Modelação fenomenológica de um motor Diesel marítimo para avaliar efeitos da mudança de combustível

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingConference contribution

Abstract

O artigo trata da aplicação de um modelo analítico de balanço de trocas de calor num cilindro de um grande motor Diesel semi-rápido. O estudo visa a avaliação da sensibilidade da história de pressão e temperatura no interior do cilindro aos parâmetros tempo de injecção e coeficiente politrópico que podem estar associados a uma mudança do combustível no motor. Existem pelo menos dois tipos de combustível utilizados naquele tipo de motores marítimos: o Diesel e o Intermediate Fuel Oil (IFO). Este último é mais barato do que o primeiro, contudo, é mais difícil conseguir queima limpa (isto é, com baixa emissão de poluentes) com IFO numa gama larga de condições de operação, pelo que este combus­tível é utilizado quase exclusivamente em navios da marinha mercante. Navios com um regime de operação muito variável, como é o caso dos da Marinha Portuguesa, quei­mam Diesel. Assim, ao querer tomar vantagem do menor custo do IFO, modificando a custo razoável motores queimando Diesel, não se pode descurar os aspectos ambientais. A formação de poluentes depende da história de pressão e de temperatura a que os gases de combustão foram sujeitos. Assim, ao pensar em mudar de combustível, interes­sa avaliar como a variação das propriedades físico-químicas influencia a pressão e tem­peratura num ciclo do motor. Isto pode-se conseguir modelando a libertação da energia química do combustível e a transferência de calor ao nível do cilindro. Existem modelos desde zero- a multi-dimensionais e que podem ainda ser de zona única ou multi­‑zona. Aqui utilizaremos um modelo fenomenológico, pouco exigente computacionalmente, que apesar de não ter em conta a orientação espacial das trocas de calor é sensível à sua variação no tempo, devido à alternância do volume acima do pistão e ao período de injecção de combustível. Este modelo recorre aos sub-modelos de Woschini, para a transferência de calor, e de Wiebe, para a libertação de calor. Obtiveram-se as histórias de pressão e temperatura para várias velocidades de ro­tação. Para simular a queima dos dois combustíveis, Diesel e IFO, que têm diferente composição química e poder calorífico, consideraram-se dois valores distintos do coefi­ciente politrópico dos gases da combustão (γ=1,40 e γ=1,66, respectivamente) e do tempo de injecção do combustível, mantendo a carga térmica. Apresentam-se os resul­tados sob a forma gráfica. Os resultados mostram que as curvas de pressão e temperatura em função do ân­gulo de cambota são perceptivelmente afectadas pelos diferentes valores dos parâ­metros considerados no presente estudo.
Original languageUnknown
Title of host publicationJornadas do Mar
Pages18
Publication statusPublished - 1 Jan 2010
EventJornadas do Mar - A Nova Era dos Descobrimentos -
Duration: 1 Jan 2010 → …

