Tapeçaria contemporânea portuguesa e sua origem no feminino: Figuras Fundadoras: Maria Flávia de Monsaraz e Gisella Santi

Maria Teresa Lousa, Ana Maria do Nascimento Gonçalves

Research output: Contribution to journalArticlepeer-review

283 Downloads (Pure)

Abstract

Este artigo visa apresentar uma pequena reflexão sobre a origem feminina da Tapeçaria Contemporânea Portuguesa (TCP), partindo de uma breve contextualização alicerçada na História da Arte e a sua relação com a questão de Género. Para refletir especificamente sobre o caso da TCP que, desde cedo, teve raízes no associativismo contando com mulheres portuguesas e estrangeiras a residir em Lisboa, precisamos recuar até à fundação do Grupo 3.4.5. – Tapeçaria Contemporânea Portuguesa (1978) e debruçarmo-nos sobre o percurso artístico de Maria Flávia de Monsaraz (1935) e de Gisella Santi (1922-2006). Foram essencialmente estas duas figuras que, num contexto extremamente adverso à afirmação da mulher artista, lançaram as bases do que hoje é aceite, tanto em contexto institucional como académico, como arte têxtil de pleno direito.
Original languagePortuguese
Pages (from-to)151-168
Number of pages18
JournalRevista Arte & Sensorium, Revista Interdisciplinar Internacional de Artes Visuais
Volume5
Issue number1
Publication statusPublished - 2018

Keywords

  • Arte Têxtil Contemporânea
  • Mulheres Artistas
  • Portugal
  • Género
  • Tapeçaria

Cite this