Editando e interpretando recitativos de salão

Research output: Contribution to conferenceAbstract

1 Downloads (Pure)

Abstract

Em seu trabalho pessoal de pesquisa sobre a música vocal do Rio de Janeiro oitocentista, Alberto Pacheco se deparou com uma série de composições brasileiras geralmente intituladas ou subintituladas como “recitativos”. A investigação cuidadosa revelou que estas peças eram, via de regra, composições para piano e voz declamada que circularam entre Brasil e Portugal, ou seja, tratava-se afinal de um gênero de melodrama luso-brasileiro quase completamente ignorado pela comunidade musicológica. Apesar de não ser novidade a existência de canções declamadas no cancioneiro europeu do século XIX, os Recitativos de Salão possuíam características próprias muito específicas: um poema quase sempre em versos decassílabos (a exemplo dos recitativos da ópera italiana), e uma valsa na parte instrumental. No que diz respeito à sua execução musical, essas peças apresentavam um desafio considerável, pois constituíam uma tradição interpretativa interrompida, sem modelos vivos a seguir. Neste sentido, os Recitativos de Salão podem mesmo ser considerados como “música antiga” do século XIX. Tendo isto em mente, Alberto Pacheco e Andréa Luísa Teixeira começaram em 2011 uma pesquisa interpretativa historicamente orientada que buscava reaver a prática deste repertório. Como um dos resultados deste trabalho, em breve será lançada uma Antologia de Recitativos de Salão que apresentará vários exemplos selecionados do gênero através de partituras, cuja edição crítica ficou a cargo de Pacheco, e também do registro sonoro, que terá como intérpretes o duo já citado. O que se pretende nesta comunicação é presentar todo esse trabalho de pesquisa e refletir sobre a edição e a prática desse tipo de melodrama luso-brasileiro tão singular.
Original languagePortuguese
Pages25-26
Number of pages2
Publication statusPublished - 2018
EventCongresso Internacional nos 10 Anos do Núcleo Caravelas: «Musicologia transatlântica: um momento para reflexão» - Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal
Duration: 27 Sep 201829 Sep 2018

Conference

ConferenceCongresso Internacional nos 10 Anos do Núcleo Caravelas
CountryPortugal
CityLisboa
Period27/09/1829/09/18

Keywords

  • Recitativo de salão
  • Canção luso-brasileira
  • melodrama
  • edição crítica
  • interpretação historicamente orientada

Cite this

Pacheco, A. J. V., & Teixeira , A. (2018). Editando e interpretando recitativos de salão. 25-26. Abstract from Congresso Internacional nos 10 Anos do Núcleo Caravelas, Lisboa, Portugal.
Pacheco, Alberto José Vieira ; Teixeira , Andréa. / Editando e interpretando recitativos de salão. Abstract from Congresso Internacional nos 10 Anos do Núcleo Caravelas, Lisboa, Portugal.2 p.
@conference{ce460e24263c4c9a9f93f200e0dcd4d2,
title = "Editando e interpretando recitativos de salão",
abstract = "Em seu trabalho pessoal de pesquisa sobre a m{\'u}sica vocal do Rio de Janeiro oitocentista, Alberto Pacheco se deparou com uma s{\'e}rie de composi{\cc}{\~o}es brasileiras geralmente intituladas ou subintituladas como “recitativos”. A investiga{\cc}{\~a}o cuidadosa revelou que estas pe{\cc}as eram, via de regra, composi{\cc}{\~o}es para piano e voz declamada que circularam entre Brasil e Portugal, ou seja, tratava-se afinal de um g{\^e}nero de melodrama luso-brasileiro quase completamente ignorado pela comunidade musicol{\'o}gica. Apesar de n{\~a}o ser novidade a exist{\^e}ncia de can{\cc}{\~o}es declamadas no cancioneiro europeu do s{\'e}culo XIX, os Recitativos de Sal{\~a}o possu{\'i}am caracter{\'i}sticas pr{\'o}prias muito espec{\'i}ficas: um poema quase sempre em versos decass{\'i}labos (a exemplo dos recitativos da {\'o}pera italiana), e uma valsa na parte instrumental. No que diz respeito {\`a} sua execu{\cc}{\~a}o musical, essas pe{\cc}as apresentavam um desafio consider{\'a}vel, pois constitu{\'i}am uma tradi{\cc}{\~a}o interpretativa interrompida, sem modelos vivos a seguir. Neste sentido, os Recitativos de Sal{\~a}o podem mesmo ser considerados como “m{\'u}sica antiga” do s{\'e}culo XIX. Tendo isto em mente, Alberto Pacheco e Andr{\'e}a Lu{\'i}sa Teixeira come{\cc}aram em 2011 uma pesquisa interpretativa historicamente orientada que buscava reaver a pr{\'a}tica deste repert{\'o}rio. Como um dos resultados deste trabalho, em breve ser{\'a} lan{\cc}ada uma Antologia de Recitativos de Sal{\~a}o que apresentar{\'a} v{\'a}rios exemplos selecionados do g{\^e}nero atrav{\'e}s de partituras, cuja edi{\cc}{\~a}o cr{\'i}tica ficou a cargo de Pacheco, e tamb{\'e}m do registro sonoro, que ter{\'a} como int{\'e}rpretes o duo j{\'a} citado. O que se pretende nesta comunica{\cc}{\~a}o {\'e} presentar todo esse trabalho de pesquisa e refletir sobre a edi{\cc}{\~a}o e a pr{\'a}tica desse tipo de melodrama luso-brasileiro t{\~a}o singular.",
keywords = "Recitativo de sal{\~a}o, Can{\cc}{\~a}o luso-brasileira, melodrama, edi{\cc}{\~a}o cr{\'i}tica, interpreta{\cc}{\~a}o historicamente orientada",
author = "Pacheco, {Alberto Jos{\'e} Vieira} and Andr{\'e}a Teixeira",
note = "info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147237/PT# UID/EAT/00693/2013; null ; Conference date: 27-09-2018 Through 29-09-2018",
year = "2018",
language = "Portuguese",
pages = "25--26",

