Jornalistas no cotidiano das redes digitais

Research output: Book/ReportBook

Abstract

Fenômeno midiático marcante e incontornável, as redes sociais digitais são o corolário da evolução social e tecnológica que quase nos obriga a estar permanentemente conectados e a participar dos processos interacionais. No livro “Jornalismo no cotidiano das redes digitais” Marina Magalhães faz um recuo histórico visando entender como se deu esse processo comunicacional das mídias digitais no cenário contemporâneo, “capaz de influir nos domínios da arte, ciência, economia e política”.

Para Marina, a experiência da informação digitalizada veio a suprimir as barreiras de tempo e de espaço. “Este fenômeno trouxe possibilidades de leituras imersivas, comunicações interativas e ações colaborativas, por meio das quais os indivíduos voltaram a se reunir – mesmo distanciados fisicamente – em comunidades virtuais, configurando novas formas de tribalismos”.

Nesse contexto, a comunicação de massa cede espaço à “comunicação de nicho”, para públicos segmentados e diferenciados. Como ressalta a autora, isso implica em um novo estilo de relação entre o jornalista, o meio e o leitor, favorecendo as notícias referentes às manifestações culturais.

A obra de Marina é baseada em sua dissertação do Mestrado em Comunicação da UFPB, concluída em 2011, em que analisa como se instalam as comunidades virtuais na internet com interesse nas discussões relativas ao jornalismo cultural.Para desenvolver sua análise a autora buscou fundamentação teórica na obra de Massimo Di Felice, Lucia Santaella, Pierre Lévy, André Lemos e Michel Maffesoli, entre outros pesquisadores, que vêm colaborando com um embasamento sólido para a compreensão da cultura tecnológica no tangente aos conceitos de pós-humanismo, inteligência coletiva, cibercultura e tribalismo.

O trabalho investiga as interações na comunidade Jornalismo Cultural–PB, hospedada na rede de relacionamentos Orkut, a maior rede de relacionamentos digitais no Brasil à época da pesquisa. O objetivo, segundo Marina, foi “compreender como o grupo, representante de uma categoria profissional tão atuante no contexto das sociedades atuais, revela um campo propício para empreendermos um monitoramento do jornalismo cultural e das relações entre mídia, cotidiano e sociedade”.
Original languagePortuguese
Place of PublicationJoão Pessoa
PublisherEditora Marca de Fantasia
Number of pages126
Volume1
Edition2
ISBN (Electronic)9788567732862
Publication statusPublished - 1 May 2018

Cite this

Magalhães, M. (2018). Jornalistas no cotidiano das redes digitais. (2 ed.) João Pessoa: Editora Marca de Fantasia.
Magalhães, Marina. / Jornalistas no cotidiano das redes digitais. 2 ed. João Pessoa : Editora Marca de Fantasia, 2018. 126 p.
@book{766377028c204114adbac27b2ac61842,
title = "Jornalistas no cotidiano das redes digitais",
abstract = "Fen{\^o}meno midi{\'a}tico marcante e incontorn{\'a}vel, as redes sociais digitais s{\~a}o o corol{\'a}rio da evolu{\cc}{\~a}o social e tecnol{\'o}gica que quase nos obriga a estar permanentemente conectados e a participar dos processos interacionais. No livro “Jornalismo no cotidiano das redes digitais” Marina Magalh{\~a}es faz um recuo hist{\'o}rico visando entender como se deu esse processo comunicacional das m{\'i}dias digitais no cen{\'a}rio contempor{\^a}neo, “capaz de influir nos dom{\'i}nios da arte, ci{\^e}ncia, economia e pol{\'i}tica”.Para Marina, a experi{\^e}ncia da informa{\cc}{\~a}o digitalizada veio a suprimir as barreiras de tempo e de espa{\cc}o. “Este fen{\^o}meno trouxe possibilidades de leituras imersivas, comunica{\cc}{\~o}es interativas e a{\cc}{\~o}es colaborativas, por meio das quais os indiv{\'i}duos voltaram a se reunir – mesmo distanciados fisicamente – em comunidades virtuais, configurando novas formas de tribalismos”.Nesse contexto, a comunica{\cc}{\~a}o de massa cede espa{\cc}o {\`a} “comunica{\cc}{\~a}o de nicho”, para p{\'u}blicos segmentados e diferenciados. Como ressalta a autora, isso implica em um novo estilo de rela{\cc}{\~a}o entre o jornalista, o meio e o leitor, favorecendo as not{\'i}cias referentes {\`a}s manifesta{\cc}{\~o}es culturais.A obra de Marina {\'e} baseada em sua disserta{\cc}{\~a}o do Mestrado em Comunica{\cc}{\~a}o da UFPB, conclu{\'i}da em 2011, em que analisa como se instalam as comunidades virtuais na internet com interesse nas discuss{\~o}es relativas ao jornalismo cultural.Para desenvolver sua an{\'a}lise a autora buscou fundamenta{\cc}{\~a}o te{\'o}rica na obra de Massimo Di Felice, Lucia Santaella, Pierre L{\'e}vy, Andr{\'e} Lemos e Michel Maffesoli, entre outros pesquisadores, que v{\^e}m colaborando com um embasamento s{\'o}lido para a compreens{\~a}o da cultura tecnol{\'o}gica no tangente aos conceitos de p{\'o}s-humanismo, intelig{\^e}ncia coletiva, cibercultura e tribalismo.O trabalho investiga as intera{\cc}{\~o}es na comunidade Jornalismo Cultural–PB, hospedada na rede de relacionamentos Orkut, a maior rede de relacionamentos digitais no Brasil {\`a} {\'e}poca da pesquisa. O objetivo, segundo Marina, foi “compreender como o grupo, representante de uma categoria profissional t{\~a}o atuante no contexto das sociedades atuais, revela um campo prop{\'i}cio para empreendermos um monitoramento do jornalismo cultural e das rela{\cc}{\~o}es entre m{\'i}dia, cotidiano e sociedade”.",
author = "Marina Magalh{\~a}es",
note = "UID/CCI/04667/2016",
year = "2018",
month = "5",
day = "1",
language = "Portuguese",
volume = "1",
publisher = "Editora Marca de Fantasia",
edition = "2",

}

Magalhães, M 2018, Jornalistas no cotidiano das redes digitais. vol. 1, 2 edn, Editora Marca de Fantasia, João Pessoa.

