(In)aceitabilidade do padrão de colocação dos pronomes clíticos no português brasileiro por falantes escolarizados

Research output: Contribution to journalConference articlepeer-review

30 Downloads (Pure)

Abstract

O português brasileiro prioriza a colocação pré-verbal (próclise) dos seus pronomes clíticos. No entanto, a colocação pós-verbal (ênclise) não foi excluída por completo dessa variedade, sendo adquirida por meio da escolarização. Este estudo objetivou avaliar a aceitabilidade das diferentes possibilidades de colocação dos clíticos em frases com e sem proclisadores – elementos que, segundo a tradição normativa (baseada no português europeu, cujo padrão de colocação observa restrições sintáticas), desencadeiam a próclise (ao passo que se obtém a ênclise na sua ausência) – por meio de uma tarefa de juízos de aceitabilidade com uma escala de seis pontos aplicado a falantes nativos do português brasileiro que tivessem concluído pelo menos o Ensino Médio. Os resultados demonstraram que, ainda que os itens com próclise tenham sido mais bem avaliados do que os que continham a ênclise, a colocação enclítica foi avaliada acima do ponto central da escala usada no estudo, indicando que é, também, uma colocação aceitável pelos falantes. Conclui-se que, embora o ensino da ênclise nas salas de aula apresente aos alunos regras similares àquelas que se observam na sintaxe do português europeu, não parece desenvolver neles o conhecimento sintático restrito a cada possibilidade de colocação dos clíticos, muito provavelmente pelo facto de o português brasileiro ser a variedade oral em uso nas escolas e as regras (e a sua aplicação) ficarem restritas à modalidade escrita.
//
Brazilian Portuguese prioritizes pre-verbal placement (proclisis) of its clitic pronouns. However, post-verbal placement (enclisis) has not been completely excluded from this variety, being acquired by means of schooling. This study aimed at evaluating the acceptability of both these possible clitic placements in sentences with and without proclisis triggers – elements that, according to the normative tradition (based on European Portuguese, whose clitic placement pattern is syntacticly restrained), give rise to proclisis (whereas enclisis obtains at their absence) – by means of an acceptability judgement test with a six-point scale carried out by 79 Brazilian Portuguese native speakers who had completed, at least, Secondary School. The results showed that, even though the items with proclisis have been better evaluated than the ones with enclisis, the enclitic placement was evaluated above the central point of the scale used in this study, indicating that it is, as well, an acceptable placement for those speakers. It is concluded that, although the classes regarding clitic placement revolve around teaching the students similar rules to those found in the European Portuguese syntax, it does not seem to allow them to develop the syntactic knowledge specific to proclisis and enclisis, probably because Brazilian Portuguese is the oral variety used in the classrooms and the clitic placement rules (and their application) are restricted to the written modality.
Original languagePortuguese
Pages (from-to)251-270
Number of pages20
JournalRevista da Associação Portuguesa de Linguística
Issue number10
DOIs
Publication statusPublished - 2023
EventXXXVIII Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística - Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal
Duration: 26 Oct 202228 Oct 2022
Conference number: 38
https://apl.pt/enapl-2022/

Keywords

  • Português brasileiro
  • Pronomes clíticos
  • Colocação pronominal
  • Teste de juízos de aceitabilidade
  • Brazilian Portuguese
  • Clitic pronouns
  • Clitic placement
  • Acceptability judgement test

Cite this