Ciência, Teoria Social Contemporânea E Educação

Translated title of the contribution: SCIENCE, CONTEMPORARY SOCIAL THEORY AND EDUCATION

Research output: Contribution to journalArticle

Abstract

Os modelos científicos vigentes acabam por refletirem sempre nas práticas escolares, nas pedagogias dominantes, na educação. O objetivo principal deste ensaio é correlacionar os paradigmas científicos com os paradigmas pedagógicos e mostrar como, em parte, “somos filhos de Descartes”.
Foi com ele que aprendemos o que era a ciência, o método científico, no singular, e a objetividade como valor sagrado da ciência. Foi o seu Discurso do Método que marcou a ciência do século XX e, também, a pedagogia escolar e a educação em geral. Aprendemos a pensar com a cabeça e não com o coração; desumanizamos, desantropomorfizamos a ciência, o que teve efeitos diretos na educação, essencialmente durante toda a primeira metade do século XX. As Ciências da Educação são assim, a nosso ver, no seu início, mais filhas das ciências experimentais e naturais do que das próprias ciências humanas e sociais. De resto, também elas buscavam para si o estatuto de ciências, procurando generalizar o por vezes não generalizável; procurando leis em que imperam a especificidade e a idiossincrasia do humano. Então, o positivismo do século XIX e do início do século XX, que marca as Ciências Sociais e as Ciências da Educação, que se recusam a ser subjetivas, a serem simplesmente humanas, e, logo, não científicas, vigorou e vigora, ainda, na ciência e na educação.
Original languagePortuguese
Pages (from-to)9-29
JournalSignos
Volume36
Issue number1
Publication statusPublished - 2015

Fingerprint

science
education

Cite this

@article{38a1bbe1e26e42179633f4a50f410687,
title = "Ci{\^e}ncia, Teoria Social Contempor{\^a}nea E Educa{\cc}{\~a}o",
abstract = "Os modelos cient{\'i}ficos vigentes acabam por refletirem sempre nas pr{\'a}ticas escolares, nas pedagogias dominantes, na educa{\cc}{\~a}o. O objetivo principal deste ensaio {\'e} correlacionar os paradigmas cient{\'i}ficos com os paradigmas pedag{\'o}gicos e mostrar como, em parte, “somos filhos de Descartes”. Foi com ele que aprendemos o que era a ci{\^e}ncia, o m{\'e}todo cient{\'i}fico, no singular, e a objetividade como valor sagrado da ci{\^e}ncia. Foi o seu Discurso do M{\'e}todo que marcou a ci{\^e}ncia do s{\'e}culo XX e, tamb{\'e}m, a pedagogia escolar e a educa{\cc}{\~a}o em geral. Aprendemos a pensar com a cabe{\cc}a e n{\~a}o com o cora{\cc}{\~a}o; desumanizamos, desantropomorfizamos a ci{\^e}ncia, o que teve efeitos diretos na educa{\cc}{\~a}o, essencialmente durante toda a primeira metade do s{\'e}culo XX. As Ci{\^e}ncias da Educa{\cc}{\~a}o s{\~a}o assim, a nosso ver, no seu in{\'i}cio, mais filhas das ci{\^e}ncias experimentais e naturais do que das pr{\'o}prias ci{\^e}ncias humanas e sociais. De resto, tamb{\'e}m elas buscavam para si o estatuto de ci{\^e}ncias, procurando generalizar o por vezes n{\~a}o generaliz{\'a}vel; procurando leis em que imperam a especificidade e a idiossincrasia do humano. Ent{\~a}o, o positivismo do s{\'e}culo XIX e do in{\'i}cio do s{\'e}culo XX, que marca as Ci{\^e}ncias Sociais e as Ci{\^e}ncias da Educa{\cc}{\~a}o, que se recusam a ser subjetivas, a serem simplesmente humanas, e, logo, n{\~a}o cient{\'i}ficas, vigorou e vigora, ainda, na ci{\^e}ncia e na educa{\cc}{\~a}o.",
author = "Vieira, {Ricardo Manuel das Neves} and Vieira, {Ana Maria Sousa Neves}",
year = "2015",
language = "Portuguese",
volume = "36",
pages = "9--29",
journal = "Signos",
issn = "1983-0378",
number = "1",

}

Ciência, Teoria Social Contemporânea E Educação. / Vieira, Ricardo Manuel das Neves; Vieira, Ana Maria Sousa Neves.

In: Signos, Vol. 36, No. 1, 2015, p. 9-29.

Research output: Contribution to journalArticle

TY - JOUR

T1 - Ciência, Teoria Social Contemporânea E Educação

AU - Vieira, Ricardo Manuel das Neves

AU - Vieira, Ana Maria Sousa Neves

PY - 2015

Y1 - 2015

N2 - Os modelos científicos vigentes acabam por refletirem sempre nas práticas escolares, nas pedagogias dominantes, na educação. O objetivo principal deste ensaio é correlacionar os paradigmas científicos com os paradigmas pedagógicos e mostrar como, em parte, “somos filhos de Descartes”. Foi com ele que aprendemos o que era a ciência, o método científico, no singular, e a objetividade como valor sagrado da ciência. Foi o seu Discurso do Método que marcou a ciência do século XX e, também, a pedagogia escolar e a educação em geral. Aprendemos a pensar com a cabeça e não com o coração; desumanizamos, desantropomorfizamos a ciência, o que teve efeitos diretos na educação, essencialmente durante toda a primeira metade do século XX. As Ciências da Educação são assim, a nosso ver, no seu início, mais filhas das ciências experimentais e naturais do que das próprias ciências humanas e sociais. De resto, também elas buscavam para si o estatuto de ciências, procurando generalizar o por vezes não generalizável; procurando leis em que imperam a especificidade e a idiossincrasia do humano. Então, o positivismo do século XIX e do início do século XX, que marca as Ciências Sociais e as Ciências da Educação, que se recusam a ser subjetivas, a serem simplesmente humanas, e, logo, não científicas, vigorou e vigora, ainda, na ciência e na educação.

AB - Os modelos científicos vigentes acabam por refletirem sempre nas práticas escolares, nas pedagogias dominantes, na educação. O objetivo principal deste ensaio é correlacionar os paradigmas científicos com os paradigmas pedagógicos e mostrar como, em parte, “somos filhos de Descartes”. Foi com ele que aprendemos o que era a ciência, o método científico, no singular, e a objetividade como valor sagrado da ciência. Foi o seu Discurso do Método que marcou a ciência do século XX e, também, a pedagogia escolar e a educação em geral. Aprendemos a pensar com a cabeça e não com o coração; desumanizamos, desantropomorfizamos a ciência, o que teve efeitos diretos na educação, essencialmente durante toda a primeira metade do século XX. As Ciências da Educação são assim, a nosso ver, no seu início, mais filhas das ciências experimentais e naturais do que das próprias ciências humanas e sociais. De resto, também elas buscavam para si o estatuto de ciências, procurando generalizar o por vezes não generalizável; procurando leis em que imperam a especificidade e a idiossincrasia do humano. Então, o positivismo do século XIX e do início do século XX, que marca as Ciências Sociais e as Ciências da Educação, que se recusam a ser subjetivas, a serem simplesmente humanas, e, logo, não científicas, vigorou e vigora, ainda, na ciência e na educação.

M3 - Article

VL - 36

SP - 9

EP - 29

JO - Signos

JF - Signos

SN - 1983-0378

IS - 1

ER -