O silenciamento das práticas musicais femininas na corte portuguesa, nas narrativas históricas e culturais

Research output: Contribution to conferencePaper

Abstract

Nas últimas décadas do século XX, a investigação musicológica abriu-se a uma relevante diversidade de avanços científicos que tinham vindo a transformar decisivamente os paradigmas das ciências sociais e humanas desde a década de 1960. É nesse âmbito de contestação de uma visão formalista e positivista que surge nomeadamente a necessidade de se reinterpretarem narrativas já cristalizadas e de se dar ‘voz’ a discursos que interviessem no sentido de desmistificar alegadas verdades e identificar silêncios e ausências, nomeadamente da presença feminina nas narrativas históricas (Bowers & Tick; Citron; McClary; etc.). Como explicar, por exemplo, as extensas referências às práticas musicais masculinas na corte portuguesa ao longo da sua existência e o pouco relevo conferido às práticas musicais, descritas em fontes das diversas épocas da sua existências, que ocorreram na Casa das Rainhas, por iniciativa destas últimas, e em que vários membros femininos, e por vezes até masculinos, participaram? Devemos considerar que, para certas épocas, a escrita da História tornou invisível e irrelevante o desempenho musical feminino? (Solie; Arribas; Cook & Everist). E se o fez, quais foram as razões? Porquê silenciar a influência que determinadas mulheres tiveram nas práticas musicais, no seu próprio meio, e nas narrativas que a ele se reportam? É neste âmbito que nos iremos enquadrar, considerando as mais recentes perspectivas em presença nos quadros teóricos no domínio dos Estudos sobre as mulheres - problematizando o lugar da mulher na construção da História - e dos Estudos do género, no âmbito da Sociologia da música - na análise de discursos, contemporâneos e posteriores, às práticas musicais da Casa das rainhas, exemplificando com o caso de algumas rainhas e infantas principalmente da época moderna em análise, e no questionamento da construção dos papéis sociais, ditos “naturais”, e suas implicações discursivas. O nosso objectivo é confrontar as fontes primárias e secundárias, procurando tanto no silenciado como no interditado, no ignorado ou apenas mencionado, indícios da prática musical feminina que terá passado eventualmente despercebida ao longo de todos estes séculos.
Original languagePortuguese
Publication statusPublished - 2014
EventJornadas Internacionais: Falar de mulheres – 10 anos depois - Lisboa, Portugal
Duration: 20 Oct 201421 Oct 2014

Conference

ConferenceJornadas Internacionais: Falar de mulheres – 10 anos depois
CountryPortugal
CityLisboa
Period20/10/1421/10/14

Keywords

  • práticas musicais femininas
  • música
  • género

Cite this