O património sonoro da Ordem de Cristo nas visitações do século XVI na região de Castelo Branco

Research output: Contribution to conferenceAbstract

2 Downloads (Pure)

Abstract


O vasto território da Ordem de Cristo estava dividido em comendas, que eram um espaço territorial delimitado dentro do qual os freires cavaleiros atuavam como autoridade senhorial, em nome do Mestre, e de acordo com o poder que lhe fora delegado, usufruindo dos seus bens e rendimentos e assim sustentando a própria Ordem. A Zona de Castelo Branco, mais concretamente entre o Zêzere e o Tejo, continha muitos destes espaços. Estas propriedades continham um conjunto de casas, capelas, igrejas, fortificações ou castelos. No sentido de identificar bens patrimoniais e práticas de conduta, especialmente de carater religioso, no sentido de retificar procedimentos e administrar bens e direitos de forma mais eficaz, a Ordem, com a sua sede no Convento de Tomar, instituiu Visitações às Comendas. Estas foram estabelecidas no Capítulo Geral que se realizou no Convento de Tomar a 5 de Dezembro de 1503, tendo nascido a Regra e Deffiniçõoes da ordem do mestrado de nosso Senhor Jhesu Christo. O processo das Visitações deveriam efetuar-se a todas as comendas e propriedades da Ordem, sendo escolhidos para Visitadores dois religiosos da Ordem. O seu objetivo era registar um inventário dos bens da comenda e do seu estado e, como tal, constituem exames importantes para avaliação do seu património temporal e espiritual. Os estudos atuais sobre as comendas das Ordens em geral e na de Cristo em particular salientam sobretudo o conhecimento da sua administração e gestão entregando para segundo plano a apresentação do património cultural. É neste sentido que, a partir do estudo realizado por José Joaquim M. Hormigo, Visitações da Ordem de Cristo em 1505 e 1537 (1981), juntamente com um levamento de informações, utilizando documentos vários, como a normativa da Ordem, Regimentos, Estatutos e Constituições se retiraram informações sobre os aspetos vários do património sonoro, nomeadamente, os coros, os campanários ou as campainhas, além do quotidiano litúrgico e obrigações do capelão. Mas o mais interessante é as informações que se retiram sobre os livros litúrgicos, muitos deles com notação musical, utilizados nas capelas e igrejas de cada comenda visitada, o que nos dá indícios da existência de uma prática musical organizada no quadro da Missa e do Ofício Divino. Outro aspeto interessante e revelador é o tipo de rito que se praticava nesta região que estava simultaneamente sob a alçada do bispado da Guarda.
Original languagePortuguese
Pages61-62
Number of pages2
Publication statusPublished - 2018
EventI Encontro em Património, Educação e Cultura - Castelo Branco, Portugal
Duration: 22 Nov 201824 Nov 2018

Conference

ConferenceI Encontro em Património, Educação e Cultura
CountryPortugal
CityCastelo Branco
Period22/11/1824/11/18

Keywords

  • Ordem de Cristo
  • Visitações
  • Rito
  • Património sonoro
  • Livros litúrgicos

