Eco de Dias Submersos: Uma Leitura de Rio Homem de André Gago

Research output: Book/ReportBook

Abstract

Em Rio Homem de André Gago, o destino pessoal de renúncia e exílio de um indivíduo (foragido da Guerra Civil de Espanha) surge entrelaçado com o destino de uma idílica comunidade em vias de extinção (Vilarinho das Furnas). O arco temporal da narrativa está compreendido entre o árduo período de fuga de Rogelio e o seu (involuntário) suicídio no início da década de setenta (coincidente com a submersão de Vilarinho). A narrativa é entrecortada por momentos de contextualização da conjuntura histórica e política, nacional e internacional. Vilarinho das Furnas surge como um reduto emblemático de resistência individual e coletiva a um processo de modernização niveladora. Além de ser um oásis humano, por via da mencionada personagem principal, Vilarinho emerge como um protótipo arcaico de uma comunidade utópica em época de retraimento da vanguarda política. No romance, o sentimento nostálgico por lugares condenados a uma irreversível desaparição – atingidos pela degradação e delapidação do ambiente, biológico e histórico-cultural – não deixa de ser acompanhado, aqui e ali, por um fascínio pela magnitude absoluta das forças da natureza e por um fascínio mitigado (tingido de terror) diante da magnitude relativa das forças de modernização.
Original languagePortuguese
Place of PublicationLisboa
PublisherIELT/NOVA FCSH
Number of pages61
Volume5
ISBN (Print)9789729347160
DOIs
Publication statusPublished - 1 Jan 2014

Cite this