Práticas e representações sobre a retenção escolar em escolas de oito concelhos do Alentejo

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingConference contribution

Abstract

A retenção é uma prática comum no sistema de ensino português (CNE, 2017) apesar dos efeitos negativos apontados pela literatura (Davoudzadeh, McTernan, & Grimm, 2015; Fruehwirth, Navarro & Takakashi, 2011; Goos et al., 2013; Guèvremont, Roos & Brownell, 2007; Jimerson, 2001; Jimerson et al., 1997; Xia & Kirby, 2009). Em Portugal são acentuadas as diferenças regionais em termos de desigualdade no desempenho dos alunos (Justino et al., 2014; Pereira & Reis, 2012) bem como nas taxas de retenção (Justino et al., 2014, 2017). A literatura demonstra que que a retenção não acontece somente devido às características dos alunos, mas também devido a fatores familiares, escolares e regionais. Nesta comunicação pretende-se responder a duas questões: 1) Quais são as práticas adotadas relativas à retenção escolar? 2) Quais são as representações sobre a retenção escolar? Como metodologia, selecionou-se oito concelhos geograficamente próximos, da região do Alentejo, dado que em 2011 era uma das áreas geográficas com maior taxa de atraso (Justino et al., 2017) e aplicou-se uma entrevista semiestruturada a nove diretores de agrupamentos de escola. As entrevistas foram submetidas a uma análise de conteúdo com recurso ao programa MAXQDA. No discurso da maioria dos diretores é manifestado que a tomada de decisão acerca da retenção de um aluno é analisada caso a caso pelos professores em conselho de turma havendo flexibilização na aplicação da mesma; os alunos em risco são sinalizados no início de cada letivo. A medida de promoção de sucesso educativo mais recorrentemente aplicada é o apoio ao estudo e no 2.º e 3.º CEB são os ciclos onde mais se promove a recuperação do aluno. A partir da segunda retenção os alunos são encaminhados para outra oferta formativa. As justificações para as taxas de retenção nos agrupamentos são devidas a fatores dos alunos ou familiares. Os resultados indicam que a aplicação da medida de retenção baseia-se em critérios subjetivos. Apesar de os alunos com dificuldades serem sinalizados, a maioria não se faz acompanhar de medidas de recuperação eficazes para colmatar o insucesso sendo ineficaz a mais comumente aplicada. A maioria dos diretores tem uma visão desfavorável face à retenção.
Original languageEnglish
Title of host publicationCurrículo, Avaliação, Formação e Tecnologias educativas (CAFTe)
Subtitle of host publicationII Seminário Internacional
EditorsCarlinda Leite, Preciosa Fernandes, Angélica Monteiro, Carla Figueiredo, Fátima Sousa-Pereira, Marta Pinto
Place of PublicationPorto
PublisherCentro de Investigação e Intervenção Educativas (CIIE) da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação (FPCE) da Universidade do Porto (UPorto)
Pages342-352
Number of pages10
ISBN (Electronic)978-989-8471-34-5
Publication statusPublished - 2019

Keywords

  • Diretores escolares
  • Práticas de retenção
  • Representações sobre a retenção escolar
  • Políticas educativas

Fingerprint Dive into the research topics of 'Práticas e representações sobre a retenção escolar em escolas de oito concelhos do Alentejo'. Together they form a unique fingerprint.

Cite this