}

Pacheco, AJV & Teixeira , A 2018, 'Editando e interpretando recitativos de salão' Congresso Internacional nos 10 Anos do Núcleo Caravelas, Lisboa, Portugal, 27/09/18 - 29/09/18, pp. 25-26.

Editando e interpretando recitativos de salão. / Pacheco, Alberto José Vieira; Teixeira , Andréa.

2018. 25-26 Abstract from Congresso Internacional nos 10 Anos do Núcleo Caravelas, Lisboa, Portugal.

Research output: Contribution to conferenceAbstract

TY - CONF

T1 - Editando e interpretando recitativos de salão

AU - Pacheco, Alberto José Vieira

AU - Teixeira , Andréa

N1 - info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147237/PT# UID/EAT/00693/2013

PY - 2018

Y1 - 2018

N2 - Em seu trabalho pessoal de pesquisa sobre a música vocal do Rio de Janeiro oitocentista, Alberto Pacheco se deparou com uma série de composições brasileiras geralmente intituladas ou subintituladas como “recitativos”. A investigação cuidadosa revelou que estas peças eram, via de regra, composições para piano e voz declamada que circularam entre Brasil e Portugal, ou seja, tratava-se afinal de um gênero de melodrama luso-brasileiro quase completamente ignorado pela comunidade musicológica. Apesar de não ser novidade a existência de canções declamadas no cancioneiro europeu do século XIX, os Recitativos de Salão possuíam características próprias muito específicas: um poema quase sempre em versos decassílabos (a exemplo dos recitativos da ópera italiana), e uma valsa na parte instrumental. No que diz respeito à sua execução musical, essas peças apresentavam um desafio considerável, pois constituíam uma tradição interpretativa interrompida, sem modelos vivos a seguir. Neste sentido, os Recitativos de Salão podem mesmo ser considerados como “música antiga” do século XIX. Tendo isto em mente, Alberto Pacheco e Andréa Luísa Teixeira começaram em 2011 uma pesquisa interpretativa historicamente orientada que buscava reaver a prática deste repertório. Como um dos resultados deste trabalho, em breve será lançada uma Antologia de Recitativos de Salão que apresentará vários exemplos selecionados do gênero através de partituras, cuja edição crítica ficou a cargo de Pacheco, e também do registro sonoro, que terá como intérpretes o duo já citado. O que se pretende nesta comunicação é presentar todo esse trabalho de pesquisa e refletir sobre a edição e a prática desse tipo de melodrama luso-brasileiro tão singular.

AB - Em seu trabalho pessoal de pesquisa sobre a música vocal do Rio de Janeiro oitocentista, Alberto Pacheco se deparou com uma série de composições brasileiras geralmente intituladas ou subintituladas como “recitativos”. A investigação cuidadosa revelou que estas peças eram, via de regra, composições para piano e voz declamada que circularam entre Brasil e Portugal, ou seja, tratava-se afinal de um gênero de melodrama luso-brasileiro quase completamente ignorado pela comunidade musicológica. Apesar de não ser novidade a existência de canções declamadas no cancioneiro europeu do século XIX, os Recitativos de Salão possuíam características próprias muito específicas: um poema quase sempre em versos decassílabos (a exemplo dos recitativos da ópera italiana), e uma valsa na parte instrumental. No que diz respeito à sua execução musical, essas peças apresentavam um desafio considerável, pois constituíam uma tradição interpretativa interrompida, sem modelos vivos a seguir. Neste sentido, os Recitativos de Salão podem mesmo ser considerados como “música antiga” do século XIX. Tendo isto em mente, Alberto Pacheco e Andréa Luísa Teixeira começaram em 2011 uma pesquisa interpretativa historicamente orientada que buscava reaver a prática deste repertório. Como um dos resultados deste trabalho, em breve será lançada uma Antologia de Recitativos de Salão que apresentará vários exemplos selecionados do gênero através de partituras, cuja edição crítica ficou a cargo de Pacheco, e também do registro sonoro, que terá como intérpretes o duo já citado. O que se pretende nesta comunicação é presentar todo esse trabalho de pesquisa e refletir sobre a edição e a prática desse tipo de melodrama luso-brasileiro tão singular.

KW - Recitativo de salão

KW - Canção luso-brasileira

KW - melodrama

KW - edição crítica

KW - interpretação historicamente orientada

M3 - Abstract

SP - 25

EP - 26

ER -

Pacheco AJV, Teixeira A. Editando e interpretando recitativos de salão. 2018. Abstract from Congresso Internacional nos 10 Anos do Núcleo Caravelas, Lisboa, Portugal.