Ser músico em Portugal

a condição social e profissional dos músicos em Lisboa entre o Antigo Regime e o Liberalismo

Research output: Contribution to conferencePaper

Abstract

O período que decorre entre o reinado de D. José e o final do reinado de D. Maria II (17501853) foi marcado por profundas mudanças políticas, sociais e culturais: os modelos musicais alicerçados no cerimonial da monarquia absoluta e nos seus mecanismos de representação de poder deram lugar a novos paradigmas relacionados com o desenvolvimento da esfera pública e com a crescente autonomia do artista dentro de um mercado musical mais amplo. Este complexo processo não ocorreu de forma linear em toda a Europa e teve uma implantação tardia em Portugal, motivada por diversos condicionalismos (entre outras razões, a herança ideológica da Contra Reforma, a lenta ascensão da burguesia, as restrições administrativas e policiais e a difícil conjuntura política). Num contexto tradicionalmente dominado por músicos estrangeiros e onde a criação de um estabelecimento secular de ensino da música surgiu apenas em 1835 não é de estranhar que os músicos locais tenham desenvolvido um crescente sentimento de insegurança e um forte sentido de corporativismo. Em Portugal, o estatuto social e profissional dos músicos foi até agora abordado apenas de forma marginal à pesquisa sobre instituições e estruturas musicais específicas, sem constituir um objecto de estudo em si mesmo, ao contrário do que sucede com outros países da Europa (ver por ex. Ehrlich 1985, Rink 2001; Rohr 2001; Morales 2007, etc.). A comunicação pretende colocar a atenção sobre a condição social e profissional dos músicos lisboetas, incluindo a sua mentalidade e percepção de si mesmos, como suporte de uma compreensão mais aprofundada das dinâmicas da vida musical entre o final do Antigo Regime e o Liberalismo, épocas até agora habitualmente estudadas separadamente.
Original languageEnglish
Publication statusPublished - 2016
EventENIM 2016 – VI Encontro de Investigação em Música (org. SPIM) - Universidade de Aveiro, Portugal
Duration: 3 Nov 20165 Nov 2016

Conference

ConferenceENIM 2016 – VI Encontro de Investigação em Música (org. SPIM)
CountryPortugal
Period3/11/165/11/16

Fingerprint

Portugal
regime

Keywords

  • condição social e profissional dos músicos
  • vida musical de Lisboa
  • transição entre Antigo Regime e Liberalismo

Cite this

Fernandes, C., & Esposito, F. (2016). Ser músico em Portugal: a condição social e profissional dos músicos em Lisboa entre o Antigo Regime e o Liberalismo. Paper presented at ENIM 2016 – VI Encontro de Investigação em Música (org. SPIM), Portugal.
@conference{5b8c6404fcd645a883067187e7b20319,
title = "Ser m{\'u}sico em Portugal: a condi{\cc}{\~a}o social e profissional dos m{\'u}sicos em Lisboa entre o Antigo Regime e o Liberalismo",
abstract = "O per{\'i}odo que decorre entre o reinado de D. Jos{\'e} e o final do reinado de D. Maria II (17501853) foi marcado por profundas mudan{\cc}as pol{\'i}ticas, sociais e culturais: os modelos musicais alicer{\cc}ados no cerimonial da monarquia absoluta e nos seus mecanismos de representa{\cc}{\~a}o de poder deram lugar a novos paradigmas relacionados com o desenvolvimento da esfera p{\'u}blica e com a crescente autonomia do artista dentro de um mercado musical mais amplo. Este complexo processo n{\~a}o ocorreu de forma linear em toda a Europa e teve uma implanta{\cc}{\~a}o tardia em Portugal, motivada por diversos condicionalismos (entre outras raz{\~o}es, a heran{\cc}a ideol{\'o}gica da Contra Reforma, a lenta ascens{\~a}o da burguesia, as restri{\cc}{\~o}es administrativas e policiais e a dif{\'i}cil conjuntura pol{\'i}tica). Num contexto tradicionalmente dominado por m{\'u}sicos estrangeiros e onde a cria{\cc}{\~a}o de um estabelecimento secular de ensino da m{\'u}sica surgiu apenas em 1835 n{\~a}o {\'e} de estranhar que os m{\'u}sicos locais tenham desenvolvido um crescente sentimento de inseguran{\cc}a e um forte sentido de corporativismo. Em Portugal, o estatuto social e profissional dos m{\'u}sicos foi at{\'e} agora abordado apenas de forma marginal {\`a} pesquisa sobre institui{\cc}{\~o}es e estruturas musicais espec{\'i}ficas, sem constituir um objecto de estudo em si mesmo, ao contr{\'a}rio do que sucede com outros pa{\'i}ses da Europa (ver por ex. Ehrlich 1985, Rink 2001; Rohr 2001; Morales 2007, etc.). A comunica{\cc}{\~a}o pretende colocar a aten{\cc}{\~a}o sobre a condi{\cc}{\~a}o social e profissional dos m{\'u}sicos lisboetas, incluindo a sua mentalidade e percep{\cc}{\~a}o de si mesmos, como suporte de uma compreens{\~a}o mais aprofundada das din{\^a}micas da vida musical entre o final do Antigo Regime e o Liberalismo, {\'e}pocas at{\'e} agora habitualmente estudadas separadamente.",
keywords = "condi{\cc}{\~a}o social e profissional dos m{\'u}sicos, vida musical de Lisboa, transi{\cc}{\~a}o entre Antigo Regime e Liberalismo",
author = "Cristina Fernandes and Francesco Esposito",
note = "info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147236/PT# info:eu-repo/grantAgreement/FCT/SFRH/SFRH{\%}2FBPD{\%}2F75201{\%}2F2010/PT# UID/EAT/00472/2013 SFRH/BPD/75201/2010; ENIM 2016 – VI Encontro de Investiga{\cc}{\~a}o em M{\'u}sica (org. SPIM) ; Conference date: 03-11-2016 Through 05-11-2016",
year = "2016",
language = "English",

