Representação etnográfica na obra Lavra de Ruy Duarte de Carvalho

Research output: Contribution to conferenceAbstractpeer-review

Abstract

A delineação etnográfica arrola o seu olhar num contexto e numa história. Situa-se, portanto, no espaço e no tempo e tenta entender o outro. A descrição é direta nas suas palavras e é mediatizada por todos os meios de acesso possível, nomeadamente através da cartografia, fotografia e do diário de campo, dada a sua replicabilidade. Desse modo, a descrição etnográfica faz da sua especificidade a conexão existente entre o estudo da cultura e a escrita. Trata-se, pois, de uma escrita que faz depender a narração pessoal da descrição, sendo que essa narração não deixa de estar presente como uma verdadeira
introdução ao que se segue na descrição etnográfica. Neste sentido, procuro com esta comunicação apresentar uma abordagem da representação etnográfica na obra Lavra (2005) de Ruy Duarte de Carvalho (1941-2010), um autor que nasceu, em Portugal, e, adquiriu a nacionalidade angolana. Refira-se que o título Lavra, além de significar a lavoura de algodão, também tem o significado de “ser da fabricação, da execução" e da criação de poemas de Ruy Duarte de Carvalho, de 1970 a 2000.
Original languagePortuguese
Pages62-62
Number of pages1
Publication statusPublished - 2018
EventI Encontro Internacional de Língua Portuguesa e Relações Lusófonas: LUSOCONF2018 - Instituto Politécnico, Bragança, Portugal
Duration: 19 Oct 201820 Oct 2018
https://www.flumendurius.eu/wp-content/uploads/2018/11/Resumo_lusoconf2018_final.pdf

Conference

ConferenceI Encontro Internacional de Língua Portuguesa e Relações Lusófonas: LUSOCONF2018
CountryPortugal
CityBragança
Period19/10/1820/10/18
Internet address

Keywords

  • Angola
  • Ruy Duarte de Carvalho
  • Lavra
  • Etnografia
  • Viagem

Cite this