Abstract

A 29 de Maio de 1913, estreava no Théâtre des Champs-Élysées o bailado A Sagração da Primavera, inserido na temporada parisiense dos Ballets Russes do empresário Sergei Diaghilev. Com música de Igor Stravinski, coreografia de Vaslav Nijinski e cenários e figurinos de Nicholas Roerich, a miticamente conturbada primeira apresentação d’ A Sagração da Primavera viria a representar um momento chave no contexto do modernismo, nos domínios da música, da dança e das artes plásticas. A Sagração da Primavera, que tem como tema a celebração ritual da vida através do sacríficio e morte cerimonial de uma jovem (numa quase profetização da iminente Primeira Guerra Mundial que se iniciaria no ano seguinte), acabaria por se afirmar, nos últimos cem anos, como um dos mais revisitados bailados do repertório ocidental, cujo percurso foi marcado por propostas de coreógrafos como Léonide Massine (1920), Mary Wigman (1957), Maurice Béjard (1959), Kenneth MacMillan (1962), Pina Bausch (1975), Martha Graham (1984), Marie Chouinard (1993) ou Shen Wei (2003). Em Portugal, o entusiasmo pelos Ballets Russes repercutiu-se desde cedo em obras, reflexões e propostas de autores como Almada Negreiros, Amadeu de Sousa Cardoso, António Ferro, José Pacheco, Francisco Florêncio Graça, Luís Reis Santos, Manuel de Sousa Pinto ou Rui Coelho, revelando-se um tema bem presente nos discursos e manifestos das correntes modernistas e futuristas da época, bem atentas à série de espectáculos dados pela companhia de Diaghilev aquando da sua passagem por Lisboa, em finais de 1917, cuja programação, contudo, não incluiu A Sagração da Primavera. Os ecos dos Ballets Russes e do imaginário por eles representado continuariam a fazer-se sentir ao longo da primeira metade do século XX culminando nos discursos e no projecto que, em 1940, no contexto do Estado Novo, deram lugar à criação, por António Ferro, então director do Secretariado da Propaganda Nacional, da companhia de Bailados Portugueses Verde Gaio, denominados no seu programa de apresentação como “os bailados russos portugueses”. Quanto à Sagração da Primavera, a história da sua interpretação, em Portugal, tem início com a coreografia de Joseph Russillo para a Fundação Calouste Gulbenkian, em 1980. Desde então, foram apresentadas as propostas de Carlos Trincheiras para a Companhia Nacional de Bailado (em 1984), de Millicent Hodson e Kenneth Archer (CNB, 1994), Marie Chouinard (Ballet Gulbenkian, 2003) e, mais recentemente, no contexto da comemoração do centenário do surgimento dos Ballets Russes, as estreias das coreografias de Cayetano Soto (CNB, 2010) e de Olga Roriz (Companhia Olga Roriz, 2010).
Original languagePortuguese
Number of pages1
Publication statusPublished - 2013
EventSimpósio Cem Anos de Sagração da Primavera 1913-­2013 - Teatro Nacional de S. Carlos, Lisboa, Portugal
Duration: 27 Jul 201328 Jul 2013

Conference

ConferenceSimpósio Cem Anos de Sagração da Primavera 1913-­2013
CountryPortugal
CityLisboa
Period27/07/1328/07/13

