Short Journey in the City of Words

Research output: Contribution to journalArticle

1 Downloads (Pure)

Abstract

Este ensaio tem como objecto Tisanas, colectânea emblemática da produção literária de Ana Hatherly que se alteia como a criação da sua vida, como ela própria afirmou. Porque as assume como “itinerário de uma vida”, Ana Hatherly foi acrescentando Tisanas sem reescrever ou modificar as anteriores. Isso seria uma traição à concepção que as informa: serem uma “obra aberta”. De modo a delimitar o objecto de análise, esta reflexão centra-se em algumas Tisanas recolhidas de A Cidade das Palavras, reunião das primeiras 222 Tisanas. Sugiro haver uma intenção deliberada na composição das treze formas geométricas. Dada a educação religiosa de Ana Hatherly, o seu conhecimento da mitologia cristã, do pensamento oriental e da simbologia em geral, o número, no contexto das Tisanas, remete para o que é parcial e relativo, incompleto e sempre inacabado, o que se repete na inutilidade, mas que não tem fim, apesar de periodicamente interrompido. Neste treze, o quadrado negro é o centro, o elemento aglutinador. O ensaio “termina” em aberto, com uma última Tisana, que expressa a atitude de Ana Hatherly perante a vida, a academia, as mentes “cultas”, a repugnância ao status quo instituído, seja ele qual for, porque a tendência será sempre a do silenciamento, da normalização, da promoção dos mais obedientes ou dos mais oportunistas. Nada como o riso para perturbar a ordem.
Translated title of the contributionShort Journey in the City of Words
Original languagePortuguese
Article number2
Pages (from-to)17-29
Number of pages12
JournalRevista Cascais Interartes/Crossroad of the arts
Issue number1
Publication statusPublished - 2019

Fingerprint

Dada
Obra
Negroes
Journey
Oriental

Keywords

  • Ana Hatherly
  • Cidade das palavras
  • Tisanas

Cite this

@article{e194e6545a1a4f1e86846093cdd3ce01,
title = "Breve p{\'e}riplo pel’ A Cidade das Palavras",
abstract = "Este ensaio tem como objecto Tisanas, colect{\^a}nea emblem{\'a}tica da produ{\cc}{\~a}o liter{\'a}ria de Ana Hatherly que se alteia como a cria{\cc}{\~a}o da sua vida, como ela pr{\'o}pria afirmou. Porque as assume como “itiner{\'a}rio de uma vida”, Ana Hatherly foi acrescentando Tisanas sem reescrever ou modificar as anteriores. Isso seria uma trai{\cc}{\~a}o {\`a} concep{\cc}{\~a}o que as informa: serem uma “obra aberta”. De modo a delimitar o objecto de an{\'a}lise, esta reflex{\~a}o centra-se em algumas Tisanas recolhidas de A Cidade das Palavras, reuni{\~a}o das primeiras 222 Tisanas. Sugiro haver uma inten{\cc}{\~a}o deliberada na composi{\cc}{\~a}o das treze formas geom{\'e}tricas. Dada a educa{\cc}{\~a}o religiosa de Ana Hatherly, o seu conhecimento da mitologia crist{\~a}, do pensamento oriental e da simbologia em geral, o n{\'u}mero, no contexto das Tisanas, remete para o que {\'e} parcial e relativo, incompleto e sempre inacabado, o que se repete na inutilidade, mas que n{\~a}o tem fim, apesar de periodicamente interrompido. Neste treze, o quadrado negro {\'e} o centro, o elemento aglutinador. O ensaio “termina” em aberto, com uma {\'u}ltima Tisana, que expressa a atitude de Ana Hatherly perante a vida, a academia, as mentes “cultas”, a repugn{\^a}ncia ao status quo institu{\'i}do, seja ele qual for, porque a tend{\^e}ncia ser{\'a} sempre a do silenciamento, da normaliza{\cc}{\~a}o, da promo{\cc}{\~a}o dos mais obedientes ou dos mais oportunistas. Nada como o riso para perturbar a ordem.",
keywords = "Ana Hatherly, Cidade das palavras, Tisanas",
author = "Monteiro, {Maria do Rosario}",
note = "info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147248/PT# UID/HIS/04666/2013",
year = "2019",
language = "Portuguese",
pages = "17--29",
journal = "Revista Cascais Interartes/Crossroad of the arts",
number = "1",

}

Breve périplo pel’ A Cidade das Palavras. / Monteiro, Maria do Rosario.

