Filosofia: uma escolha de vida? Hadot, Foucault e a ‘filosofia como modo de vida’ como prática de dissidência e experimentação

Research output: Contribution to journalArticlepeer-review

6 Downloads (Pure)

Abstract

Nas últimas décadas do século passado Pierre Hadot e Michel Foucault revolucionaram a história da filosofia ao, nos seus Exercices spirituels et philosophie antique e L’herméneutique du sujet, respectivamente, colocarem um imperativo ético nas origens do pensamento filosófico ocidental e firmarem que, nessa altura, a filosofia era essencialmente uma “escolha de vida” ou “modo de vida”, no caso do primeiro, e um “cuidado de si”, na expressão do último. Uma vez que ambos os autores contrastam a orientação e função originais da filosofia com a sua forma contemporânea, as suas análises têm, para além da sua clara relevância históricofilosófica, um forte potencial de crítica contra a prática académica e institucionalizada da filosofia actual. Tomando a ideia da filosofia como modo de vida como forma de dissidência contra a filosofia universitária contemporânea, e como forma de experimentação com uma compreensão e prática alternativas da filosofia, este ensaio delineia as principais características do modelo da filosofia como modo de vida no seu contraste com a prática académica conteporânea e defende a relevância do modelo para uma eventual restruturação da filosofia profissionalizada perante a actual crise nas humanidades e desafios sociais, culturais e ambientais inéditos.

Original languagePortuguese
Pages (from-to)91-109
Number of pages18
JournalRevista Apoena
Volume4
Issue number7
DOIs
Publication statusPublished - 2022

Keywords

  • Hadot
  • Foucault
  • Filosofia como modo de vida

Cite this