Se eu digo que emudeci, nada do que eu digo estou dizendo: aspectos do diálogo entre homem e Deus em "Floema", de Hilda Hist

Research output: Contribution to journalArticlepeer-review

Abstract

Neste artigo analiso as categorias de tempo (SINHA; GÄRDENFORS, 2014) e aspecto (DAHL, 1985), nomeadamente aspectos do pretérito perfeito do indicativo (TRAVAGLIA, 2016; CAMPOS, 1997; CAMPOS, XAVIER, 1991) do presente do indicativo (TRAVAGLIA, 2016), do gerúndio e da perífrase estar + gerúndio (MENDES, 2005), no texto “Floema” de Hilda Hilst (2003). Nesse texto a autora desenvolve um diálogo entre um homem (Koyo) e um Deus (Haydum), que se materializa à sua frente. À medida que a narrativa avança, o que se observa é a representação da impossibilidade de se estabelecer comunicação direta entre Homem e divindade. Em meio a essa inviabilidade de conversa, ao analisar alguns eventos desse texto como categorias aspectuais (acabadas, não acabadas, cursivas, durativas, perfectivas, imperfectivas), procuro sistematizá-los em momentos específicos, na tentativa de encontrar uma organização textual/discursiva do confronto que ali se apresenta.
Original languagePortuguese
Pages (from-to)42-62
Number of pages20
JournalScripta (Brasil)
Volume24
Issue number50
DOIs
Publication statusPublished - 2020

Keywords

  • Tempo e Aspeto
  • Pretérito Perfeito
  • Presente
  • Gerúndio
  • Perífrase de Gerúndio

Cite this