In: Revista Cascais Interartes/Crossroad of the arts, No. 1, 2, 2019, p. 17-29.

Research output: Contribution to journalArticle

TY - JOUR

T1 - Breve périplo pel’ A Cidade das Palavras

AU - Monteiro, Maria do Rosario

N1 - info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147248/PT# UID/HIS/04666/2013

PY - 2019

Y1 - 2019

N2 - Este ensaio tem como objecto Tisanas, colectânea emblemática da produção literária de Ana Hatherly que se alteia como a criação da sua vida, como ela própria afirmou. Porque as assume como “itinerário de uma vida”, Ana Hatherly foi acrescentando Tisanas sem reescrever ou modificar as anteriores. Isso seria uma traição à concepção que as informa: serem uma “obra aberta”. De modo a delimitar o objecto de análise, esta reflexão centra-se em algumas Tisanas recolhidas de A Cidade das Palavras, reunião das primeiras 222 Tisanas. Sugiro haver uma intenção deliberada na composição das treze formas geométricas. Dada a educação religiosa de Ana Hatherly, o seu conhecimento da mitologia cristã, do pensamento oriental e da simbologia em geral, o número, no contexto das Tisanas, remete para o que é parcial e relativo, incompleto e sempre inacabado, o que se repete na inutilidade, mas que não tem fim, apesar de periodicamente interrompido. Neste treze, o quadrado negro é o centro, o elemento aglutinador. O ensaio “termina” em aberto, com uma última Tisana, que expressa a atitude de Ana Hatherly perante a vida, a academia, as mentes “cultas”, a repugnância ao status quo instituído, seja ele qual for, porque a tendência será sempre a do silenciamento, da normalização, da promoção dos mais obedientes ou dos mais oportunistas. Nada como o riso para perturbar a ordem.

AB - Este ensaio tem como objecto Tisanas, colectânea emblemática da produção literária de Ana Hatherly que se alteia como a criação da sua vida, como ela própria afirmou. Porque as assume como “itinerário de uma vida”, Ana Hatherly foi acrescentando Tisanas sem reescrever ou modificar as anteriores. Isso seria uma traição à concepção que as informa: serem uma “obra aberta”. De modo a delimitar o objecto de análise, esta reflexão centra-se em algumas Tisanas recolhidas de A Cidade das Palavras, reunião das primeiras 222 Tisanas. Sugiro haver uma intenção deliberada na composição das treze formas geométricas. Dada a educação religiosa de Ana Hatherly, o seu conhecimento da mitologia cristã, do pensamento oriental e da simbologia em geral, o número, no contexto das Tisanas, remete para o que é parcial e relativo, incompleto e sempre inacabado, o que se repete na inutilidade, mas que não tem fim, apesar de periodicamente interrompido. Neste treze, o quadrado negro é o centro, o elemento aglutinador. O ensaio “termina” em aberto, com uma última Tisana, que expressa a atitude de Ana Hatherly perante a vida, a academia, as mentes “cultas”, a repugnância ao status quo instituído, seja ele qual for, porque a tendência será sempre a do silenciamento, da normalização, da promoção dos mais obedientes ou dos mais oportunistas. Nada como o riso para perturbar a ordem.

KW - Ana Hatherly

KW - Cidade das palavras

KW - Tisanas

M3 - Article

SP - 17

EP - 29

JO - Revista Cascais Interartes/Crossroad of the arts

JF - Revista Cascais Interartes/Crossroad of the arts

IS - 1

M1 - 2

ER -