Spínola e a Revolução: Do 25 de Abril ao 11 de Março de 1975

Research output: Book/ReportBook

Abstract

Desde finais do marcelismo que a acção do general António de Spínola apontava para a chegada ao poder, estando umbilicalmente ligada à questão africana. Com o golpe militar de 25 de Abril de 1974, tornava-se o primeiro Presidente da República após o Estado Novo. Até Setembro desse ano, procurará reforçar os poderes presidenciais, retardar descolonização e aplicar-lhe uma via federalista, impor um projecto político assente na limitação de direitos e liberdades, na contenção da democratização e, fundamentalmente, do que se afirmava como uma revolução. Meses depois, regressaria com o precipitado golpe de 11 de Março de 1975. Neste livro analisaremos esta caminhada do spinolismo, integrada numa olhar global sobre o final do marcelismo e o processo revolucionário português, com especial atenção à fase spinolista da revolução, entre Abril e Setembro de 1974.
Se o fio condutor é Spínola, nem por isso são esquecidas outras vozes e protagonistas: militares, políticos, dirigentes partidários, líderes africanos, artistas, intelectuais, estudantes, mulheres, operários, membros de comissões de moradores e trabalhadores, enfim, a sociedade, aquilo que se chama de «povo». Talvez nunca se tenha falado tanto em «povo» como naqueles anos, sinal de que, no período revolucionário de 1974 e 1975, dificilmente se pode encontrar maior ou tão central protagonista.
Será, precisamente, nesse «povo», ou parte dele, nos movimentos sociais e na revolução que Spínola encontrará a razão fundamental do fracasso do seu projecto político.
Original languagePortuguese
Place of PublicationLisboa
PublisherBertrand Editora
Number of pages367
ISBN (Print)978-972-25-2942-6
Publication statusPublished - 2015

Cite this