Don’t Fuck My Job: As lutas dos Estivadores. Uma Perspetiva Global

Raquel Varela, AS do Paco (Editor/Coordinator)

Research output: Book/ReportBook

Abstract

Este é um livro de história e de reflexão. De reflexão sobre os desafios que os estivadores enfrentam, como a precariedade e a automação. E de história porque é através da história secular da indústria portuária, da luta dos estivadores e dos desafios que enfrentaram que se descobrem lições sobre como agir no presente e preparar o futuro. Fala-se, obviamente, de Portugal. Das lutas, mas também das condições em que os estivadores exercem o seu trabalho e das implicações que estas têm para a sua saúde.
Mas as histórias aqui contadas abrangem quase todos os continentes, da Europa às Américas do Norte e do Sul, África e Austrália. A longa luta de 28 meses dos estivadores de Liverpool entre 1995 e 1998 é aqui abordada ao pormenor. Saldou-se por uma derrota, mas das lições tiradas dessa derrota saiu um dos grandes trunfos dos estivadores de todo o mundo: a criação do International Dockworkers Council - IDC, o sindicato internacional dos estivadores.
Em Portugal, o panorama do sindicalismo tradicional é desolador. Os sindicatos que continuam a agir como se o pacto social nascido no pós-guerra não tivesse entrado em rutura nos anos 80 estão em retrocesso: acumulam derrotas e a percentagem de sindicalizados caiu para menos de 20%. O SEAL - Sindicato dos Estivadores e da Atividade Logística faz a diferença. Aqui abordam-se os porquês dessa diferença.
Original languageEnglish
Place of PublicationVila Nova de Famalicão
PublisherEdições Humus
Number of pages328
ISBN (Print)978 989 755 429 2
Publication statusPublished - 2019

Fingerprint Dive into the research topics of 'Don’t Fuck My Job: As lutas dos Estivadores. Uma Perspetiva Global'. Together they form a unique fingerprint.

  • Cite this