Cite this

Correia Castilho, L. (2018). O património sonoro da Ordem de Cristo nas visitações do século XVI na região de Castelo Branco. 61-62. Abstract from I Encontro em Património, Educação e Cultura, Castelo Branco, Portugal.
Correia Castilho, Luísa. / O património sonoro da Ordem de Cristo nas visitações do século XVI na região de Castelo Branco. Abstract from I Encontro em Património, Educação e Cultura, Castelo Branco, Portugal.2 p.
@conference{2517315f313043b5bcb76afb89d1c122,
title = "O patrim{\'o}nio sonoro da Ordem de Cristo nas visita{\cc}{\~o}es do s{\'e}culo XVI na regi{\~a}o de Castelo Branco",
abstract = "O vasto território da Ordem de Cristo estava dividido em comendas, que eram um espaço territorial delimitado dentro do qual os freires cavaleiros atuavam como autoridade senhorial, em nome do Mestre, e de acordo com o poder que lhe fora delegado, usufruindo dos seus bens e rendimentos e assim sustentando a própria Ordem. A Zona de Castelo Branco, mais concretamente entre o Zêzere e o Tejo, continha muitos destes espaços. Estas propriedades continham um conjunto de casas, capelas, igrejas, fortificações ou castelos. No sentido de identificar bens patrimoniais e práticas de conduta, especialmente de carater religioso, no sentido de retificar procedimentos e administrar bens e direitos de forma mais eficaz, a Ordem, com a sua sede no Convento de Tomar, instituiu Visitações às Comendas. Estas foram estabelecidas no Capítulo Geral que se realizou no Convento de Tomar a 5 de Dezembro de 1503, tendo nascido a Regra e Deffiniçõoes da ordem do mestrado de nosso Senhor Jhesu Christo. O processo das Visitações deveriam efetuar-se a todas as comendas e propriedades da Ordem, sendo escolhidos para Visitadores dois religiosos da Ordem. O seu objetivo era registar um inventário dos bens da comenda e do seu estado e, como tal, constituem exames importantes para avaliação do seu património temporal e espiritual. Os estudos atuais sobre as comendas das Ordens em geral e na de Cristo em particular salientam sobretudo o conhecimento da sua administração e gestão entregando para segundo plano a apresentação do património cultural. É neste sentido que, a partir do estudo realizado por José Joaquim M. Hormigo, Visitações da Ordem de Cristo em 1505 e 1537 (1981), juntamente com um levamento de informações, utilizando documentos vários, como a normativa da Ordem, Regimentos, Estatutos e Constituições se retiraram informações sobre os aspetos vários do património sonoro, nomeadamente, os coros, os campanários ou as campainhas, além do quotidiano litúrgico e obrigações do capelão. Mas o mais interessante é as informações que se retiram sobre os livros litúrgicos, muitos deles com notação musical, utilizados nas capelas e igrejas de cada comenda visitada, o que nos dá indícios da existência de uma prática musical organizada no quadro da Missa e do Ofício Divino. Outro aspeto interessante e revelador é o tipo de rito que se praticava nesta região que estava simultaneamente sob a alçada do bispado da Guarda.",
keywords = "Ordem de Cristo, Visita{\cc}{\~o}es, Rito, Patrim{\'o}nio sonoro, Livros lit{\'u}rgicos",
author = "{Correia Castilho}, Lu{\'i}sa",
note = "info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147237/PT# UID/EAT/00693/2013; null ; Conference date: 22-11-2018 Through 24-11-2018",
year = "2018",
language = "Portuguese",
pages = "61--62",

}

Correia Castilho, L 2018, 'O património sonoro da Ordem de Cristo nas visitações do século XVI na região de Castelo Branco' I Encontro em Património, Educação e Cultura, Castelo Branco, Portugal, 22/11/18 - 24/11/18, pp. 61-62.

O património sonoro da Ordem de Cristo nas visitações do século XVI na região de Castelo Branco. / Correia Castilho, Luísa.

2018. 61-62 Abstract from I Encontro em Património, Educação e Cultura, Castelo Branco, Portugal.

Research output: Contribution to conferenceAbstract

TY - CONF

T1 - O património sonoro da Ordem de Cristo nas visitações do século XVI na região de Castelo Branco

AU - Correia Castilho, Luísa

N1 - info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147237/PT# UID/EAT/00693/2013

