Os Judeus do Oriente: Perceções Europeias dos Chineses Ultramarinos no Sueste Asiático (séculos XVI-XVIII)

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingChapter

24 Downloads (Pure)

Abstract

Em 1660, no final de uma carta escrita em Pequim ao seu superior, o jesuíta Gabriel de Magalhães enaltecia o trabalho missionário da Companhia de Jesus in hoc prava nationis (“nesta nação perversa”). Mais do que uma mera observação pejorativa acerca da China e dos seus habitantes, a expressão denotava um juízo muito concreto e definido, por estar habitualmente reservada para designar os judeus. A frase contrasta com o tom invariavelmente elogioso com que os jesuítas – entre eles o próprio Magalhães – descreviam a opulência e abundância do reino da China, a grandeza das suas cidades ou a complexidade da sua ordem social e política. De facto, até ao século XVIII – na verdade, até à Revolução Industrial –, a Europa viveu fascinada pela magnificência das civilizações asiáticas, e da China em particular, com a sua ordem social, a complexidade das suas instituições ou o seu sistema judicial, ao mesmo tempo que alimentava o imaginário europeu de um repositório inesgotável de riquezas e produtos de luxo.
Original languagePortuguese
Title of host publicationPercepções Europeias da China dos séculos XVI a XVIII
Subtitle of host publicationIdeias e imagens na origem da moderna sinologia
EditorsFrancisco Roque de Oliveira
Place of PublicationLisboa
PublisherCentro Estudos Geográficos (CEG) | Palácio Nacional de Mafra
Pages93-110
Number of pages18
ISBN (Print)9789726362630
Publication statusPublished - 2017

Keywords

  • Overseas Chinese
  • Southeast Asia

Cite this