Landscapes of Portugal in two hundred years of narratives

Research output: Contribution to journalReview article

11 Downloads (Pure)

Abstract

Whether as a romantic depiction or with a pretension to realism, rural life was a classic topic throughout the nineteenth and the twentieth centuries. A few writers represented the impending threats to the natural environment as a consequence of human actions, such as deforestation and poaching. More recently, literary landscape incorporates the profound changes the country has undergone in the last decades, and a global environmental reality at a European and worldwide level. Settings are mostly urban, though some nostalgia for the rural and the 'return to nature' can be seen, in line with the current culture of our days. From examples of landscape descriptions in fiction and non-fiction, this article focuses on the way in which Portuguese writers have valued the natural and cultural elements according to their literary skills and motives, and the cultural framework of their times. Excerpts from canonical writers and respected current authors are analysed: Alexandre Herculano, Júlio Dinis, Eça de Queiroz, Fialho de Almeida, Raul Brandão, Aquilino Ribeiro, Miguel Torga, José Saramago, Lídia Jorge, Mario de Carvalho and Rui Cardoso Martins.


Versando as representações das paisagens portuguesas, retratadas num amplo conjunto de textos que datam do Romantismo até à actualidade, analisam-se convergências existentes entre os conceitos de “paisagem” (o referente) e “paisagem literária” (a representação). São questionadas as diferenças entre o real (uma área) e a expressão criativa de um lugar evocada na literatura (como texto) à luz das diferentes experiências pessoais, informação e contextos socioculturais que modelam as diferentes narrativas dos escritores.  A partir de exemplos de descrições de paisagens em ficção e não-ficção, o artigo trata da forma como os escritores valorizam os elementos naturais e culturais de acordo com suas competências literárias e motivações e no quadro cultural do seu tempo. São analisados excertos de escritores canônicos de literatura portuguesa e respeitados autores atuais: Alexandre Herculano, Júlio Dinis, Camilo Castelo Branco, Eça de Queiroz, Fialho de Almeida, Raúl Brandão, Aquilino Ribeiro, Miguel Torga, José Saramago, Lídia Jorge, Mário de Carvalho e Rui Cardoso Martins. Como uma descrição romântica ou com uma pretensão de realismo, a vida rural era um tema clássico durante todo o século XIX e XX. Alguns escritores representaram as ameaças iminentes sobre o ambiente natural como consequência de ações humanas, como desmatamento e caça furtiva. Recentemente, a paisagem literária incorporou as profundas mudanças que o país atravessou nas últimas décadas e uma realidade ambiental global, a nível europeu e mundial. As configurações são principalmente urbanas, embora alguma nostalgia para o rural e o “regresso à natureza” possa ser interpretado, em consonância com a cultura atual.

Original languageEnglish
Pages (from-to)39-55
Number of pages17
JournalPortuguese Studies
Volume33
Issue number1
DOIs
Publication statusPublished - 1 Jan 2017

Fingerprint

Portugal
nostalgia
writer
narrative
realism
twentieth century
threat
Writer
Nostalgia
time
Human Action
Nature
Fiction
Non-fiction
Realism
Tema
Deforestation
Threat
Rural Life

Keywords

  • Ecocriticism
  • Landscape
  • Portuguese literature
  • Paisagem
  • Literatura portuguesa
  • Ecocriticismo

