O mercado de arte e o rei D. Luís: a formação da galeria de pintura e do museu de antiguidades do Palácio da Ajuda

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingChapter

Abstract

Os primeiros anos do reinado de D. Luís ficaram marcados pela criação de uma galeria de pintura no Palácio da Ajuda. A formação do seu acervo pretende ser colocada em evidência ao longo deste texto, dando a conhecer o movimento de aquisições desenvolvido a partir de 1865, tanto em Portugal como no estrangeiro, os contactos com os agentes de mercado, e o papel exercido pelo pintor Marciano Henriques da Silva. Será igualmente alvo de análise a criação numa sala próxima à galeria de um "museu de antiguidades", onde o monarca expôs e conservou o essencial das suas coleções de numismática e ourivesaria, acrescidas de diversas peças pertencentes à Coroa. Estes núcleos foram igualmente enriquecidos com aquisições, destacando-se a atividade desenvolvida nesse sentido pelo colecionador Teixeira de Aragão, nomeado seu conservador.
Original languagePortuguese
Title of host publicationMuseus, Palácios e Mercados de Arte
EditorsMiguel Cabral de Moncada
Place of PublicationLisboa
PublisherScribe
ISBN (Print)978-989-8410-40-5
Publication statusPublished - 2015

Cite this

Xavier, H. (2015). O mercado de arte e o rei D. Luís: a formação da galeria de pintura e do museu de antiguidades do Palácio da Ajuda. In M. Cabral de Moncada (Ed.), Museus, Palácios e Mercados de Arte Lisboa: Scribe.