“Nesse mesmo dia fui a terra ver como nasce o cravo”: O testemunho de um dia memorável no relato da primeira viagem à volta do mundo

Research output: Contribution to journalArticle

Abstract

Ao longo do século XVI, médicos, botânicos, boticários, cartógrafos e viajantes contribuíram para registar, gerir e por em circulação notícias sobre os recursos naturais do Oriente. Face à relevância do cravo-da-Índia (Zygyzium aromaticum L) no projecto de Fernão de Magalhães, o presente estudo analisa a evolução do saber relativo a esta especiaria em circulação na Europa, desde tempos remotos até à chegada de Antonio Pigafetta a Tidore e prossegue até finais de Quinhentos. Apesar de já circularem nas fontes portuguesas alguns testemunhos sobre a planta do cravo, as observações que o italiano assentou, constituíram o primeiro registo de um europeu que, atravessando o Atlântico e os Mares do Sul, desembarcou nas ilhas de Maluco.
Percorrendo as sucessivas descrições do cravo-da-Índia registadas nos tratados médico-botânicos, relatos de viagem, cartas, mapas e sumas, o presente estudo revela os contributos dos europeus para o conhecimento do cravo-da-Índia. O ensaio evidencia ainda o impacto que a viagem de circum-navegação teve no surgimento de um novo olhar da comunidade erudita sobre o mundo natural. Realça ainda a forma como as diversas descrições e representações da especiaria foram acompanhando o estabelecimento dos novos monopólios comerciais e o domínio das rotas mercantis.
Original languagePortuguese
Pages (from-to)42-64
Number of pages22
JournalBoletim Da Sociedade De Geografia De Lisboa
Volume137
Issue numbernº 1-12
Publication statusPublished - 2021
EventCiclo de Conferências evocativo dos 500 anos da viagem de circunnavegação Magalhães-Elcano, - Sociedade de Geografia de Lisboa, Lisboa, Portugal
Duration: 9 Sep 20194 Oct 2019
Conference number: I

Keywords

  • Fernão de Magalhães
  • Antonio Pigafetta
  • viagem de circum-navegação
  • cravo-da-Índia
  • Zygyzium aromaticum L,

Cite this