Keywords

  • Música
  • Mito
  • Modernismo

Cite this

Gomes-Ribeiro, P. (2013). Música, Mito, Modernismo. Abstract from Simpósio Cem Anos de Sagração da Primavera 1913-­2013, Lisboa, Portugal.
Gomes-Ribeiro, Paula . / Música, Mito, Modernismo. Abstract from Simpósio Cem Anos de Sagração da Primavera 1913-­2013, Lisboa, Portugal.1 p.
@conference{27108ef0c38b41859f15e7c0f108704f,
title = "M{\'u}sica, Mito, Modernismo",
abstract = "A 29 de Maio de 1913, estreava no Th{\'e}{\^a}tre des Champs-{\'E}lys{\'e}es o bailado A Sagra{\cc}{\~a}o da Primavera, inserido na temporada parisiense dos Ballets Russes do empres{\'a}rio Sergei Diaghilev. Com m{\'u}sica de Igor Stravinski, coreografia de Vaslav Nijinski e cen{\'a}rios e figurinos de Nicholas Roerich, a miticamente conturbada primeira apresenta{\cc}{\~a}o d’ A Sagra{\cc}{\~a}o da Primavera viria a representar um momento chave no contexto do modernismo, nos dom{\'i}nios da m{\'u}sica, da dan{\cc}a e das artes pl{\'a}sticas. A Sagra{\cc}{\~a}o da Primavera, que tem como tema a celebra{\cc}{\~a}o ritual da vida atrav{\'e}s do sacr{\'i}ficio e morte cerimonial de uma jovem (numa quase profetiza{\cc}{\~a}o da iminente Primeira Guerra Mundial que se iniciaria no ano seguinte), acabaria por se afirmar, nos {\'u}ltimos cem anos, como um dos mais revisitados bailados do repert{\'o}rio ocidental, cujo percurso foi marcado por propostas de core{\'o}grafos como L{\'e}onide Massine (1920), Mary Wigman (1957), Maurice B{\'e}jard (1959), Kenneth MacMillan (1962), Pina Bausch (1975), Martha Graham (1984), Marie Chouinard (1993) ou Shen Wei (2003). Em Portugal, o entusiasmo pelos Ballets Russes repercutiu-se desde cedo em obras, reflex{\~o}es e propostas de autores como Almada Negreiros, Amadeu de Sousa Cardoso, Ant{\'o}nio Ferro, Jos{\'e} Pacheco, Francisco Flor{\^e}ncio Gra{\cc}a, Lu{\'i}s Reis Santos, Manuel de Sousa Pinto ou Rui Coelho, revelando-se um tema bem presente nos discursos e manifestos das correntes modernistas e futuristas da {\'e}poca, bem atentas {\`a} s{\'e}rie de espect{\'a}culos dados pela companhia de Diaghilev aquando da sua passagem por Lisboa, em finais de 1917, cuja programa{\cc}{\~a}o, contudo, n{\~a}o incluiu A Sagra{\cc}{\~a}o da Primavera. Os ecos dos Ballets Russes e do imagin{\'a}rio por eles representado continuariam a fazer-se sentir ao longo da primeira metade do s{\'e}culo XX culminando nos discursos e no projecto que, em 1940, no contexto do Estado Novo, deram lugar {\`a} cria{\cc}{\~a}o, por Ant{\'o}nio Ferro, ent{\~a}o director do Secretariado da Propaganda Nacional, da companhia de Bailados Portugueses Verde Gaio, denominados no seu programa de apresenta{\cc}{\~a}o como “os bailados russos portugueses”. Quanto {\`a} Sagra{\cc}{\~a}o da Primavera, a hist{\'o}ria da sua interpreta{\cc}{\~a}o, em Portugal, tem in{\'i}cio com a coreografia de Joseph Russillo para a Funda{\cc}{\~a}o Calouste Gulbenkian, em 1980. Desde ent{\~a}o, foram apresentadas as propostas de Carlos Trincheiras para a Companhia Nacional de Bailado (em 1984), de Millicent Hodson e Kenneth Archer (CNB, 1994), Marie Chouinard (Ballet Gulbenkian, 2003) e, mais recentemente, no contexto da comemora{\cc}{\~a}o do centen{\'a}rio do surgimento dos Ballets Russes, as estreias das coreografias de Cayetano Soto (CNB, 2010) e de Olga Roriz (Companhia Olga Roriz, 2010).",
keywords = "M{\'u}sica, Mito , Modernismo",
author = "Paula Gomes-Ribeiro",
note = "info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/136075/PT# PEst-OE/EAT/UI0693/2014 ; null ; Conference date: 27-07-2013 Through 28-07-2013",
year = "2013",
language = "Portuguese",

}

Gomes-Ribeiro, P 2013, 'Música, Mito, Modernismo' Simpósio Cem Anos de Sagração da Primavera 1913-­2013, Lisboa, Portugal, 27/07/13 - 28/07/13, .

Música, Mito, Modernismo. / Gomes-Ribeiro, Paula .

2013. Abstract from Simpósio Cem Anos de Sagração da Primavera 1913-­2013, Lisboa, Portugal.

Research output: Contribution to conferenceAbstract

TY - CONF

T1 - Música, Mito, Modernismo

AU - Gomes-Ribeiro, Paula

N1 - info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/136075/PT# PEst-OE/EAT/UI0693/2014