Cite this

@article{7dbb3480fb9243f4b3427a63f6d030df,
title = "Landscapes of Portugal in two hundred years of narratives",
abstract = "Whether as a romantic depiction or with a pretension to realism, rural life was a classic topic throughout the nineteenth and the twentieth centuries. A few writers represented the impending threats to the natural environment as a consequence of human actions, such as deforestation and poaching. More recently, literary landscape incorporates the profound changes the country has undergone in the last decades, and a global environmental reality at a European and worldwide level. Settings are mostly urban, though some nostalgia for the rural and the 'return to nature' can be seen, in line with the current culture of our days. From examples of landscape descriptions in fiction and non-fiction, this article focuses on the way in which Portuguese writers have valued the natural and cultural elements according to their literary skills and motives, and the cultural framework of their times. Excerpts from canonical writers and respected current authors are analysed: Alexandre Herculano, J{\'u}lio Dinis, E{\cc}a de Queiroz, Fialho de Almeida, Raul Brand{\~a}o, Aquilino Ribeiro, Miguel Torga, Jos{\'e} Saramago, L{\'i}dia Jorge, Mario de Carvalho and Rui Cardoso Martins.Versando as representa{\cc}{\~o}es das paisagens portuguesas, retratadas num amplo conjunto de textos que datam do Romantismo at{\'e} {\`a} actualidade, analisam-se converg{\^e}ncias existentes entre os conceitos de “paisagem” (o referente) e “paisagem liter{\'a}ria” (a representa{\cc}{\~a}o). S{\~a}o questionadas as diferen{\cc}as entre o real (uma {\'a}rea) e a express{\~a}o criativa de um lugar evocada na literatura (como texto) {\`a} luz das diferentes experi{\^e}ncias pessoais, informa{\cc}{\~a}o e contextos socioculturais que modelam as diferentes narrativas dos escritores.  A partir de exemplos de descri{\cc}{\~o}es de paisagens em fic{\cc}{\~a}o e n{\~a}o-fic{\cc}{\~a}o, o artigo trata da forma como os escritores valorizam os elementos naturais e culturais de acordo com suas compet{\^e}ncias liter{\'a}rias e motiva{\cc}{\~o}es e no quadro cultural do seu tempo. S{\~a}o analisados excertos de escritores can{\^o}nicos de literatura portuguesa e respeitados autores atuais: Alexandre Herculano, J{\'u}lio Dinis, Camilo Castelo Branco, E{\cc}a de Queiroz, Fialho de Almeida, Ra{\'u}l Brand{\~a}o, Aquilino Ribeiro, Miguel Torga, Jos{\'e} Saramago, L{\'i}dia Jorge, M{\'a}rio de Carvalho e Rui Cardoso Martins. Como uma descri{\cc}{\~a}o rom{\^a}ntica ou com uma pretens{\~a}o de realismo, a vida rural era um tema cl{\'a}ssico durante todo o s{\'e}culo XIX e XX. Alguns escritores representaram as amea{\cc}as iminentes sobre o ambiente natural como consequ{\^e}ncia de a{\cc}{\~o}es humanas, como desmatamento e ca{\cc}a furtiva. Recentemente, a paisagem liter{\'a}ria incorporou as profundas mudan{\cc}as que o pa{\'i}s atravessou nas {\'u}ltimas d{\'e}cadas e uma realidade ambiental global, a n{\'i}vel europeu e mundial. As configura{\cc}{\~o}es s{\~a}o principalmente urbanas, embora alguma nostalgia para o rural e o “regresso {\`a} natureza” possa ser interpretado, em conson{\^a}ncia com a cultura atual.",
keywords = "Ecocriticism, Landscape, Portuguese literature, Paisagem, Literatura portuguesa, Ecocriticismo",
author = "Queiroz, {Ana Isabel}",
note = "info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147250/PT# IF/00222/2013 UID/HIS/04209/2013",
year = "2017",
month = "1",
day = "1",
doi = "10.5699/portstudies.33.1.0039",
language = "English",
volume = "33",
pages = "39--55",
journal = "Portuguese Studies",
issn = "0267-5315",
publisher = "Modern Humanities Research Association",
number = "1",

}

Landscapes of Portugal in two hundred years of narratives. / Queiroz, Ana Isabel.

In: Portuguese Studies, Vol. 33, No. 1, 01.01.2017, p. 39-55.

Research output: Contribution to journalReview article

TY - JOUR

T1 - Landscapes of Portugal in two hundred years of narratives

AU - Queiroz, Ana Isabel

N1 - info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147250/PT# IF/00222/2013 UID/HIS/04209/2013

