Jornalismo de guerra em Angola: durante o conflito ultramarino português

Research output: Contribution to journalArticle

Abstract

Este artigo centra-se na cobertura jornalística da guerra portuguesa em Angola feita pela revista Notícia, publicação semanal com sede em Luanda entre 1959 e 1975. A partir da análise das edições publicadas entre 1961 e 1974 e de oito
entrevistas a profissionais que na época trabalharam em meios de comunicação de Angola, pretende-se compreender como foi feita a cobertura jornalística do conflito, que espaço concedeu a revista aos acontecimentos relativos à guerra e que práticas profissionais regularam o trabalho dos repórteres – que riscos correram no teatro de operações e que estratégias criaram ou seguiram para contornar os cortes da censura. Uma simples análise às várias edições da revista seria insuficiente para percecionar acontecimentos e relatos do passado. Assim, as entrevistas efetuadas foram cruciais para compreender e distinguir verdades e mentiras, presenças e ausências, informação e propaganda. Este artigo aborda também a questão relativa ao condicionamento da censura, os riscos que os repórteres de guerra portugueses correram em missões de serviço no teatro de operações e o historial da revista que, na época, era um meio de comunicação bastante desenvolvido e arrojado que se interessou pelo tema Guerra Colonial, o maior conflito armado da história de Portugal. Conclui que a revista Notícia deu destaque à guerra travada entre as forças armadas portuguesas e os movimentos de libertação africanos, apresentando conteúdos originais, ao contrário da maior parte dos meios de comunicação portugueses , principalmente por causa da censura, não ousaram ir além dos comunicados oficiais.
Original languagePortuguese
Pages (from-to)50-63
Number of pages13
JournalSur Le Journalisme
Volume7
Issue number1
Publication statusPublished - 2018

Keywords

  • Jornalismo de guerra
  • Censura
  • imprensa portuguesa
  • Revista Notícia
  • Angola
  • Guerra Colonial

Cite this