Projeto Musical ‘Na AFID eu sou Feliz!’: Escutar a voz das pessoas com deficiência

Translated title of the contribution: Musical Project 'At AFID I am Happy!: Listening to the voice of people with disabilities'

Inês Lindeza, Ana Isabel Pereira, Ana Gama, Abel Arez

Research output: Contribution to conferenceAbstractpeer-review

Abstract

Este trabalho tem como objetivo apresentar o processo desenvolvido num projeto musical com pessoas com deficiência. O projeto “Na AFID eu sou Feliz!” foi implementado entre 5 de novembro de 2020 e 27 de maio de 2021 na Fundação AFID Diferença, instituída pela Associação Nacional de Famílias para a Integração de Pessoa Deficiente (AFID). Resultou na criação de três objetos artísticos: um CD com criações musicais originais, um espetáculo e uma instalação.
Para a implementação do projeto foi adotada a perspetiva da música na comunidade como uma intervenção, seguindo a ideia defendida por Schippers (2018). Esta surge com base numa necessidade que é expressa e percebida, pelo facilitador, em que se desenvolvem práticas musicais com ou para a comunidade, com o objetivo de “restaurar práticas existentes ou para introduzir novas práticas” (Schippers, 2018, p. 24). Outra das perspetivas relevantes neste projeto é a de Higgins (2010) e que consiste na abordagem da música na comunidade como “prática musical comunitária”. Segundo este autor, as atividades proporcionadas neste tipo de prática trabalham para unir e motivar as pessoas através da performance e da participação (Higgins, 2010, p.9).
Foram dinamizadas diversas atividades artísticas, nomeadamente na área da música, tais como improvisações vocais e criação de melodias. Assumindo que a música é importante para a evolução pessoal dos indivíduos, contribui para o bem-estar a nível físico e psicológico.
As criações artísticas colaborativas partiram das experiências vividas, das diferentes competências existentes, das conceções e interesses do grupo. Consequentemente, reconhecem-se como artistas todos os participantes envolvidos no ato, sendo colocados em posição de colaboração igualitária (Matarasso, 2019, p. 52). Neste processo, a criação dos trabalhos artísticos foi idealizada por artistasprofissionais e artistas não-profissionais, respetivamente a facilitadora e utentes. Ao longo deste projeto foram utilizados métodos de criação colaborativa, com base na exploração de imagens, sons, histórias e atividades performativas, que possibilitaram a criação de significado e a comunicação de sentimentos e experiências de vida entre indivíduos (Idem, ibidem), metodologia que coloca o projeto no âmbito da arte participativa. O projeto mostra que a “arte tem também uma função unificadora, razão pela qual é valorizada como experiência coletiva” (Matarasso, 2019, pp. 43-44) e que “é também um ato de construção e partilha de sentido que define a experiência humana e por isso deve ser acessível a todos” (Matarasso, 2019, pp. 46-47).
Foram realizadas 32 sessões de intervenção com 10 participantes, entre os 22 e os 49 anos, 6 do género feminino e 4 do género masculino, com diferentes tipos de deficiência motora e/ou cognitiva. Um dos grupos era constituído pela F, a I, o M, a C e o P. O outro grupo pela C. A, o J, o H, a S e a J. A.
Translated title of the contributionMusical Project 'At AFID I am Happy!: Listening to the voice of people with disabilities'
Original languagePortuguese
Pages102-105
Number of pages4
Publication statusPublished - Dec 2021
Event10.º Encontro do CIED: Cidadanias: caminhos, processos e desafios no séc.XXI - Escola Superior de Educação de Lisboa, Lisboa, Portugal
Duration: 11 Nov 202112 Nov 2021
Conference number: 10
https://www.eselx.ipl.pt/noticias/10o-encontro-do-cied-cidadanias-caminhos-processos-e-desafios-no-secxxi

Conference

Conference10.º Encontro do CIED
Country/TerritoryPortugal
CityLisboa
Period11/11/2112/11/21
Internet address

Keywords

  • Pessoas com deficiência
  • Música na Comunidade
  • Projeto Musical

Fingerprint

Dive into the research topics of 'Musical Project 'At AFID I am Happy! Listening to the voice of people with disabilities''. Together they form a unique fingerprint.

Cite this