Estado de emergência e paradoxos do populismo: o povo contra o povo

Translated title of the contribution: State of emergency and populism paradoxes: the people against the people

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingChapter

23 Downloads (Pure)

Abstract

Tem sido defendido que o populismo não é necessariamente uma prerrogativa de partidos populistas, podendo o discurso populista ser adotado por qualquer partido (Mudde 2004; Jagers & Walgrave 2007; Rooduijn et al. 2014). É nesta perspetiva que analisamos a presença de elementos populistas no discurso de diferentes blocos partidários (partidos políticos e líderes partidários), na rede social online Facebook, durante o singular período da política portuguesa, o estado de emergência que vigorou em Portugal entre 19 de março e 2 de maio de 2020. Com base nos resultados observados, encontramos elementos populistas em diferentes blocos partidários. Identificamos ainda um confronto de valores entre esquerda e direita parlamentar articulado através de retóricas populistas, opondo ‘o povo católico’ e ‘o povo trabalhador’. Adicionalmente, introduzimos a religião como um elemento de análise da comunicação populista em dois partidos da direita parlamentar portuguesa.
Translated title of the contributionState of emergency and populism paradoxes: the people against the people
Original languagePortuguese
Title of host publicationPerspectivas multidisciplinares da Comunicação em contexto de Pandemia (Vol. I)
EditorsFrancisco Rui Cádima, Ivone Ferreira
Place of PublicationLisboa
PublisherICNOVA – Instituto de Comunicação da Nova
Pages91 -108
Number of pages18
Volume1
ISBN (Electronic)978-989-9048-02-7
ISBN (Print)978-989-9048-03-4
DOIs
Publication statusPublished - 2021

Keywords

  • Covid-19
  • Crise
  • Populismo
  • Comunicação
  • Religião
  • Facebook

Fingerprint

Dive into the research topics of 'State of emergency and populism paradoxes: the people against the people'. Together they form a unique fingerprint.

Cite this