O integralismo musical de Luís de Freitas Branco

de Viriato a Camões

Research output: Contribution to conferenceAbstract

1 Downloads (Pure)

Abstract

Da ligação de Luís de Freitas Branco (1890-1955) ao movimento monárquico Integralismo Lusitano durante os anos 1910 resultaram relacionamentos e referências que o levaram à composição de obras neste contexto consideradas pertencentes ao que chamamos de fase integralista da sua produção. Além da composição de obras sobre textos de alguns dos principais integralistas - O motivo da planície, Minuete ou Soneto dos Repuxos, três peças para canto e piano com textos de António Sardinha; Viriato, poema sinfónico baseado no conto Funerais de Viriato por Hipólito Raposo; e Canto do Mar, para tenor e orquestra, com texto de Alberto de Monsaraz -, foram escritas outras, sem texto e não programáticas (pelo menos no sentido estrito do termo), que parecem corresponder em termos ideológicos ao que o Integralismo Lusitano procurava
defender nos seus escritos e comunicações públicas. Pretende-se, com a presente comunicação, uma análise de parte da produção de Luís de Freitas
Branco da década de 1910, que consistirá numa explicação dos motivos pelos quais consideramos esta produção fundamentalmente integralista, ou seja, relacionando-a com os ideais do Integralismo Lusitano. Desse modo, o principal objectivo será demonstrar que o Integralismo, fundado maioritariamente como movimento literário (surgindo a motivação política um pouco mais tarde), nos poderá ser apresentado também através de contrapartidas musicais. Um outro
foco da comunicação será procurar estabelecer pontes entre a produção musical de Freitas Branco desta época e algumas das suas obras dos anos 1920 e 1930, reflectindo sobre a relevância que a sua relação com o Integralismo Lusitano teve no seu pensamento musical mais tardio.
Original languagePortuguese
Pages29
Number of pages1
Publication statusPublished - 2016
EventVI Encontro Nacional de Investigação em Música - Universidade de Aveiro, Aveiro, Portugal
Duration: 3 Nov 20165 Nov 2016
http://www.spimusica.pt/enim-2016/

Conference

ConferenceVI Encontro Nacional de Investigação em Música
CountryPortugal
CityAveiro
Period3/11/165/11/16
Internet address

Cite this

Pina, I. (2016). O integralismo musical de Luís de Freitas Branco: de Viriato a Camões. 29. Abstract from VI Encontro Nacional de Investigação em Música, Aveiro, Portugal.
Pina, Isabel. / O integralismo musical de Luís de Freitas Branco : de Viriato a Camões. Abstract from VI Encontro Nacional de Investigação em Música, Aveiro, Portugal.1 p.
@conference{1fcecbebf61744b18587b326d9c1cf51,
title = "O integralismo musical de Lu{\'i}s de Freitas Branco: de Viriato a Cam{\~o}es",
abstract = "Da liga{\cc}{\~a}o de Lu{\'i}s de Freitas Branco (1890-1955) ao movimento mon{\'a}rquico Integralismo Lusitano durante os anos 1910 resultaram relacionamentos e refer{\^e}ncias que o levaram {\`a} composi{\cc}{\~a}o de obras neste contexto consideradas pertencentes ao que chamamos de fase integralista da sua produ{\cc}{\~a}o. Al{\'e}m da composi{\cc}{\~a}o de obras sobre textos de alguns dos principais integralistas - O motivo da plan{\'i}cie, Minuete ou Soneto dos Repuxos, tr{\^e}s pe{\cc}as para canto e piano com textos de Ant{\'o}nio Sardinha; Viriato, poema sinf{\'o}nico baseado no conto Funerais de Viriato por Hip{\'o}lito Raposo; e Canto do Mar, para tenor e orquestra, com texto de Alberto de Monsaraz -, foram escritas outras, sem texto e n{\~a}o program{\'a}ticas (pelo menos no sentido estrito do termo), que parecem corresponder em termos ideol{\'o}gicos ao que o Integralismo Lusitano procuravadefender nos seus escritos e comunica{\cc}{\~o}es p{\'u}blicas. Pretende-se, com a presente comunica{\cc}{\~a}o, uma an{\'a}lise de parte da produ{\cc}{\~a}o de Lu{\'i}s de FreitasBranco da d{\'e}cada de 1910, que consistir{\'a} numa explica{\cc}{\~a}o dos motivos pelos quais consideramos esta produ{\cc}{\~a}o fundamentalmente integralista, ou seja, relacionando-a com os ideais do Integralismo Lusitano. Desse modo, o principal objectivo ser{\'a} demonstrar que o Integralismo, fundado maioritariamente como movimento liter{\'a}rio (surgindo a motiva{\cc}{\~a}o pol{\'i}tica um pouco mais tarde), nos poder{\'a} ser apresentado tamb{\'e}m atrav{\'e}s de contrapartidas musicais. Um outrofoco da comunica{\cc}{\~a}o ser{\'a} procurar estabelecer pontes entre a produ{\cc}{\~a}o musical de Freitas Branco desta {\'e}poca e algumas das suas obras dos anos 1920 e 1930, reflectindo sobre a relev{\^a}ncia que a sua rela{\cc}{\~a}o com o Integralismo Lusitano teve no seu pensamento musical mais tardio.",
author = "Isabel Pina",
note = "info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147237/PT# UID/EAT/00693/2013; null ; Conference date: 03-11-2016 Through 05-11-2016",
year = "2016",
language = "Portuguese",
pages = "29",
url = "http://www.spimusica.pt/enim-2016/",