Jornalistas no cotidiano das redes digitais. / Magalhães, Marina.

2 ed. João Pessoa : Editora Marca de Fantasia, 2018. 126 p.

Research output: Book/ReportBook

TY - BOOK

T1 - Jornalistas no cotidiano das redes digitais

AU - Magalhães, Marina

N1 - UID/CCI/04667/2016

PY - 2018/5/1

Y1 - 2018/5/1

N2 - Fenômeno midiático marcante e incontornável, as redes sociais digitais são o corolário da evolução social e tecnológica que quase nos obriga a estar permanentemente conectados e a participar dos processos interacionais. No livro “Jornalismo no cotidiano das redes digitais” Marina Magalhães faz um recuo histórico visando entender como se deu esse processo comunicacional das mídias digitais no cenário contemporâneo, “capaz de influir nos domínios da arte, ciência, economia e política”.Para Marina, a experiência da informação digitalizada veio a suprimir as barreiras de tempo e de espaço. “Este fenômeno trouxe possibilidades de leituras imersivas, comunicações interativas e ações colaborativas, por meio das quais os indivíduos voltaram a se reunir – mesmo distanciados fisicamente – em comunidades virtuais, configurando novas formas de tribalismos”.Nesse contexto, a comunicação de massa cede espaço à “comunicação de nicho”, para públicos segmentados e diferenciados. Como ressalta a autora, isso implica em um novo estilo de relação entre o jornalista, o meio e o leitor, favorecendo as notícias referentes às manifestações culturais.A obra de Marina é baseada em sua dissertação do Mestrado em Comunicação da UFPB, concluída em 2011, em que analisa como se instalam as comunidades virtuais na internet com interesse nas discussões relativas ao jornalismo cultural.Para desenvolver sua análise a autora buscou fundamentação teórica na obra de Massimo Di Felice, Lucia Santaella, Pierre Lévy, André Lemos e Michel Maffesoli, entre outros pesquisadores, que vêm colaborando com um embasamento sólido para a compreensão da cultura tecnológica no tangente aos conceitos de pós-humanismo, inteligência coletiva, cibercultura e tribalismo.O trabalho investiga as interações na comunidade Jornalismo Cultural–PB, hospedada na rede de relacionamentos Orkut, a maior rede de relacionamentos digitais no Brasil à época da pesquisa. O objetivo, segundo Marina, foi “compreender como o grupo, representante de uma categoria profissional tão atuante no contexto das sociedades atuais, revela um campo propício para empreendermos um monitoramento do jornalismo cultural e das relações entre mídia, cotidiano e sociedade”.

AB - Fenômeno midiático marcante e incontornável, as redes sociais digitais são o corolário da evolução social e tecnológica que quase nos obriga a estar permanentemente conectados e a participar dos processos interacionais. No livro “Jornalismo no cotidiano das redes digitais” Marina Magalhães faz um recuo histórico visando entender como se deu esse processo comunicacional das mídias digitais no cenário contemporâneo, “capaz de influir nos domínios da arte, ciência, economia e política”.Para Marina, a experiência da informação digitalizada veio a suprimir as barreiras de tempo e de espaço. “Este fenômeno trouxe possibilidades de leituras imersivas, comunicações interativas e ações colaborativas, por meio das quais os indivíduos voltaram a se reunir – mesmo distanciados fisicamente – em comunidades virtuais, configurando novas formas de tribalismos”.Nesse contexto, a comunicação de massa cede espaço à “comunicação de nicho”, para públicos segmentados e diferenciados. Como ressalta a autora, isso implica em um novo estilo de relação entre o jornalista, o meio e o leitor, favorecendo as notícias referentes às manifestações culturais.A obra de Marina é baseada em sua dissertação do Mestrado em Comunicação da UFPB, concluída em 2011, em que analisa como se instalam as comunidades virtuais na internet com interesse nas discussões relativas ao jornalismo cultural.Para desenvolver sua análise a autora buscou fundamentação teórica na obra de Massimo Di Felice, Lucia Santaella, Pierre Lévy, André Lemos e Michel Maffesoli, entre outros pesquisadores, que vêm colaborando com um embasamento sólido para a compreensão da cultura tecnológica no tangente aos conceitos de pós-humanismo, inteligência coletiva, cibercultura e tribalismo.O trabalho investiga as interações na comunidade Jornalismo Cultural–PB, hospedada na rede de relacionamentos Orkut, a maior rede de relacionamentos digitais no Brasil à época da pesquisa. O objetivo, segundo Marina, foi “compreender como o grupo, representante de uma categoria profissional tão atuante no contexto das sociedades atuais, revela um campo propício para empreendermos um monitoramento do jornalismo cultural e das relações entre mídia, cotidiano e sociedade”.

M3 - Book

VL - 1

BT - Jornalistas no cotidiano das redes digitais

PB - Editora Marca de Fantasia

CY - João Pessoa

ER -

Magalhães M. Jornalistas no cotidiano das redes digitais. 2 ed. João Pessoa: Editora Marca de Fantasia, 2018. 126 p.