Interações arquitetónicas e autonomias artísticas entre Salvador da Bahia e Lisboa: o espaço dinâmico de duas capitais atlânticas (séc. XVII e XVIII)

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingConference contribution

Abstract

Durante a segunda metade do século XVII a reconstrução dos principais espaços de poder político e religioso a Salvador da Bahia marcou o início de um intenso diálogo entre a capital do Estado do Brasil e a capital do império português. Esta comunicação foca-se na interrelação entre os projetos urbanístico-arquitetônicos promovidos pelo rei D. João V para a cidade de Lisboa e as dinâmicas coloniais em campo arquitetônico. As dinâmicas baianas adquirem novos significados quando relacionadas com a política cultural joanina. O ensaio oferece uma renovada interpretação da política artística do monarca e propõe a periodização em três períodos culturais dos 43 anos do seu reino (1707-1750).Na Bahia, autonomia, emulação, concorrência, circulação caracterizaram os processos de construção e decoração dos principais espaços simbólicos de Salvador durante a primeira metade do século XVIII. O espaço urbano transformou-se em ‘espaço dinâmico’ onde interesses, conflitos,identidades, alianças e lutas utilizaram e reinventaram linguagens artísticas compartilhadas. O processo de afirmação e de auto-representação dos diferentes grupos sociais coloniais jogou-se entre dimensão territorial e transatlântica. As políticas do reino reverberavam seguindo lógicas não lineares e as tentativas de controlo se confrontaram com múltiplos fatores que tornam as dinâmicas arquitetônicas em território baiano um caso de estudo multifacetado e fascinante.O governo do marquês de Pombal (1750-1777) determinou a deslocação para a cidade baixa do principal investimento arquitetônico da sua época (a igreja de Nossa Senhora da Conceição da Praia) e promoveu a manifestação de novos equilíbrios sócio-políticos (a processão do Triunfo pelos terceiros dominicanos a partir de 1761 e a pintura da missão universal representada no teto da portaria franciscana, correspondente à pintura em Nossa Senhora da Conceição da Praia– ambas de 1774). Fora do espaço urbano, a variedade dos processos arquitetônicos continuou a testemunhar as possibilidades de atuação que, a despeito da centralização pombalinaas comunidades locais exerciam conforme às suas preferencias estéticas e às suas condições materiais.
Original languagePortuguese
Title of host publicationCiudades en el Tiempo
Subtitle of host publicationinfraestructuras, territorios, património. Primer Congreso Iberoamericano de Historia Urbana
EditorsAmarí Peliowski, Rodrigo Booth, Emanuel Giannotti
Place of PublicationChile, Santiago
PublisherAsociación Iberoamericana de Historia Urbana
Pages1500 - 1509
Number of pages9
Publication statusPublished - 2016
Event Primer Congreso Iberoamericano de Historia Urbana - Santiago de Chile, Chile
Duration: 23 Nov 201825 Nov 2018

Conference

Conference Primer Congreso Iberoamericano de Historia Urbana
CountryChile
CitySantiago de Chile
Period23/11/1825/11/18

Keywords

  • Salvador da Bahia
  • Arquitetura
  • Pintura
  • Pintura de quadratura
  • D. João V
  • Sebastião José de Carvalho e Melo
  • Marquês de Pombal

Cite this