeação da cor do vinho em Português Europeu. Abstract from VI Simpósio Mundial de Estudos da Língua Portuguesa, Santarém, Portugal.
Barbosa, Sílvia. / A nomeação da cor do vinho em Português Europeu. Abstract from VI Simpósio Mundial de Estudos da Língua Portuguesa, Santarém, Portugal.
@conference{c373a7ca196b4fa1a2f820c62b1e65e3,
title = "A nomea{\cc}{\~a}o da cor do vinho em Portugu{\^e}s Europeu",
abstract = "O presente trabalho aborda o universo das cores, em especial na An{\'a}lise Sensorial Enol{\'o}gica. O ato de degustar um vinho desencadeia uma verbaliza{\cc}{\~a}o de sensa{\cc}{\~o}es associadas {\`a} cor. Essa verbaliza{\cc}{\~a}o corresponde, de forma geral, a um conjunto de termos para expressar as tonalidades do vinho, como os habituais e gen{\'e}ricos “branco”, “ros{\'e}”, “tinto”, “amarelo-palha”, “rosado”, “vermelho-p{\'u}rpura”, etc. No entanto, essa verbaliza{\cc}{\~a}o ativa, quase sempre, a cria{\cc}{\~a}o de novas unidades lexicais, que permitem a diversidade e criatividade lexical para nomear o espectro luminoso e ajuda o especialista a categorizar a experi{\^e}ncia crom{\'a}tica. Para conhecer mais sobre este dom{\'i}nio e compreender de que modo {\'e} feita a nomea{\cc}{\~a}o da cor do vinho em Portugu{\^e}s Europeu, foram recolhidos dados na revista de especialidade de vinho ENOTECA (2001-2015), para fazer uma breve an{\'a}lise de cada um deles, com {\^e}nfase nos aspetos sem{\^a}nticos e, em particular, descrever a estrutura interna dos nomes e adjetivos de cor, dando conta de aspetos relacionados com a produtividade dos processos de constru{\cc}{\~a}o de palavras envolvidos, associando esses aspetos com as capacidades referenciais dessas palavras. Em suma, com este trabalho, espera-se contribuir para o desenvolvimento de investiga{\cc}{\~a}o no dom{\'i}nio da denomina{\cc}{\~a}o da cor em portugu{\^e}s e, simultaneamente, compreender como o especialista se expressa quanto ao dom{\'i}nio crom{\'a}tico do vinho.",
keywords = "degusta{\cc}{\~a}o, neologia, cores, cron{\'o}nimos, sintagmas crom{\'a}ticos",
author = "S{\'i}lvia Barbosa",
note = "info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147316/PT# UID/LIN/03213/2013 SFRH/BD/52261/2013; null ; Conference date: 24-10-2017 Through 28-10-2017",
year = "2017",
language = "Portuguese",
url = "http://simelp.ese.ipsantarem.pt/",

}

Barbosa, S 2017, 'A nomeação da cor do vinho em Português Europeu' VI Simpósio Mundial de Estudos da Língua Portuguesa, Santarém, Portugal, 24/10/17 - 28/10/17, .

A nomeação da cor do vinho em Português Europeu. / Barbosa, Sílvia.

2017. Abstract from VI Simpósio Mundial de Estudos da Língua Portuguesa, Santarém, Portugal.

Research output: Contribution to conferenceAbstract

TY - CONF

T1 - A nomeação da cor do vinho em Português Europeu

AU - Barbosa, Sílvia

N1 - info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147316/PT# UID/LIN/03213/2013 SFRH/BD/52261/2013

PY - 2017

Y1 - 2017

N2 - O presente trabalho aborda o universo das cores, em especial na Análise Sensorial Enológica. O ato de degustar um vinho desencadeia uma verbalização de sensações associadas à cor. Essa verbalização corresponde, de forma geral, a um conjunto de termos para expressar as tonalidades do vinho, como os habituais e genéricos “branco”, “rosé”, “tinto”, “amarelo-palha”, “rosado”, “vermelho-púrpura”, etc. No entanto, essa verbalização ativa, quase sempre, a criação de novas unidades lexicais, que permitem a diversidade e criatividade lexical para nomear o espectro luminoso e ajuda o especialista a categorizar a experiência cromática. Para conhecer mais sobre este domínio e compreender de que modo é feita a nomeação da cor do vinho em Português Europeu, foram recolhidos dados na revista de especialidade de vinho ENOTECA (2001-2015), para fazer uma breve análise de cada um deles, com ênfase nos aspetos semânticos e, em particular, descrever a estrutura interna dos nomes e adjetivos de cor, dando conta de aspetos relacionados com a produtividade dos processos de construção de palavras envolvidos, associando esses aspetos com as capacidades referenciais dessas palavras. Em suma, com este trabalho, espera-se contribuir para o desenvolvimento de investigação no domínio da denominação da cor em português e, simultaneamente, compreender como o especialista se expressa quanto ao domínio cromático do vinho.

AB - O presente trabalho aborda o universo das cores, em especial na Análise Sensorial Enológica. O ato de degustar um vinho desencadeia uma verbalização de sensações associadas à cor. Essa verbalização corresponde, de forma geral, a um conjunto de termos para expressar as tonalidades do vinho, como os habituais e genéricos “branco”, “rosé”, “tinto”, “amarelo-palha”, “rosado”, “vermelho-púrpura”, etc. No entanto, essa verbalização ativa, quase sempre, a criação de novas unidades lexicais, que permitem a diversidade e criatividade lexical para nomear o espectro luminoso e ajuda o especialista a categorizar a experiência cromática. Para conhecer mais sobre este domínio e compreender de que modo é feita a nomeação da cor do vinho em Português Europeu, foram recolhidos dados na revista de especialidade de vinho ENOTECA (2001-2015), para fazer uma breve análise de cada um deles, com ênfase nos aspetos semânticos e, em particular, descrever a estrutura interna dos nomes e adjetivos de cor, dando conta de aspetos relacionados com a produtividade dos processos de construção de palavras envolvidos, associando esses aspetos com as capacidades referenciais dessas palavras. Em suma, com este trabalho, espera-se contribuir para o desenvolvimento de investigação no domínio da denominação da cor em português e, simultaneamente, compreender como o especialista se expressa quanto ao domínio cromático do vinho.

KW - degustação

KW - neologia

KW - cores

KW - cronónimos

KW - sintagmas cromáticos

M3 - Abstract

ER -

Barbosa S. A nomeação da cor do vinho em Português Europeu. 2017. Abstract from VI Simpósio Mundial de Estudos da Língua Portuguesa, Santarém, Portugal.