PY - 2017/1/1

Y1 - 2017/1/1

N2 - Whether as a romantic depiction or with a pretension to realism, rural life was a classic topic throughout the nineteenth and the twentieth centuries. A few writers represented the impending threats to the natural environment as a consequence of human actions, such as deforestation and poaching. More recently, literary landscape incorporates the profound changes the country has undergone in the last decades, and a global environmental reality at a European and worldwide level. Settings are mostly urban, though some nostalgia for the rural and the 'return to nature' can be seen, in line with the current culture of our days. From examples of landscape descriptions in fiction and non-fiction, this article focuses on the way in which Portuguese writers have valued the natural and cultural elements according to their literary skills and motives, and the cultural framework of their times. Excerpts from canonical writers and respected current authors are analysed: Alexandre Herculano, Júlio Dinis, Eça de Queiroz, Fialho de Almeida, Raul Brandão, Aquilino Ribeiro, Miguel Torga, José Saramago, Lídia Jorge, Mario de Carvalho and Rui Cardoso Martins.Versando as representações das paisagens portuguesas, retratadas num amplo conjunto de textos que datam do Romantismo até à actualidade, analisam-se convergências existentes entre os conceitos de “paisagem” (o referente) e “paisagem literária” (a representação). São questionadas as diferenças entre o real (uma área) e a expressão criativa de um lugar evocada na literatura (como texto) à luz das diferentes experiências pessoais, informação e contextos socioculturais que modelam as diferentes narrativas dos escritores.  A partir de exemplos de descrições de paisagens em ficção e não-ficção, o artigo trata da forma como os escritores valorizam os elementos naturais e culturais de acordo com suas competências literárias e motivações e no quadro cultural do seu tempo. São analisados excertos de escritores canônicos de literatura portuguesa e respeitados autores atuais: Alexandre Herculano, Júlio Dinis, Camilo Castelo Branco, Eça de Queiroz, Fialho de Almeida, Raúl Brandão, Aquilino Ribeiro, Miguel Torga, José Saramago, Lídia Jorge, Mário de Carvalho e Rui Cardoso Martins. Como uma descrição romântica ou com uma pretensão de realismo, a vida rural era um tema clássico durante todo o século XIX e XX. Alguns escritores representaram as ameaças iminentes sobre o ambiente natural como consequência de ações humanas, como desmatamento e caça furtiva. Recentemente, a paisagem literária incorporou as profundas mudanças que o país atravessou nas últimas décadas e uma realidade ambiental global, a nível europeu e mundial. As configurações são principalmente urbanas, embora alguma nostalgia para o rural e o “regresso à natureza” possa ser interpretado, em consonância com a cultura atual.

AB - Whether as a romantic depiction or with a pretension to realism, rural life was a classic topic throughout the nineteenth and the twentieth centuries. A few writers represented the impending threats to the natural environment as a consequence of human actions, such as deforestation and poaching. More recently, literary landscape incorporates the profound changes the country has undergone in the last decades, and a global environmental reality at a European and worldwide level. Settings are mostly urban, though some nostalgia for the rural and the 'return to nature' can be seen, in line with the current culture of our days. From examples of landscape descriptions in fiction and non-fiction, this article focuses on the way in which Portuguese writers have valued the natural and cultural elements according to their literary skills and motives, and the cultural framework of their times. Excerpts from canonical writers and respected current authors are analysed: Alexandre Herculano, Júlio Dinis, Eça de Queiroz, Fialho de Almeida, Raul Brandão, Aquilino Ribeiro, Miguel Torga, José Saramago, Lídia Jorge, Mario de Carvalho and Rui Cardoso Martins.Versando as representações das paisagens portuguesas, retratadas num amplo conjunto de textos que datam do Romantismo até à actualidade, analisam-se convergências existentes entre os conceitos de “paisagem” (o referente) e “paisagem literária” (a representação). São questionadas as diferenças entre o real (uma área) e a expressão criativa de um lugar evocada na literatura (como texto) à luz das diferentes experiências pessoais, informação e contextos socioculturais que modelam as diferentes narrativas dos escritores.  A partir de exemplos de descrições de paisagens em ficção e não-ficção, o artigo trata da forma como os escritores valorizam os elementos naturais e culturais de acordo com suas competências literárias e motivações e no quadro cultural do seu tempo. São analisados excertos de escritores canônicos de literatura portuguesa e respeitados autores atuais: Alexandre Herculano, Júlio Dinis, Camilo Castelo Branco, Eça de Queiroz, Fialho de Almeida, Raúl Brandão, Aquilino Ribeiro, Miguel Torga, José Saramago, Lídia Jorge, Mário de Carvalho e Rui Cardoso Martins. Como uma descrição romântica ou com uma pretensão de realismo, a vida rural era um tema clássico durante todo o século XIX e XX. Alguns escritores representaram as ameaças iminentes sobre o ambiente natural como consequência de ações humanas, como desmatamento e caça furtiva. Recentemente, a paisagem literária incorporou as profundas mudanças que o país atravessou nas últimas décadas e uma realidade ambiental global, a nível europeu e mundial. As configurações são principalmente urbanas, embora alguma nostalgia para o rural e o “regresso à natureza” possa ser interpretado, em consonância com a cultura atual.

KW - Ecocriticism

KW - Landscape

KW - Portuguese literature

KW - Paisagem

KW - Literatura portuguesa

KW - Ecocriticismo

UR - http://www.scopus.com/inward/record.url?scp=85021176723&partnerID=8YFLogxK

U2 - 10.5699/portstudies.33.1.0039

DO - 10.5699/portstudies.33.1.0039

M3 - Review article

VL - 33

SP - 39

EP - 55

JO - Portuguese Studies

JF - Portuguese Studies

SN - 0267-5315

IS - 1

ER -