Da transcrição como exercício de escolho múltiplo

Ariadne Nunes, José Camões

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingChapter

Abstract

No século XVIII, diversos pareceres da Real Mesa Censória mostram que o desrespeito de determinada grafia era motivo a ter em conta na proibição de um texto, o que aponta já para a existência de uma norma ortográfica vinculativa; no entanto, a variação que se observa entre impressos e manuscritos de um mesmo texto faz hesitar o editor moderno no estabelecimento de critérios de transcrição.
Questiona-se em que medida a grafia adoptada na passagem a escrito de um texto é constitutiva do próprio texto, reflectindo-se sobre o grau de intervenção de um editor perante lições vilipendiadas, muitas vezes pelo próprio autor. Recorrendo a exemplos paradigmáticos, argumenta-se a favor da modernização ortográfica, em textos do século XVIII.
Original languagePortuguese
Title of host publicationEstudos Linguísticos e Filológicos oferecidos a Ivo Castro
EditorsErnestina Carrilho, Ana Maria Martins, Sandra Pereira, João Paulo Silvestre
Place of PublicationLisboa
PublisherCentro de Linguística da Universidade de Lisboa
Pages999-1022
Number of pages23
ISBN (Print)978-989-98666-3-8
Publication statusPublished - 2019

Keywords

  • Edição crítica
  • Critérios
  • Transcrição
  • Estabelecimento de texto

Cite this