Que gramática temos para estudar o português língua pluricêntrica?

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingChapter

Abstract

Entre as línguas pluricêntricas europeias, o alcance do Português ocupa um lugar destacado (cf. Baxter 1992, Silva et al. 2011), sobretudo por ser (i) o idioma nacional de dois países: Portugal e Brasil, (ii) a língua falada na qualidade de variedade(s) galega(s) na Galiza, em Espanha e (iii) a língua oficial numa série de países independentes, ex-colónias portuguesas em África (Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné Bissau, São Tomé e Príncipe) e na Ásia (Timor-Leste). O pluricentrismo, neste caso, significa que estamos perante duas variedades nacionais da Língua Portuguesa – a norma portuguesa e a norma brasileira (e isto independentemente da variação dialectal existente em cada um destes países) –, bem como perante as variedades locais faladas em cada um dos outros países (como, por exemplo, as variedades africanas – angolana e moçambicana –, cf. Raposo et al. 2013), algumas ainda não suficientemente bem estudadas nem conhecidas apesar de muito esforço já desenvolvido neste sentido por linguistas dedicados à investigação na área (cf. site Cátedra de Português). No presente estudo e na sequência das temáticas acima apresentadas, surge uma temática nova, com a qual pretendemos reflectir sobre a questão: (i) Que gramática(s) temos e de que gramática(s) precisamos para estudar o Português língua pluricêntrica? (ii) Trata-se de uma questão até agora não estudada pelos linguistas e ausente das temáticas da área. A motivação para esta proposta vem da recente abordagem conjunta e englobante das mais recentes gramáticas do Português apresentada em Neves & Caseb-Galvão (2014) e da leitura subliminar que esta obra nos oferece. Por conseguinte, ao tentarmos encontrar resposta à questão: “Que gramática para o Português língua pluricêntrica?”, partimos das seguintes perguntas: • Se as gramáticas do Português publicadas nos últimos anos aquém e além Atlântico, elaboradas com abordagens linguísticas modernas e diversificadas, são tão numerosas como demonstra o estudo Neves & Caseb-Galvão (2014), será que esta riqueza reflecte a realidade da Língua Portuguesa no mundo e nos permite encarar a problemática da sua pluricentricidade de um modo informado e representativo? • Ou será que – pelo contrário –, em vez de várias gramáticas parciais de variedades nacionais de que dispomos neste momento, precisamos de uma gramática global do Português pluricêntrico que nos permita olhar para a totalidade da temática da variação interna da Língua Portuguesa de um modo equitativamente distribuído entre as variedades nacionais e as outras, (ainda) não reconhecidas como total, mas igualmente presentes na nossa realidade pluricêntrica?
Original languagePortuguese
Title of host publicationO Português como língua num mundo global
Subtitle of host publicationProblemas e potencialidades
EditorsJosé Teixeira
Place of PublicationV. N. Famalicão
PublisherCentro de Estudos Lusíadas da Universidade do Minho/Humus
Pages85-102
Number of pages17
ISBN (Print)978-989-755-209-0
Publication statusPublished - 2016

Keywords

  • Línguas pluricêntricas
  • Português Europeu
  • Português do Brasil
  • Variação linguística
  • Gramáticas portuguesas
  • Gramáticas brasileiras
  • Gramáticas da língua portuguesa
  • Variedades dominantes e não-dominantes do português

