Democracias emergentes e crises internacionais: os casos brasileiro e indiano

Research output: Contribution to conferencePaper

Abstract

Uma vez que são ambos grandes estados federados, de tipo de regime democrático, seria de esperar que a Índia e o Brasil estivessem cada vez mais integrados nos processos de conflito de outros estados, com tem vindo a ser o caso de outros estados à procura de estatuto internacional. Da mesma forma, seria de esperar que na sua condição de democracias tivessem posições semelhantes à Europa e aos Estados Unidos relativamente às crises internacionais e grandes mudanças estratégicas da atualidade. No entanto, este cenário está longe de verificar. Mantendo-se à margem dos conflitos, o Brasil e a Índia tentam manter uma posição discreta para evitar tomar posições que as comprometam e/ou oscilam entre um ou outro parceiro, tentando manter a sua autonomia internacional. Usando os casos das guerras na Ucrânia e na Síria e do pivot Americano na Ásia, este paper procurar perceber as razões do comportamento do comportamento destes estados e se é possível ser uma grande potência excluindo-se da procura da resolução de questões fundamentais do atual sistema internacional.
Original languagePortuguese
Pages1-11
Number of pages11
Publication statusPublished - Mar 2016
EventVIII Congresso da Associação Portuguesa de Ciência Política (APCP) - Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, Portugal
Duration: 10 Mar 201612 Mar 2016
Conference number: VIII
http://www.apcp.pt/congresso.php

Conference

ConferenceVIII Congresso da Associação Portuguesa de Ciência Política (APCP)
CountryPortugal
CityLisboa
Period10/03/1612/03/16
Internet address

Keywords

  • Democracias emergentes
  • Crises internacionais
  • Brasil
  • Índia

Cite this

Fonseca, C., & Soller, D. (2016). Democracias emergentes e crises internacionais: os casos brasileiro e indiano. 1-11. Paper presented at VIII Congresso da Associação Portuguesa de Ciência Política (APCP), Lisboa, Portugal.