Outros modelos de políticas da água em diferentes Regiões do globo: prioridades de intervenção, em diferentes contextos e evolução de paradigmas de planeamento integrado de recursos hídricos

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingChapter

Abstract

tem acompanhado a política da água na Europa, nas últimas décadas e colocar essa mudança a par das tendências de evolução e de práticas desenvolvidas noutros contextos fora da Europa. Os fatores críticos de mudança situam-se em torno das mudanças globais: demográficas, climáticas e económicas. As alterações dos padrões societários e de adaptação a estas mudanças, no que respeita o acesso e uso da água, têm sido o foco de atenções multidisciplinares e têm provocado uma alteração substancial da conceção da água como um ‘mero recurso’ que se quantifica e atribui discricionariamente a diferentes usos. A gestão e o planeamento dos usos da água e dos recursos associados não se dissociam mais das comunidades envolvidas e da concertação de visões e expectativas de diferentes atores e setores de atividade. Encontramo-nos perante uma ‘encruzilhada’ de opções que terão de ser tomadas, entre os modelos de consumo e de organização baseados nessa conceção ultrapassada e unidimensional e as escolhas que favorecem uma gestão socialmente integrada, de consideração da água como um fator de qualidade de vida e de desenvolvimento, a gerir por todos os atores sociais e económicos. O reforço da capacidade de adaptação às mudanças vem em primeiro lugar na lista das novas necessidades organizacionais, sociais e políticas da gestão e planeamento da água e dos seus recursos. Assim, para passarmos a ter uma sociedade ‘adaptável’ e consciente das condições de gestão da sua água, os aspetos vitais de manutenção dos ciclos hidrológicos à escala local, regional e global, de forma a permitir a todos um acesso equitativo à água disponível, para produção de alimentos, energia, produtos e serviços económicos, têm de ser apropriados por todos. Esta apropriação inclui direitos (de acesso) e responsabilização (pela manutenção desses ciclos naturais), constituindo o cerne de uma ‘nova ordem e governança da água’. É desta mudança de paradigma que trata a comunicação e que se pretende dar aqui a conhecer, através de alguns casos de boas práticas que vêm sendo experimentados nalgumas regiões do mundo.
Original languageUnknown
Title of host publicationVIII Congresso Ibérico
EditorsPela Fundação da Nova Cultura da Água
Place of PublicationLisboa
PublisherUniversidade Lusíada Editora
Pages123-129
ISBN (Print)978-989-640-160-3; 978-84-938866-6-9
Publication statusPublished - 1 Jan 2013

Cite this