Lisboa, cidade aberta e fechada: das novas leituras em espaços públicos

Translated title of the contribution: Lisbon, open and closed city: of the new readings in public spaces

Research output: Contribution to journalArticle

11 Downloads (Pure)

Abstract

Neste texto analisa-se o alcance educativo e sociocultural das bibliotecas ao ar livre na Lisboa novecentista, expoente em Portugal duma tendência internacional de modernização dos serviços bibliotecários. Expõem-se os limites da modernidade cultural numa sociedade em que a democratização educativa e cultural foi muito constrita e lenta mas na qual as sociabilidades de rua, as experiências educativas e o dinamismo sociocultural urbano foram amiúde expressivos. Verifica-se ainda como a função educativa da biblioteca teve sentidos distintos, consoante as concepções político-ideológicas dominantes, passando-se do potencial progressista e emancipatório do período republicano para a tónica na censura e no controle ideológico durante a ditadura salazarista. A ânsia de domesticação, pelas autoridades, de grupos de leitores emergentes enfrentou opções inexoráveis, pela imprensa e por uma leitura mais recreativa e ligada à indústria cultural ocidental. Ademais, a frequência destes espaços extra-domésticos contribuiu para a paulatina libertação feminina do patriarcalismo, plenamente assumida no pós-ditadura.
Translated title of the contributionLisbon, open and closed city: of the new readings in public spaces
Original languagePortuguese
Pages (from-to)148-179
Number of pages31
JournalIMPOSSIBILIA-REVISTA INTERNACIONAL DE ESTUDIOS LITERARIOS
Issue number17
DOIs
Publication statusPublished - May 2019

Keywords

  • open-air libraries
  • censorship
  • cultural imaginary
  • cultural modernity
  • cultural policy
  • democratization of education and culture
  • history of reading
  • mass culture
  • nationalism
  • popular education

Cite this