}

Fernandes, C & Esposito, F 2016, 'Ser músico em Portugal: a condição social e profissional dos músicos em Lisboa entre o Antigo Regime e o Liberalismo' Paper presented at ENIM 2016 – VI Encontro de Investigação em Música (org. SPIM), Portugal, 3/11/16 - 5/11/16, .

Ser músico em Portugal : a condição social e profissional dos músicos em Lisboa entre o Antigo Regime e o Liberalismo. / Fernandes, Cristina; Esposito, Francesco.

2016. Paper presented at ENIM 2016 – VI Encontro de Investigação em Música (org. SPIM), Portugal.

Research output: Contribution to conferencePaper

TY - CONF

T1 - Ser músico em Portugal

T2 - a condição social e profissional dos músicos em Lisboa entre o Antigo Regime e o Liberalismo

AU - Fernandes, Cristina

AU - Esposito, Francesco

N1 - info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147236/PT# info:eu-repo/grantAgreement/FCT/SFRH/SFRH%2FBPD%2F75201%2F2010/PT# UID/EAT/00472/2013 SFRH/BPD/75201/2010

PY - 2016

Y1 - 2016

N2 - O período que decorre entre o reinado de D. José e o final do reinado de D. Maria II (17501853) foi marcado por profundas mudanças políticas, sociais e culturais: os modelos musicais alicerçados no cerimonial da monarquia absoluta e nos seus mecanismos de representação de poder deram lugar a novos paradigmas relacionados com o desenvolvimento da esfera pública e com a crescente autonomia do artista dentro de um mercado musical mais amplo. Este complexo processo não ocorreu de forma linear em toda a Europa e teve uma implantação tardia em Portugal, motivada por diversos condicionalismos (entre outras razões, a herança ideológica da Contra Reforma, a lenta ascensão da burguesia, as restrições administrativas e policiais e a difícil conjuntura política). Num contexto tradicionalmente dominado por músicos estrangeiros e onde a criação de um estabelecimento secular de ensino da música surgiu apenas em 1835 não é de estranhar que os músicos locais tenham desenvolvido um crescente sentimento de insegurança e um forte sentido de corporativismo. Em Portugal, o estatuto social e profissional dos músicos foi até agora abordado apenas de forma marginal à pesquisa sobre instituições e estruturas musicais específicas, sem constituir um objecto de estudo em si mesmo, ao contrário do que sucede com outros países da Europa (ver por ex. Ehrlich 1985, Rink 2001; Rohr 2001; Morales 2007, etc.). A comunicação pretende colocar a atenção sobre a condição social e profissional dos músicos lisboetas, incluindo a sua mentalidade e percepção de si mesmos, como suporte de uma compreensão mais aprofundada das dinâmicas da vida musical entre o final do Antigo Regime e o Liberalismo, épocas até agora habitualmente estudadas separadamente.

AB - O período que decorre entre o reinado de D. José e o final do reinado de D. Maria II (17501853) foi marcado por profundas mudanças políticas, sociais e culturais: os modelos musicais alicerçados no cerimonial da monarquia absoluta e nos seus mecanismos de representação de poder deram lugar a novos paradigmas relacionados com o desenvolvimento da esfera pública e com a crescente autonomia do artista dentro de um mercado musical mais amplo. Este complexo processo não ocorreu de forma linear em toda a Europa e teve uma implantação tardia em Portugal, motivada por diversos condicionalismos (entre outras razões, a herança ideológica da Contra Reforma, a lenta ascensão da burguesia, as restrições administrativas e policiais e a difícil conjuntura política). Num contexto tradicionalmente dominado por músicos estrangeiros e onde a criação de um estabelecimento secular de ensino da música surgiu apenas em 1835 não é de estranhar que os músicos locais tenham desenvolvido um crescente sentimento de insegurança e um forte sentido de corporativismo. Em Portugal, o estatuto social e profissional dos músicos foi até agora abordado apenas de forma marginal à pesquisa sobre instituições e estruturas musicais específicas, sem constituir um objecto de estudo em si mesmo, ao contrário do que sucede com outros países da Europa (ver por ex. Ehrlich 1985, Rink 2001; Rohr 2001; Morales 2007, etc.). A comunicação pretende colocar a atenção sobre a condição social e profissional dos músicos lisboetas, incluindo a sua mentalidade e percepção de si mesmos, como suporte de uma compreensão mais aprofundada das dinâmicas da vida musical entre o final do Antigo Regime e o Liberalismo, épocas até agora habitualmente estudadas separadamente.

KW - condição social e profissional dos músicos

KW - vida musical de Lisboa

KW - transição entre Antigo Regime e Liberalismo

M3 - Paper

ER -

Fernandes C, Esposito F. Ser músico em Portugal: a condição social e profissional dos músicos em Lisboa entre o Antigo Regime e o Liberalismo. 2016. Paper presented at ENIM 2016 – VI Encontro de Investigação em Música (org. SPIM), Portugal.