Portugal: Pequena história de um grande jornalismo I: da manufatura à indústria

Translated title of the contribution: Portugal: A short story of a great journalism I: from manufacturing to industry

Research output: Book/ReportBook

Abstract

Entre 1641, ano em que surge o primeiro periódico português, a Gazeta, e 1926, ano em que sobreveio o golpe militar que instituiu a Ditadura, registaram-se consideráveis mudanças na paisagem jornalística portu-guesa. Este livro pretende registar essas mudanças, por meio de uma abordagem geral, sistemática e diacrónica, da história do jornalismo em Portugal. Justifica-se a sua edição porque obras de síntese, como esta, introduzem um assunto, nos seus aspetos gerais, a uma comunidade de leitores. A narrativa é pautada pelo surgimento e desaparecimento de meios jornalísticos e pelos intérpretes da atividade em cada momento histórico — os jorna-listas. A obra obedece, na sua ordenação e exposição, à interpretação pessoal do autor sobre o devir histórico, já que a sucessão de factos ao longo da história, alguns mais notáveis e notados do que outros, não tendo signi-ficado a priori, necessita de interpretações que a tornem inteligível e assimilável. A perspetiva pessoal do autor sobre a história do jornalismo português revela-se não apenas na forma como a sua visão da história se expressa na narrativa, mas também na extensão cronológica abordada, já que se considera que atividade de produção de notícias e periódicos noticiosos que emerge na Modernidade é uma forma, ainda que arcaica, de jornalismo, merecendo, portanto, ser incluída numa história do jornalismo português; e revela-se, igualmente, na proposta de periodização do jornalismo em Portugal, cuja formulação é um dos objetivos da obra. Propõe-se, até 1926, a seguinte periodização para a história do jornalismo português entre 1641 e 1926: 1) Periodismo artesanal noti-cioso (dos finais do século XVI até 1730); 2) Segmentação da imprensa e domínio da imprensa artesanal infor-mativa (1730-1820); 3) Imprensa artesanal segmentada e domínio da imprensa artesanal política (1820-1834); 4) Imprensa pré-industrial segmentada (1834-1864); e 5) Imprensa industrial segmentada e desenvolvimento dos diários noticiosos de massas (1864-1926). A narrativa termina em 1926, com a imposição da Ditadura. Um segundo volume procurará trazê-la até à alvorada do século XXI.


Between 1641, the year in which the first Portuguese newspaper, the Gazeta, appeared, and 1926, the year of the military coup that instituted the Dictatorship, there were considerable changes in the Portuguese journalistic landscape. This book intends to record these changes, through a general, systematic and diachronic approach to the history of journalism in Portugal. Its edition is justified because synthesis works, like this one, introduce a subject, in its general aspects, to a community of readers. The historical narrative is guided by the emergence and disappearance of journalistic media and by the interpreters of the activity in each historical mo-ment - the journalists. The work obeys, in its ordering and exposition, to the author’s personal interpretation of history, since the succession of facts throughout time, some more notable and noticed than others, having no a priori meaning, needs interpretations that make it intelligible. The author’s personal perspective on the history of Portuguese journalism is revealed not only in the way his vision of history is expressed in the narrative, but also in the chronological extension addressed, since it is considered that news production activity and news pe-riodicals that emerges in Modernity is a form, although archaic, of journalism, therefore deserving to be includ-ed in a history of Portuguese journalism; and it is revealed, also, in the proposal of periodization of journalism in Portugal that is made as a conclusion of the narrative. The following periodization is proposed for the history of Portuguese journalism between 1641 and 1926: 1) Artisanal news reporting (from the late 16th century to 1730); 2) Segmentation of the press and dominance of the informative artisanal press (1730-1820); 3) Segmented artisanal press and dominance of the political artisanal press (1820-1851); 4) Segmented pre-industrial press (1851-1864); and 5) Segmented industrial press and development of mass news newspapers (1864-1926). The narrative ends in 1926, with the imposition of the Dictatorship. A second volume will seek to bring it up to the dawn of the 21st century.
Translated title of the contributionPortugal: A short story of a great journalism I: from manufacturing to industry
Original languagePortuguese
Place of PublicationLisboa
PublisherICNOVA – Instituto de Comunicação da Nova
Number of pages508
ISBN (Electronic)978-989-9048-17-1
ISBN (Print)978-989-9048-16-4
DOIs
Publication statusPublished - 2021

Fingerprint

Dive into the research topics of 'Portugal: A short story of a great journalism I: from manufacturing to industry'. Together they form a unique fingerprint.

Cite this