Cite this

Batoréo, H. K. J. (2016). Que gramática temos para estudar o português língua pluricêntrica? In J. Teixeira (Ed.), O Português como língua num mundo global: Problemas e potencialidades (pp. 85-102). V. N. Famalicão: Centro de Estudos Lusíadas da Universidade do Minho/Humus.
Batoréo, Hanna Krystyna Jakubowicz. / Que gramática temos para estudar o português língua pluricêntrica?. O Português como língua num mundo global: Problemas e potencialidades. editor / José Teixeira. V. N. Famalicão : Centro de Estudos Lusíadas da Universidade do Minho/Humus, 2016. pp. 85-102
@inbook{2c71aadd5ec146a1a64d5865ee5d8707,
title = "Que gram{\'a}tica temos para estudar o portugu{\^e}s l{\'i}ngua pluric{\^e}ntrica?",
abstract = "Entre as l{\'i}nguas pluric{\^e}ntricas europeias, o alcance do Portugu{\^e}s ocupa um lugar destacado (cf. Baxter 1992, Silva et al. 2011), sobretudo por ser (i) o idioma nacional de dois pa{\'i}ses: Portugal e Brasil, (ii) a l{\'i}ngua falada na qualidade de variedade(s) galega(s) na Galiza, em Espanha e (iii) a l{\'i}ngua oficial numa s{\'e}rie de pa{\'i}ses independentes, ex-col{\'o}nias portuguesas em {\'A}frica (Angola, Mo{\cc}ambique, Cabo Verde, Guin{\'e} Bissau, S{\~a}o Tom{\'e} e Pr{\'i}ncipe) e na {\'A}sia (Timor-Leste). O pluricentrismo, neste caso, significa que estamos perante duas variedades nacionais da L{\'i}ngua Portuguesa – a norma portuguesa e a norma brasileira (e isto independentemente da varia{\cc}{\~a}o dialectal existente em cada um destes pa{\'i}ses) –, bem como perante as variedades locais faladas em cada um dos outros pa{\'i}ses (como, por exemplo, as variedades africanas – angolana e mo{\cc}ambicana –, cf. Raposo et al. 2013), algumas ainda n{\~a}o suficientemente bem estudadas nem conhecidas apesar de muito esfor{\cc}o j{\'a} desenvolvido neste sentido por linguistas dedicados {\`a} investiga{\cc}{\~a}o na {\'a}rea (cf. site C{\'a}tedra de Portugu{\^e}s). No presente estudo e na sequ{\^e}ncia das tem{\'a}ticas acima apresentadas, surge uma tem{\'a}tica nova, com a qual pretendemos reflectir sobre a quest{\~a}o: (i) Que gram{\'a}tica(s) temos e de que gram{\'a}tica(s) precisamos para estudar o Portugu{\^e}s l{\'i}ngua pluric{\^e}ntrica? (ii) Trata-se de uma quest{\~a}o at{\'e} agora n{\~a}o estudada pelos linguistas e ausente das tem{\'a}ticas da {\'a}rea. A motiva{\cc}{\~a}o para esta proposta vem da recente abordagem conjunta e englobante das mais recentes gram{\'a}ticas do Portugu{\^e}s apresentada em Neves & Caseb-Galv{\~a}o (2014) e da leitura subliminar que esta obra nos oferece. Por conseguinte, ao tentarmos encontrar resposta {\`a} quest{\~a}o: “Que gram{\'a}tica para o Portugu{\^e}s l{\'i}ngua pluric{\^e}ntrica?”, partimos das seguintes perguntas: • Se as gram{\'a}ticas do Portugu{\^e}s publicadas nos {\'u}ltimos anos aqu{\'e}m e al{\'e}m Atl{\^a}ntico, elaboradas com abordagens lingu{\'i}sticas modernas e diversificadas, s{\~a}o t{\~a}o numerosas como demonstra o estudo Neves & Caseb-Galv{\~a}o (2014), ser{\'a} que esta riqueza reflecte a realidade da L{\'i}ngua Portuguesa no mundo e nos permite encarar a problem{\'a}tica da sua pluricentricidade de um modo informado e representativo? • Ou ser{\'a} que – pelo contr{\'a}rio –, em vez de v{\'a}rias gram{\'a}ticas parciais de variedades nacionais de que dispomos neste momento, precisamos de uma gram{\'a}tica global do Portugu{\^e}s pluric{\^e}ntrico que nos permita olhar para a totalidade da tem{\'a}tica da varia{\cc}{\~a}o interna da L{\'i}ngua Portuguesa de um modo equitativamente distribu{\'i}do entre as variedades nacionais e as outras, (ainda) n{\~a}o reconhecidas como total, mas igualmente presentes na nossa realidade pluric{\^e}ntrica?",
keywords = "L{\'i}nguas pluric{\^e}ntricas, Portugu{\^e}s Europeu, Portugu{\^e}s do Brasil, Varia{\cc}{\~a}o lingu{\'i}stica, Gram{\'a}ticas portuguesas, Gram{\'a}ticas brasileiras, Gram{\'a}ticas da l{\'i}ngua portuguesa, Variedades dominantes e n{\~a}o-dominantes do portugu{\^e}s",
author = "Bator{\'e}o, {Hanna Krystyna Jakubowicz}",
note = "info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147316/PT# UID/LIN/03213/2013",
year = "2016",
language = "Portuguese",
isbn = "978-989-755-209-0",
pages = "85--102",
editor = "Jos{\'e} Teixeira",
booktitle = "O Portugu{\^e}s como l{\'i}ngua num mundo global",
publisher = "Centro de Estudos Lus{\'i}adas da Universidade do Minho/Humus",