Conference

ConferenceJornadas do Mar - A Nova Era dos Descobrimentos
Period1/01/10 → …

Cite this

@inproceedings{f888617b17244e09899e90817f6dae96,
title = "Modela{\cc}{\~a}o fenomenol{\'o}gica de um motor Diesel mar{\'i}timo para avaliar efeitos da mudan{\cc}a de combust{\'i}vel",
abstract = "O artigo trata da aplica{\cc}{\~a}o de um modelo anal{\'i}tico de balan{\cc}o de trocas de calor num cilindro de um grande motor Diesel semi-r{\'a}pido. O estudo visa a avalia{\cc}{\~a}o da sensibilidade da hist{\'o}ria de press{\~a}o e temperatura no interior do cilindro aos par{\^a}metros tempo de injec{\cc}{\~a}o e coeficiente politr{\'o}pico que podem estar associados a uma mudan{\cc}a do combust{\'i}vel no motor. Existem pelo menos dois tipos de combust{\'i}vel utilizados naquele tipo de motores mar{\'i}timos: o Diesel e o Intermediate Fuel Oil (IFO). Este {\'u}ltimo {\'e} mais barato do que o primeiro, contudo, {\'e} mais dif{\'i}cil conseguir queima limpa (isto {\'e}, com baixa emiss{\~a}o de poluentes) com IFO numa gama larga de condi{\cc}{\~o}es de opera{\cc}{\~a}o, pelo que este combus­t{\'i}vel {\'e} utilizado quase exclusivamente em navios da marinha mercante. Navios com um regime de opera{\cc}{\~a}o muito vari{\'a}vel, como {\'e} o caso dos da Marinha Portuguesa, quei­mam Diesel. Assim, ao querer tomar vantagem do menor custo do IFO, modificando a custo razo{\'a}vel motores queimando Diesel, n{\~a}o se pode descurar os aspectos ambientais. A forma{\cc}{\~a}o de poluentes depende da hist{\'o}ria de press{\~a}o e de temperatura a que os gases de combust{\~a}o foram sujeitos. Assim, ao pensar em mudar de combust{\'i}vel, interes­sa avaliar como a varia{\cc}{\~a}o das propriedades f{\'i}sico-qu{\'i}micas influencia a press{\~a}o e tem­peratura num ciclo do motor. Isto pode-se conseguir modelando a liberta{\cc}{\~a}o da energia qu{\'i}mica do combust{\'i}vel e a transfer{\^e}ncia de calor ao n{\'i}vel do cilindro. Existem modelos desde zero- a multi-dimensionais e que podem ainda ser de zona {\'u}nica ou multi­‑zona. Aqui utilizaremos um modelo fenomenol{\'o}gico, pouco exigente computacionalmente, que apesar de n{\~a}o ter em conta a orienta{\cc}{\~a}o espacial das trocas de calor {\'e} sens{\'i}vel {\`a} sua varia{\cc}{\~a}o no tempo, devido {\`a} altern{\^a}ncia do volume acima do pist{\~a}o e ao per{\'i}odo de injec{\cc}{\~a}o de combust{\'i}vel. Este modelo recorre aos sub-modelos de Woschini, para a transfer{\^e}ncia de calor, e de Wiebe, para a liberta{\cc}{\~a}o de calor. Obtiveram-se as hist{\'o}rias de press{\~a}o e temperatura para v{\'a}rias velocidades de ro­ta{\cc}{\~a}o. Para simular a queima dos dois combust{\'i}veis, Diesel e IFO, que t{\^e}m diferente composi{\cc}{\~a}o qu{\'i}mica e poder calor{\'i}fico, consideraram-se dois valores distintos do coefi­ciente politr{\'o}pico dos gases da combust{\~a}o (γ=1,40 e γ=1,66, respectivamente) e do tempo de injec{\cc}{\~a}o do combust{\'i}vel, mantendo a carga t{\'e}rmica. Apresentam-se os resul­tados sob a forma gr{\'a}fica. Os resultados mostram que as curvas de press{\~a}o e temperatura em fun{\cc}{\~a}o do {\^a}n­gulo de cambota s{\~a}o perceptivelmente afectadas pelos diferentes valores dos par{\^a}­metros considerados no presente estudo.",
author = "Vaz, {Daniel Cardoso}",
year = "2010",
month = "1",
day = "1",
language = "Unknown",
pages = "18",
booktitle = "Jornadas do Mar",

}

Vaz, DC 2010, Modelação fenomenológica de um motor Diesel marítimo para avaliar efeitos da mudança de combustível. in Jornadas do Mar. pp. 18, Jornadas do Mar - A Nova Era dos Descobrimentos, 1/01/10.

Modelação fenomenológica de um motor Diesel marítimo para avaliar efeitos da mudança de combustível. / Vaz, Daniel Cardoso.

Jornadas do Mar. 2010. p. 18.

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingConference contribution

TY - GEN

T1 - Modelação fenomenológica de um motor Diesel marítimo para avaliar efeitos da mudança de combustível