PY - 2018

Y1 - 2018

N2 - O vasto território da Ordem de Cristo estava dividido em comendas, que eram um espaço territorial delimitado dentro do qual os freires cavaleiros atuavam como autoridade senhorial, em nome do Mestre, e de acordo com o poder que lhe fora delegado, usufruindo dos seus bens e rendimentos e assim sustentando a própria Ordem. A Zona de Castelo Branco, mais concretamente entre o Zêzere e o Tejo, continha muitos destes espaços. Estas propriedades continham um conjunto de casas, capelas, igrejas, fortificações ou castelos. No sentido de identificar bens patrimoniais e práticas de conduta, especialmente de carater religioso, no sentido de retificar procedimentos e administrar bens e direitos de forma mais eficaz, a Ordem, com a sua sede no Convento de Tomar, instituiu Visitações às Comendas. Estas foram estabelecidas no Capítulo Geral que se realizou no Convento de Tomar a 5 de Dezembro de 1503, tendo nascido a Regra e Deffiniçõoes da ordem do mestrado de nosso Senhor Jhesu Christo. O processo das Visitações deveriam efetuar-se a todas as comendas e propriedades da Ordem, sendo escolhidos para Visitadores dois religiosos da Ordem. O seu objetivo era registar um inventário dos bens da comenda e do seu estado e, como tal, constituem exames importantes para avaliação do seu património temporal e espiritual. Os estudos atuais sobre as comendas das Ordens em geral e na de Cristo em particular salientam sobretudo o conhecimento da sua administração e gestão entregando para segundo plano a apresentação do património cultural. É neste sentido que, a partir do estudo realizado por José Joaquim M. Hormigo, Visitações da Ordem de Cristo em 1505 e 1537 (1981), juntamente com um levamento de informações, utilizando documentos vários, como a normativa da Ordem, Regimentos, Estatutos e Constituições se retiraram informações sobre os aspetos vários do património sonoro, nomeadamente, os coros, os campanários ou as campainhas, além do quotidiano litúrgico e obrigações do capelão. Mas o mais interessante é as informações que se retiram sobre os livros litúrgicos, muitos deles com notação musical, utilizados nas capelas e igrejas de cada comenda visitada, o que nos dá indícios da existência de uma prática musical organizada no quadro da Missa e do Ofício Divino. Outro aspeto interessante e revelador é o tipo de rito que se praticava nesta região que estava simultaneamente sob a alçada do bispado da Guarda.

AB - O vasto território da Ordem de Cristo estava dividido em comendas, que eram um espaço territorial delimitado dentro do qual os freires cavaleiros atuavam como autoridade senhorial, em nome do Mestre, e de acordo com o poder que lhe fora delegado, usufruindo dos seus bens e rendimentos e assim sustentando a própria Ordem. A Zona de Castelo Branco, mais concretamente entre o Zêzere e o Tejo, continha muitos destes espaços. Estas propriedades continham um conjunto de casas, capelas, igrejas, fortificações ou castelos. No sentido de identificar bens patrimoniais e práticas de conduta, especialmente de carater religioso, no sentido de retificar procedimentos e administrar bens e direitos de forma mais eficaz, a Ordem, com a sua sede no Convento de Tomar, instituiu Visitações às Comendas. Estas foram estabelecidas no Capítulo Geral que se realizou no Convento de Tomar a 5 de Dezembro de 1503, tendo nascido a Regra e Deffiniçõoes da ordem do mestrado de nosso Senhor Jhesu Christo. O processo das Visitações deveriam efetuar-se a todas as comendas e propriedades da Ordem, sendo escolhidos para Visitadores dois religiosos da Ordem. O seu objetivo era registar um inventário dos bens da comenda e do seu estado e, como tal, constituem exames importantes para avaliação do seu património temporal e espiritual. Os estudos atuais sobre as comendas das Ordens em geral e na de Cristo em particular salientam sobretudo o conhecimento da sua administração e gestão entregando para segundo plano a apresentação do património cultural. É neste sentido que, a partir do estudo realizado por José Joaquim M. Hormigo, Visitações da Ordem de Cristo em 1505 e 1537 (1981), juntamente com um levamento de informações, utilizando documentos vários, como a normativa da Ordem, Regimentos, Estatutos e Constituições se retiraram informações sobre os aspetos vários do património sonoro, nomeadamente, os coros, os campanários ou as campainhas, além do quotidiano litúrgico e obrigações do capelão. Mas o mais interessante é as informações que se retiram sobre os livros litúrgicos, muitos deles com notação musical, utilizados nas capelas e igrejas de cada comenda visitada, o que nos dá indícios da existência de uma prática musical organizada no quadro da Missa e do Ofício Divino. Outro aspeto interessante e revelador é o tipo de rito que se praticava nesta região que estava simultaneamente sob a alçada do bispado da Guarda.

KW - Ordem de Cristo

KW - Visitações

KW - Rito

KW - Património sonoro

KW - Livros litúrgicos

M3 - Abstract

SP - 61

EP - 62

ER -

Correia Castilho L. O património sonoro da Ordem de Cristo nas visitações do século XVI na região de Castelo Branco. 2018. Abstract from I Encontro em Património, Educação e Cultura, Castelo Branco, Portugal.