}

Batoréo, HKJ 2016, Que gramática temos para estudar o português língua pluricêntrica? in J Teixeira (ed.), O Português como língua num mundo global: Problemas e potencialidades. Centro de Estudos Lusíadas da Universidade do Minho/Humus, V. N. Famalicão, pp. 85-102.

Que gramática temos para estudar o português língua pluricêntrica? / Batoréo, Hanna Krystyna Jakubowicz.

O Português como língua num mundo global: Problemas e potencialidades. ed. / José Teixeira. V. N. Famalicão : Centro de Estudos Lusíadas da Universidade do Minho/Humus, 2016. p. 85-102.

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingChapter

TY - CHAP

T1 - Que gramática temos para estudar o português língua pluricêntrica?

AU - Batoréo, Hanna Krystyna Jakubowicz

N1 - info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147316/PT# UID/LIN/03213/2013

PY - 2016

Y1 - 2016

N2 - Entre as línguas pluricêntricas europeias, o alcance do Português ocupa um lugar destacado (cf. Baxter 1992, Silva et al. 2011), sobretudo por ser (i) o idioma nacional de dois países: Portugal e Brasil, (ii) a língua falada na qualidade de variedade(s) galega(s) na Galiza, em Espanha e (iii) a língua oficial numa série de países independentes, ex-colónias portuguesas em África (Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné Bissau, São Tomé e Príncipe) e na Ásia (Timor-Leste). O pluricentrismo, neste caso, significa que estamos perante duas variedades nacionais da Língua Portuguesa – a norma portuguesa e a norma brasileira (e isto independentemente da variação dialectal existente em cada um destes países) –, bem como perante as variedades locais faladas em cada um dos outros países (como, por exemplo, as variedades africanas – angolana e moçambicana –, cf. Raposo et al. 2013), algumas ainda não suficientemente bem estudadas nem conhecidas apesar de muito esforço já desenvolvido neste sentido por linguistas dedicados à investigação na área (cf. site Cátedra de Português). No presente estudo e na sequência das temáticas acima apresentadas, surge uma temática nova, com a qual pretendemos reflectir sobre a questão: (i) Que gramática(s) temos e de que gramática(s) precisamos para estudar o Português língua pluricêntrica? (ii) Trata-se de uma questão até agora não estudada pelos linguistas e ausente das temáticas da área. A motivação para esta proposta vem da recente abordagem conjunta e englobante das mais recentes gramáticas do Português apresentada em Neves & Caseb-Galvão (2014) e da leitura subliminar que esta obra nos oferece. Por conseguinte, ao tentarmos encontrar resposta à questão: “Que gramática para o Português língua pluricêntrica?”, partimos das seguintes perguntas: • Se as gramáticas do Português publicadas nos últimos anos aquém e além Atlântico, elaboradas com abordagens linguísticas modernas e diversificadas, são tão numerosas como demonstra o estudo Neves & Caseb-Galvão (2014), será que esta riqueza reflecte a realidade da Língua Portuguesa no mundo e nos permite encarar a problemática da sua pluricentricidade de um modo informado e representativo? • Ou será que – pelo contrário –, em vez de várias gramáticas parciais de variedades nacionais de que dispomos neste momento, precisamos de uma gramática global do Português pluricêntrico que nos permita olhar para a totalidade da temática da variação interna da Língua Portuguesa de um modo equitativamente distribuído entre as variedades nacionais e as outras, (ainda) não reconhecidas como total, mas igualmente presentes na nossa realidade pluricêntrica?