AU - Vaz, Daniel Cardoso

PY - 2010/1/1

Y1 - 2010/1/1

N2 - O artigo trata da aplicação de um modelo analítico de balanço de trocas de calor num cilindro de um grande motor Diesel semi-rápido. O estudo visa a avaliação da sensibilidade da história de pressão e temperatura no interior do cilindro aos parâmetros tempo de injecção e coeficiente politrópico que podem estar associados a uma mudança do combustível no motor. Existem pelo menos dois tipos de combustível utilizados naquele tipo de motores marítimos: o Diesel e o Intermediate Fuel Oil (IFO). Este último é mais barato do que o primeiro, contudo, é mais difícil conseguir queima limpa (isto é, com baixa emissão de poluentes) com IFO numa gama larga de condições de operação, pelo que este combus­tível é utilizado quase exclusivamente em navios da marinha mercante. Navios com um regime de operação muito variável, como é o caso dos da Marinha Portuguesa, quei­mam Diesel. Assim, ao querer tomar vantagem do menor custo do IFO, modificando a custo razoável motores queimando Diesel, não se pode descurar os aspectos ambientais. A formação de poluentes depende da história de pressão e de temperatura a que os gases de combustão foram sujeitos. Assim, ao pensar em mudar de combustível, interes­sa avaliar como a variação das propriedades físico-químicas influencia a pressão e tem­peratura num ciclo do motor. Isto pode-se conseguir modelando a libertação da energia química do combustível e a transferência de calor ao nível do cilindro. Existem modelos desde zero- a multi-dimensionais e que podem ainda ser de zona única ou multi­‑zona. Aqui utilizaremos um modelo fenomenológico, pouco exigente computacionalmente, que apesar de não ter em conta a orientação espacial das trocas de calor é sensível à sua variação no tempo, devido à alternância do volume acima do pistão e ao período de injecção de combustível. Este modelo recorre aos sub-modelos de Woschini, para a transferência de calor, e de Wiebe, para a libertação de calor. Obtiveram-se as histórias de pressão e temperatura para várias velocidades de ro­tação. Para simular a queima dos dois combustíveis, Diesel e IFO, que têm diferente composição química e poder calorífico, consideraram-se dois valores distintos do coefi­ciente politrópico dos gases da combustão (γ=1,40 e γ=1,66, respectivamente) e do tempo de injecção do combustível, mantendo a carga térmica. Apresentam-se os resul­tados sob a forma gráfica. Os resultados mostram que as curvas de pressão e temperatura em função do ân­gulo de cambota são perceptivelmente afectadas pelos diferentes valores dos parâ­metros considerados no presente estudo.

AB - O artigo trata da aplicação de um modelo analítico de balanço de trocas de calor num cilindro de um grande motor Diesel semi-rápido. O estudo visa a avaliação da sensibilidade da história de pressão e temperatura no interior do cilindro aos parâmetros tempo de injecção e coeficiente politrópico que podem estar associados a uma mudança do combustível no motor. Existem pelo menos dois tipos de combustível utilizados naquele tipo de motores marítimos: o Diesel e o Intermediate Fuel Oil (IFO). Este último é mais barato do que o primeiro, contudo, é mais difícil conseguir queima limpa (isto é, com baixa emissão de poluentes) com IFO numa gama larga de condições de operação, pelo que este combus­tível é utilizado quase exclusivamente em navios da marinha mercante. Navios com um regime de operação muito variável, como é o caso dos da Marinha Portuguesa, quei­mam Diesel. Assim, ao querer tomar vantagem do menor custo do IFO, modificando a custo razoável motores queimando Diesel, não se pode descurar os aspectos ambientais. A formação de poluentes depende da história de pressão e de temperatura a que os gases de combustão foram sujeitos. Assim, ao pensar em mudar de combustível, interes­sa avaliar como a variação das propriedades físico-químicas influencia a pressão e tem­peratura num ciclo do motor. Isto pode-se conseguir modelando a libertação da energia química do combustível e a transferência de calor ao nível do cilindro. Existem modelos desde zero- a multi-dimensionais e que podem ainda ser de zona única ou multi­‑zona. Aqui utilizaremos um modelo fenomenológico, pouco exigente computacionalmente, que apesar de não ter em conta a orientação espacial das trocas de calor é sensível à sua variação no tempo, devido à alternância do volume acima do pistão e ao período de injecção de combustível. Este modelo recorre aos sub-modelos de Woschini, para a transferência de calor, e de Wiebe, para a libertação de calor. Obtiveram-se as histórias de pressão e temperatura para várias velocidades de ro­tação. Para simular a queima dos dois combustíveis, Diesel e IFO, que têm diferente composição química e poder calorífico, consideraram-se dois valores distintos do coefi­ciente politrópico dos gases da combustão (γ=1,40 e γ=1,66, respectivamente) e do tempo de injecção do combustível, mantendo a carga térmica. Apresentam-se os resul­tados sob a forma gráfica. Os resultados mostram que as curvas de pressão e temperatura em função do ân­gulo de cambota são perceptivelmente afectadas pelos diferentes valores dos parâ­metros considerados no presente estudo.

M3 - Conference contribution

SP - 18

BT - Jornadas do Mar

ER -