Elementos para uma arqueologia de misturas de cera-resina usadas como adesivos em Talha e Escultura policromada

Research output: Contribution to journalArticlepeer-review

Abstract

ABSTRACT: A mixture of beeswax and Dammar resin (in a ratio of 7 parts to 2 parts, respectively), prepared as an adhesive, was profusely used for fixing water gilding and tempera coatings on polychrome sculptures, in Portugal, in the second half of the twentieth century. This practice was the result of a conservation technology transfer that took place throughout northern Europe, namely throughout education and training of young restorers from abroad at Institut Royal du Patrimoine Artistique in Brussels. This type of treatment was challenged in the 1970s. This paper presents the methodology used (from an archaeological perspective) to find again these substances on sculptures which have been impregnated with them, and show until which point it is possible to detect both wax and resin in the paint layers. The results obtained by micro Fourier transform infrared spectroscopy, and Pyrolysis-Gas Chromatography-Mass Spectrometry proved difficult to put in evidence the presence of the Dammar resin; a limit which is not without consequences for the historic and conservation assessment of our heritage.

RESUMO: Uma mistura de cera de abelha e resina Dammar (nas proporções de 7 partes de cera para 2 de resina), preparada como adesivo, foi profusamente utilizada em Portugal, durante a segunda metade do século XX, para fixar pinturas a tempera e douramentos a água aplicados em esculturas policromadas. Este tipo de tratamento resultou de uma transferência de saber em Conservação oriundo do Norte da Europa, nomeadamente através da formação de jovens estágiarios estrangeiros no Institut Royal du Patrimoine Artistique, em Bruxelas. Tratamentos com cera-resina foram postos em causa nos anos 70 e seguintes. Este artigo apresenta a metodologia adotada para reencontrar este adesivo em esculturas em que foi aplicado e mostrar até que ponto é possível identificar ambas a cera e a resina nos estratos pictóricos. As análises feitas por micro-Espectroscopia de infravermelhos a transformée de Fourier e Pyrolise seguida de Cromatografia Gasosa acoplada à Espectrometria de Massa põem em evidência a dificuldade em detetar a resina; um resultado que pode limitar bastante a reconstituição do percurso histórico e conservativo de muitas obras.

Original languageUnknown
Pages (from-to)233-240
JournalEstudos Arqueológicos de Oeiras
Volume19
Issue numberSpecial issue
Publication statusPublished - 1 Jan 2012

Cite this