Incorporação de resíduos de cerâmica em argamassas de cal aérea

Research output: Contribution to journalArticlepeer-review

Abstract

Sabe-se que aproximadamente 30% do material produzido pela indústria cerâmica é considerado desperdício e, frequentemente, depositado em aterro, com o impacto ambiental negativo que acarreta. Esta tem sido uma das grandes motivações para a crescente investigação que tem sido levada a cabo a fim de obter soluções viáveis para a sua reintrodução no processo produtivo. A viabilidade do uso de resíduos de material cerâmico tem vindo a ser avaliada, principalmente, na incorporação em betões ou em argamassas com base em cimento. Na antiguidade e na ausência de pozolanas naturais, eram frequentemente utilizados resíduos cerâmicos moídos, atuando como pozolanas artificiais e conferindo algumas características hidráulicas e de durabilidade às argamassas de cal aérea. Temse efetivamente constatado que alguns pós resultantes de desperdícios de cerâmica de barro vermelho, nomeadamente os que foram sujeitos a tratamento térmico a temperaturas inferiores a 900°C e moídos em granulometria fina, podem funcionar como pozolanas artificiais em argamassas. A introdução de resíduos de cerâmica em granulometria mais grossa nas argamassas, como agregado, pode também revelarse vantajoso, na medida em que permite substituir parcialmente a areia normalmente utilizada. Assim sendo, o recurso aos resíduos de cerâmica pode ser muito vantajoso em três vertentes principais: a redução de resíduos a depositar em aterro, a redução da extração de rochas para serem utilizadas na produção de ligantes e de areias e a produção de argamassas com comportamentos melhorados. Com o objetivo de analisar a viabilidade da introdução de resíduos de cerâmica em argamassas, que se pretendem sejam, essencialmente, adequadas como argamassas de substituição, tem vindo a ser desenvolvida investigação na Universidade de Coimbra em colaboração com a Universidade Nova de Lisboa. O trabalho que se apresenta neste artigo é uma pequena parte dessa investigação. Toda esta investigação tem tido o apoio de um projeto de investigação financiado pela FCT. It is known that approximately 30% of the material produced by the ceramic industry is considered waste and often deposited in landfills with all the negative environmental impact that this brings about. This has been one of the major motivations for the increasing research that has been carried out in order to obtain viable solutions for its reuse. The viability of using residues of ceramic material has been evaluated mainly for use in concrete or cement mortars. In ancient times and in the absence of natural pozzolans, milled ceramic residues were often used incorporated into air lime mortars, acting as artificial pozzolans and conferring them some hydraulicity and increased durability. It has been verified that some powder resulting from waste red ceramics, particularly those that were thermally treated at temperatures below 900° C and milled into fine particles, can function as artificial pozzolan for mortars. The introduction of ceramic waste in coarser grinding, acting as aggregate may also be advantageous since it allows to partially replace natural sand. Therefore, the use of waste ceramic can be very advantageous in three points if view: the reduction of waste landfilled, reducing the extraction of rocks for the production binders and sands, and the production of mortars with improved behaviors. In order to analyze the feasibility of introducing waste ceramics in mortars, which are intended to be essentially replacement ones, research has been developed at the University of Coimbra in collaboration with the Nova University of Lisbon. The work presented in this article is a small part of this inves-tigation. All this research has also been supported by a research project funded by FCT.
Original languageUnknown
Pages (from-to)25-36
JournalRevista Internacional Construlink
Volume35
Issue number12
Publication statusPublished - 1 Jan 2014

Cite this