PY - 2013

Y1 - 2013

N2 - A 29 de Maio de 1913, estreava no Théâtre des Champs-Élysées o bailado A Sagração da Primavera, inserido na temporada parisiense dos Ballets Russes do empresário Sergei Diaghilev. Com música de Igor Stravinski, coreografia de Vaslav Nijinski e cenários e figurinos de Nicholas Roerich, a miticamente conturbada primeira apresentação d’ A Sagração da Primavera viria a representar um momento chave no contexto do modernismo, nos domínios da música, da dança e das artes plásticas. A Sagração da Primavera, que tem como tema a celebração ritual da vida através do sacríficio e morte cerimonial de uma jovem (numa quase profetização da iminente Primeira Guerra Mundial que se iniciaria no ano seguinte), acabaria por se afirmar, nos últimos cem anos, como um dos mais revisitados bailados do repertório ocidental, cujo percurso foi marcado por propostas de coreógrafos como Léonide Massine (1920), Mary Wigman (1957), Maurice Béjard (1959), Kenneth MacMillan (1962), Pina Bausch (1975), Martha Graham (1984), Marie Chouinard (1993) ou Shen Wei (2003). Em Portugal, o entusiasmo pelos Ballets Russes repercutiu-se desde cedo em obras, reflexões e propostas de autores como Almada Negreiros, Amadeu de Sousa Cardoso, António Ferro, José Pacheco, Francisco Florêncio Graça, Luís Reis Santos, Manuel de Sousa Pinto ou Rui Coelho, revelando-se um tema bem presente nos discursos e manifestos das correntes modernistas e futuristas da época, bem atentas à série de espectáculos dados pela companhia de Diaghilev aquando da sua passagem por Lisboa, em finais de 1917, cuja programação, contudo, não incluiu A Sagração da Primavera. Os ecos dos Ballets Russes e do imaginário por eles representado continuariam a fazer-se sentir ao longo da primeira metade do século XX culminando nos discursos e no projecto que, em 1940, no contexto do Estado Novo, deram lugar à criação, por António Ferro, então director do Secretariado da Propaganda Nacional, da companhia de Bailados Portugueses Verde Gaio, denominados no seu programa de apresentação como “os bailados russos portugueses”. Quanto à Sagração da Primavera, a história da sua interpretação, em Portugal, tem início com a coreografia de Joseph Russillo para a Fundação Calouste Gulbenkian, em 1980. Desde então, foram apresentadas as propostas de Carlos Trincheiras para a Companhia Nacional de Bailado (em 1984), de Millicent Hodson e Kenneth Archer (CNB, 1994), Marie Chouinard (Ballet Gulbenkian, 2003) e, mais recentemente, no contexto da comemoração do centenário do surgimento dos Ballets Russes, as estreias das coreografias de Cayetano Soto (CNB, 2010) e de Olga Roriz (Companhia Olga Roriz, 2010).

AB - A 29 de Maio de 1913, estreava no Théâtre des Champs-Élysées o bailado A Sagração da Primavera, inserido na temporada parisiense dos Ballets Russes do empresário Sergei Diaghilev. Com música de Igor Stravinski, coreografia de Vaslav Nijinski e cenários e figurinos de Nicholas Roerich, a miticamente conturbada primeira apresentação d’ A Sagração da Primavera viria a representar um momento chave no contexto do modernismo, nos domínios da música, da dança e das artes plásticas. A Sagração da Primavera, que tem como tema a celebração ritual da vida através do sacríficio e morte cerimonial de uma jovem (numa quase profetização da iminente Primeira Guerra Mundial que se iniciaria no ano seguinte), acabaria por se afirmar, nos últimos cem anos, como um dos mais revisitados bailados do repertório ocidental, cujo percurso foi marcado por propostas de coreógrafos como Léonide Massine (1920), Mary Wigman (1957), Maurice Béjard (1959), Kenneth MacMillan (1962), Pina Bausch (1975), Martha Graham (1984), Marie Chouinard (1993) ou Shen Wei (2003). Em Portugal, o entusiasmo pelos Ballets Russes repercutiu-se desde cedo em obras, reflexões e propostas de autores como Almada Negreiros, Amadeu de Sousa Cardoso, António Ferro, José Pacheco, Francisco Florêncio Graça, Luís Reis Santos, Manuel de Sousa Pinto ou Rui Coelho, revelando-se um tema bem presente nos discursos e manifestos das correntes modernistas e futuristas da época, bem atentas à série de espectáculos dados pela companhia de Diaghilev aquando da sua passagem por Lisboa, em finais de 1917, cuja programação, contudo, não incluiu A Sagração da Primavera. Os ecos dos Ballets Russes e do imaginário por eles representado continuariam a fazer-se sentir ao longo da primeira metade do século XX culminando nos discursos e no projecto que, em 1940, no contexto do Estado Novo, deram lugar à criação, por António Ferro, então director do Secretariado da Propaganda Nacional, da companhia de Bailados Portugueses Verde Gaio, denominados no seu programa de apresentação como “os bailados russos portugueses”. Quanto à Sagração da Primavera, a história da sua interpretação, em Portugal, tem início com a coreografia de Joseph Russillo para a Fundação Calouste Gulbenkian, em 1980. Desde então, foram apresentadas as propostas de Carlos Trincheiras para a Companhia Nacional de Bailado (em 1984), de Millicent Hodson e Kenneth Archer (CNB, 1994), Marie Chouinard (Ballet Gulbenkian, 2003) e, mais recentemente, no contexto da comemoração do centenário do surgimento dos Ballets Russes, as estreias das coreografias de Cayetano Soto (CNB, 2010) e de Olga Roriz (Companhia Olga Roriz, 2010).

KW - Música

KW - Mito

KW - Modernismo

M3 - Abstract

ER -

Gomes-Ribeiro P. Música, Mito, Modernismo. 2013. Abstract from Simpósio Cem Anos de Sagração da Primavera 1913-­2013, Lisboa, Portugal.