Vozes femininas da clandestinidade comunista (1940-1974)

Translated title of the contribution: Feminine voices of the communist clandestinity (1940-1974)

Research output: ThesisMaster's Thesis

Abstract

Este trabalho de investigação pretende reflectir sobre as vivências femininas na clandestinidade comunista portuguesa, na tentativa de compreender de que modo a divisão socialmente construída entre os géneros vai reflectir-se na militância política e nos quotidianos da clandestinidade. Em termos metodológicos, e porque considerámos que era impossível captar a essência do que foi a experiência da clandestinidade no feminino apenas mediante o recurso a fontes documentais, optámos por proceder à recolha de narrativas de vida de mulheres que passaram por tal experiência, com vista a trabalharmos a noção de memória colectiva, esta entendida como fenómeno socialmente construído por um determinado grupo ou comunidade. Seguimos então o caminho da história oral e recorremos a bibliografia proveniente dos mais diversos campos do saber: história, sociologia, antropologia, ciências da educação e psicologia, com vista a resgatar do silêncio a que foram confinadas as vozes daquelas mulheres que, com um enorme sacrifício pessoal, abandonaram as suas terras, as suas casas, a sua família, inclusivamente o seu nome, para passar à clandestinidade, permitindo a sobrevivência do aparelho clandestino do Partido Comunista Português durante os anos da ditadura do Estado Novo.
Original languagePortuguese
QualificationMaster of Philosophy
Awarding Institution
  • Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH)
Supervisors/Advisors
  • Godinho, Paula, Supervisor
Award date15 Dec 2015
Publication statusPublished - Sep 2015

Keywords

  • Collective memory
  • Clandestinity
  • Portuguese Communist Party
  • Estado Novo

Cite this

@phdthesis{dc230c4f54b24841a6bde486f44ae90f,
title = "Vozes femininas da clandestinidade comunista (1940-1974)",
abstract = "Este trabalho de investiga{\cc}{\~a}o pretende reflectir sobre as viv{\^e}ncias femininas na clandestinidade comunista portuguesa, na tentativa de compreender de que modo a divis{\~a}o socialmente constru{\'i}da entre os g{\'e}neros vai reflectir-se na milit{\^a}ncia pol{\'i}tica e nos quotidianos da clandestinidade. Em termos metodol{\'o}gicos, e porque consider{\'a}mos que era imposs{\'i}vel captar a ess{\^e}ncia do que foi a experi{\^e}ncia da clandestinidade no feminino apenas mediante o recurso a fontes documentais, opt{\'a}mos por proceder {\`a} recolha de narrativas de vida de mulheres que passaram por tal experi{\^e}ncia, com vista a trabalharmos a no{\cc}{\~a}o de mem{\'o}ria colectiva, esta entendida como fen{\'o}meno socialmente constru{\'i}do por um determinado grupo ou comunidade. Seguimos ent{\~a}o o caminho da hist{\'o}ria oral e recorremos a bibliografia proveniente dos mais diversos campos do saber: hist{\'o}ria, sociologia, antropologia, ci{\^e}ncias da educa{\cc}{\~a}o e psicologia, com vista a resgatar do sil{\^e}ncio a que foram confinadas as vozes daquelas mulheres que, com um enorme sacrif{\'i}cio pessoal, abandonaram as suas terras, as suas casas, a sua fam{\'i}lia, inclusivamente o seu nome, para passar {\`a} clandestinidade, permitindo a sobreviv{\^e}ncia do aparelho clandestino do Partido Comunista Portugu{\^e}s durante os anos da ditadura do Estado Novo.",
keywords = "Collective memory , Clandestinity, Portuguese Communist Party, Estado Novo",
author = "Vanessa Almeida",
year = "2015",
month = "9",
language = "Portuguese",
school = "Faculdade de Ci{\^e}ncias Sociais e Humanas (FCSH)",

}

Almeida, V 2015, 'Vozes femininas da clandestinidade comunista (1940-1974)', Master of Philosophy, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH).

Vozes femininas da clandestinidade comunista (1940-1974). / Almeida, Vanessa.

2015. 161 p.

Research output: ThesisMaster's Thesis

TY - THES

T1 - Vozes femininas da clandestinidade comunista (1940-1974)

AU - Almeida, Vanessa

PY - 2015/9

Y1 - 2015/9

N2 - Este trabalho de investigação pretende reflectir sobre as vivências femininas na clandestinidade comunista portuguesa, na tentativa de compreender de que modo a divisão socialmente construída entre os géneros vai reflectir-se na militância política e nos quotidianos da clandestinidade. Em termos metodológicos, e porque considerámos que era impossível captar a essência do que foi a experiência da clandestinidade no feminino apenas mediante o recurso a fontes documentais, optámos por proceder à recolha de narrativas de vida de mulheres que passaram por tal experiência, com vista a trabalharmos a noção de memória colectiva, esta entendida como fenómeno socialmente construído por um determinado grupo ou comunidade. Seguimos então o caminho da história oral e recorremos a bibliografia proveniente dos mais diversos campos do saber: história, sociologia, antropologia, ciências da educação e psicologia, com vista a resgatar do silêncio a que foram confinadas as vozes daquelas mulheres que, com um enorme sacrifício pessoal, abandonaram as suas terras, as suas casas, a sua família, inclusivamente o seu nome, para passar à clandestinidade, permitindo a sobrevivência do aparelho clandestino do Partido Comunista Português durante os anos da ditadura do Estado Novo.

AB - Este trabalho de investigação pretende reflectir sobre as vivências femininas na clandestinidade comunista portuguesa, na tentativa de compreender de que modo a divisão socialmente construída entre os géneros vai reflectir-se na militância política e nos quotidianos da clandestinidade. Em termos metodológicos, e porque considerámos que era impossível captar a essência do que foi a experiência da clandestinidade no feminino apenas mediante o recurso a fontes documentais, optámos por proceder à recolha de narrativas de vida de mulheres que passaram por tal experiência, com vista a trabalharmos a noção de memória colectiva, esta entendida como fenómeno socialmente construído por um determinado grupo ou comunidade. Seguimos então o caminho da história oral e recorremos a bibliografia proveniente dos mais diversos campos do saber: história, sociologia, antropologia, ciências da educação e psicologia, com vista a resgatar do silêncio a que foram confinadas as vozes daquelas mulheres que, com um enorme sacrifício pessoal, abandonaram as suas terras, as suas casas, a sua família, inclusivamente o seu nome, para passar à clandestinidade, permitindo a sobrevivência do aparelho clandestino do Partido Comunista Português durante os anos da ditadura do Estado Novo.

KW - Collective memory

KW - Clandestinity

KW - Portuguese Communist Party

KW - Estado Novo

M3 - Master's Thesis

ER -