Salvador da Bahia, um porto negreiro na América portuguesa (c. 1574 - c. 1822)

Translated title of the contribution: Salvador, a Slave Trade Port in the Portuguese America (c. 1574 - c. 1822)

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingConference contributionpeer-review

3 Downloads (Pure)

Abstract

A cidade de Salvador, situada na baía de Todos-os-Santos, também conhecida como Cidade de Bahia, por longos séculos foi considerada como “o porto do Brasil”. Sua posição central no Atlântico Sul, inserida em ampla e calma baía, boas fontes de água doce e alimentos, foi primordial para determinar sua importância comercial e política no Império português. Destacava-se, em seu cais, uma mercadoria especial que não passava despercebida aos olhos de quem conhecia a cidade: o comércio de pessoas escravizadas. Em toda o período colonial brasileiro, o porto de Salvador recebeu 1.172.575 escravos africanos sendo seguido pelo Rio de Janeiro com 797.924 desembarcados. Apesar de concentrar as armações das viagens negreiras desde o século XVII, Salvador recebeu navios originários de outros portos numa demonstração da grandeza de seu mercado escravista. De Portugal saíram 38 viagens neste período, uma delas do Porto e as demais de Lisboa; chegaram, também, navios da França, Holanda, Inglaterra, e mesmo de portos brasileiros como Rio de Janeiro e Recife. Todas elas compõem a cifra de 3.767 viagens negreiras que desembarcaram escravos na Bahia colonial. A escravidão urbana de Salvador era importante, no entanto, eram os engenhos de açúcar o grande destino dessa mão de obra. O Recôncavo da Bahia era responsável pela maior produção açucareira da Capitania; produzia-se também o tabaco que seria enviado a Lisboa e África, e a mandioca para o consumo das vilas e para abastecer os navios destinados à África. Além deste panorama, destaca-se, ainda, o porto negreiro de Salvador como centro de revenda de escravos para mineração aurífera em Minas Gerais, Jacobina e Rio de Contas, a produção algodoeira de Piauí e Maranhão, e mesmo para Capitanias açucareiras como Alagoas, Sergipe e Rio de Janeiro.
Apesar de dispersas, é grande a variedade de fontes que dão conta do tráfico negreiro para o Brasil colonial. O cruzamento de várias dessas fontes possibilita montar o complexo mosaico que é este comércio e entendê-lo melhor. Para esta comunicação privilegio o Transatlantic slave voyages: a database, base fundamental sobre viagens negreiras no Atlântico que, uma vez confrontada com documentação qualitativa de arquivos baianos e portugueses, tais como Ordens Régias, inventários post-mortem, passaportes de escravos, banguê, correspondências oficiais, dentre outras, possibilita compreender a importância do porto de Salvador como armador de navios negreiros, consumidor de escravos e redistribuidor para outras Capitanias.
Translated title of the contributionSalvador, a Slave Trade Port in the Portuguese America (c. 1574 - c. 1822)
Original languagePortuguese
Title of host publicationSines, História e Património, o Porto e o Mar Actas
Place of PublicationSines
PublisherArquivo Municipal de Sines
Pages165-180
Number of pages16
Volume1
ISBN (Electronic)978-972-8261-19-1
Publication statusPublished - Nov 2017
EventSines, o porto e o mar: História e património - Arquivo Municipal de Sines, Sines, Portugal
Duration: 7 Sep 20179 Sep 2017
Conference number: 1
http://www.sines.pt/pages/1094

Seminar

SeminarSines, o porto e o mar
CountryPortugal
CitySines
Period7/09/179/09/17
Internet address

Keywords

  • Porto de Salvador
  • Tráfico atlântico
  • Bahia colonial

Fingerprint Dive into the research topics of 'Salvador, a Slave Trade Port in the Portuguese America (c. 1574 - c. 1822)'. Together they form a unique fingerprint.

Cite this