AB - Entre as línguas pluricêntricas europeias, o alcance do Português ocupa um lugar destacado (cf. Baxter 1992, Silva et al. 2011), sobretudo por ser (i) o idioma nacional de dois países: Portugal e Brasil, (ii) a língua falada na qualidade de variedade(s) galega(s) na Galiza, em Espanha e (iii) a língua oficial numa série de países independentes, ex-colónias portuguesas em África (Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné Bissau, São Tomé e Príncipe) e na Ásia (Timor-Leste). O pluricentrismo, neste caso, significa que estamos perante duas variedades nacionais da Língua Portuguesa – a norma portuguesa e a norma brasileira (e isto independentemente da variação dialectal existente em cada um destes países) –, bem como perante as variedades locais faladas em cada um dos outros países (como, por exemplo, as variedades africanas – angolana e moçambicana –, cf. Raposo et al. 2013), algumas ainda não suficientemente bem estudadas nem conhecidas apesar de muito esforço já desenvolvido neste sentido por linguistas dedicados à investigação na área (cf. site Cátedra de Português). No presente estudo e na sequência das temáticas acima apresentadas, surge uma temática nova, com a qual pretendemos reflectir sobre a questão: (i) Que gramática(s) temos e de que gramática(s) precisamos para estudar o Português língua pluricêntrica? (ii) Trata-se de uma questão até agora não estudada pelos linguistas e ausente das temáticas da área. A motivação para esta proposta vem da recente abordagem conjunta e englobante das mais recentes gramáticas do Português apresentada em Neves & Caseb-Galvão (2014) e da leitura subliminar que esta obra nos oferece. Por conseguinte, ao tentarmos encontrar resposta à questão: “Que gramática para o Português língua pluricêntrica?”, partimos das seguintes perguntas: • Se as gramáticas do Português publicadas nos últimos anos aquém e além Atlântico, elaboradas com abordagens linguísticas modernas e diversificadas, são tão numerosas como demonstra o estudo Neves & Caseb-Galvão (2014), será que esta riqueza reflecte a realidade da Língua Portuguesa no mundo e nos permite encarar a problemática da sua pluricentricidade de um modo informado e representativo? • Ou será que – pelo contrário –, em vez de várias gramáticas parciais de variedades nacionais de que dispomos neste momento, precisamos de uma gramática global do Português pluricêntrico que nos permita olhar para a totalidade da temática da variação interna da Língua Portuguesa de um modo equitativamente distribuído entre as variedades nacionais e as outras, (ainda) não reconhecidas como total, mas igualmente presentes na nossa realidade pluricêntrica?

KW - Línguas pluricêntricas

KW - Português Europeu

KW - Português do Brasil

KW - Variação linguística

KW - Gramáticas portuguesas

KW - Gramáticas brasileiras

KW - Gramáticas da língua portuguesa

KW - Variedades dominantes e não-dominantes do português

M3 - Chapter

SN - 978-989-755-209-0

SP - 85

EP - 102

BT - O Português como língua num mundo global

A2 - Teixeira, José

PB - Centro de Estudos Lusíadas da Universidade do Minho/Humus

CY - V. N. Famalicão

ER -

Batoréo HKJ. Que gramática temos para estudar o português língua pluricêntrica? In Teixeira J, editor, O Português como língua num mundo global: Problemas e potencialidades. V. N. Famalicão: Centro de Estudos Lusíadas da Universidade do Minho/Humus. 2016. p. 85-102