}

Pina, I 2016, 'O integralismo musical de Luís de Freitas Branco: de Viriato a Camões' VI Encontro Nacional de Investigação em Música, Aveiro, Portugal, 3/11/16 - 5/11/16, pp. 29.

O integralismo musical de Luís de Freitas Branco : de Viriato a Camões. / Pina, Isabel.

2016. 29 Abstract from VI Encontro Nacional de Investigação em Música, Aveiro, Portugal.

Research output: Contribution to conferenceAbstract

TY - CONF

T1 - O integralismo musical de Luís de Freitas Branco

T2 - de Viriato a Camões

AU - Pina, Isabel

N1 - info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147237/PT# UID/EAT/00693/2013

PY - 2016

Y1 - 2016

N2 - Da ligação de Luís de Freitas Branco (1890-1955) ao movimento monárquico Integralismo Lusitano durante os anos 1910 resultaram relacionamentos e referências que o levaram à composição de obras neste contexto consideradas pertencentes ao que chamamos de fase integralista da sua produção. Além da composição de obras sobre textos de alguns dos principais integralistas - O motivo da planície, Minuete ou Soneto dos Repuxos, três peças para canto e piano com textos de António Sardinha; Viriato, poema sinfónico baseado no conto Funerais de Viriato por Hipólito Raposo; e Canto do Mar, para tenor e orquestra, com texto de Alberto de Monsaraz -, foram escritas outras, sem texto e não programáticas (pelo menos no sentido estrito do termo), que parecem corresponder em termos ideológicos ao que o Integralismo Lusitano procuravadefender nos seus escritos e comunicações públicas. Pretende-se, com a presente comunicação, uma análise de parte da produção de Luís de FreitasBranco da década de 1910, que consistirá numa explicação dos motivos pelos quais consideramos esta produção fundamentalmente integralista, ou seja, relacionando-a com os ideais do Integralismo Lusitano. Desse modo, o principal objectivo será demonstrar que o Integralismo, fundado maioritariamente como movimento literário (surgindo a motivação política um pouco mais tarde), nos poderá ser apresentado também através de contrapartidas musicais. Um outrofoco da comunicação será procurar estabelecer pontes entre a produção musical de Freitas Branco desta época e algumas das suas obras dos anos 1920 e 1930, reflectindo sobre a relevância que a sua relação com o Integralismo Lusitano teve no seu pensamento musical mais tardio.

AB - Da ligação de Luís de Freitas Branco (1890-1955) ao movimento monárquico Integralismo Lusitano durante os anos 1910 resultaram relacionamentos e referências que o levaram à composição de obras neste contexto consideradas pertencentes ao que chamamos de fase integralista da sua produção. Além da composição de obras sobre textos de alguns dos principais integralistas - O motivo da planície, Minuete ou Soneto dos Repuxos, três peças para canto e piano com textos de António Sardinha; Viriato, poema sinfónico baseado no conto Funerais de Viriato por Hipólito Raposo; e Canto do Mar, para tenor e orquestra, com texto de Alberto de Monsaraz -, foram escritas outras, sem texto e não programáticas (pelo menos no sentido estrito do termo), que parecem corresponder em termos ideológicos ao que o Integralismo Lusitano procuravadefender nos seus escritos e comunicações públicas. Pretende-se, com a presente comunicação, uma análise de parte da produção de Luís de FreitasBranco da década de 1910, que consistirá numa explicação dos motivos pelos quais consideramos esta produção fundamentalmente integralista, ou seja, relacionando-a com os ideais do Integralismo Lusitano. Desse modo, o principal objectivo será demonstrar que o Integralismo, fundado maioritariamente como movimento literário (surgindo a motivação política um pouco mais tarde), nos poderá ser apresentado também através de contrapartidas musicais. Um outrofoco da comunicação será procurar estabelecer pontes entre a produção musical de Freitas Branco desta época e algumas das suas obras dos anos 1920 e 1930, reflectindo sobre a relevância que a sua relação com o Integralismo Lusitano teve no seu pensamento musical mais tardio.

M3 - Abstract

SP - 29

ER -

Pina I. O integralismo musical de Luís de Freitas Branco: de Viriato a Camões. 2016. Abstract from VI Encontro Nacional de Investigação em Música, Aveiro, Portugal.