Da realidade mista na reedição de modelos culturais

uma mudança de paradigma

Research output: Contribution to conferenceAbstract

1 Downloads (Pure)

Abstract

Nesta exposição, proponho-me indagar se a emergência de formatos de produção músico-teatral que exploram dinâmicas da realidade mista tem vindo a promover, ou a questionar, modelos, ideologias e comportamentos culturais. No paradigma da sociedade em rede, as transformações dos sistemas de produção e consumo musical têm sido de tal modo céleres que a geração de conhecimento teórico não tem feito muito mais do que apontar e descrever os novos produtos e identificar genericamente o modo como estes implicam alterações de padrões comportamentais e de estilo de vida. É necessário observar criticamente os formatos culturais emergentes no contexto das sociabilidades que os veiculam e questioná-los em relação às suas propostas de integração e emancipação subjectiva (participação e interactividade). É necessário igualmente pensar se a transformação que se opera actualmente ao nível da arquitectura do conhecimento encontra nestes produtos veículos de crítica ou de submissão social. Nesta exploração, recorro nomeadamente a estudos de casos de formatos produzidos por Michel van der Aa e Tod Machover. Incidirei em três vetores principais: 1) o uso, na produção de sentido, do diálogo entre elementos de atuação ao vivo e dimensões mediatizadas, de captação e difusão modificada de imagens e som em tempo real, ou de produção de realidade virtual, entre outros procedimentos e conteúdos; 2) a inscrição da audiência numa dinâmica de participação ou co-criação de elementos do espetáculo através, entre outros recursos, de plataformas on-line; 3) a disponibilização de aplicações e a promoção de uma dinâmica relacional de suporte ao espetáculo em redes sociais.
Original languagePortuguese
Number of pages2
Publication statusPublished - 2016
EventLog in Live On: Log in Live on: Música e cibercultura na era da Internet of Things - FCSH/NOVA, Lisboa, Portugal
Duration: 7 Oct 20167 Oct 2016
http://cysmus.weebly.com/coloacutequio-log-in-live-on--log-in-live-on-conference.html

Conference

ConferenceLog in Live On
CountryPortugal
CityLisboa
Period7/10/167/10/16
Internet address

Cite this

@conference{0d072e8462804f8da56d317e322f5950,
title = "Da realidade mista na reedi{\cc}{\~a}o de modelos culturais: uma mudan{\cc}a de paradigma",
abstract = "Nesta exposi{\cc}{\~a}o, proponho-me indagar se a emerg{\^e}ncia de formatos de produ{\cc}{\~a}o m{\'u}sico-teatral que exploram din{\^a}micas da realidade mista tem vindo a promover, ou a questionar, modelos, ideologias e comportamentos culturais. No paradigma da sociedade em rede, as transforma{\cc}{\~o}es dos sistemas de produ{\cc}{\~a}o e consumo musical t{\^e}m sido de tal modo c{\'e}leres que a gera{\cc}{\~a}o de conhecimento te{\'o}rico n{\~a}o tem feito muito mais do que apontar e descrever os novos produtos e identificar genericamente o modo como estes implicam altera{\cc}{\~o}es de padr{\~o}es comportamentais e de estilo de vida. {\'E} necess{\'a}rio observar criticamente os formatos culturais emergentes no contexto das sociabilidades que os veiculam e question{\'a}-los em rela{\cc}{\~a}o {\`a}s suas propostas de integra{\cc}{\~a}o e emancipa{\cc}{\~a}o subjectiva (participa{\cc}{\~a}o e interactividade). {\'E} necess{\'a}rio igualmente pensar se a transforma{\cc}{\~a}o que se opera actualmente ao n{\'i}vel da arquitectura do conhecimento encontra nestes produtos ve{\'i}culos de cr{\'i}tica ou de submiss{\~a}o social. Nesta explora{\cc}{\~a}o, recorro nomeadamente a estudos de casos de formatos produzidos por Michel van der Aa e Tod Machover. Incidirei em tr{\^e}s vetores principais: 1) o uso, na produ{\cc}{\~a}o de sentido, do di{\'a}logo entre elementos de atua{\cc}{\~a}o ao vivo e dimens{\~o}es mediatizadas, de capta{\cc}{\~a}o e difus{\~a}o modificada de imagens e som em tempo real, ou de produ{\cc}{\~a}o de realidade virtual, entre outros procedimentos e conte{\'u}dos; 2) a inscri{\cc}{\~a}o da audi{\^e}ncia numa din{\^a}mica de participa{\cc}{\~a}o ou co-cria{\cc}{\~a}o de elementos do espet{\'a}culo atrav{\'e}s, entre outros recursos, de plataformas on-line; 3) a disponibiliza{\cc}{\~a}o de aplica{\cc}{\~o}es e a promo{\cc}{\~a}o de uma din{\^a}mica relacional de suporte ao espet{\'a}culo em redes sociais.",
author = "Paula Gomes-Ribeiro",
note = "info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147237/PT# UID/EAT/00693/2013; null ; Conference date: 07-10-2016 Through 07-10-2016",
year = "2016",
language = "Portuguese",
url = "http://cysmus.weebly.com/coloacutequio-log-in-live-on--log-in-live-on-conference.html",

}

Gomes-Ribeiro, P 2016, 'Da realidade mista na reedição de modelos culturais: uma mudança de paradigma' Log in Live On, Lisboa, Portugal, 7/10/16 - 7/10/16, .

Da realidade mista na reedição de modelos culturais : uma mudança de paradigma. / Gomes-Ribeiro, Paula .

2016. Abstract from Log in Live On, Lisboa, Portugal.

Research output: Contribution to conferenceAbstract

TY - CONF

T1 - Da realidade mista na reedição de modelos culturais

T2 - uma mudança de paradigma

AU - Gomes-Ribeiro, Paula

N1 - info:eu-repo/grantAgreement/FCT/5876/147237/PT# UID/EAT/00693/2013

PY - 2016

Y1 - 2016

N2 - Nesta exposição, proponho-me indagar se a emergência de formatos de produção músico-teatral que exploram dinâmicas da realidade mista tem vindo a promover, ou a questionar, modelos, ideologias e comportamentos culturais. No paradigma da sociedade em rede, as transformações dos sistemas de produção e consumo musical têm sido de tal modo céleres que a geração de conhecimento teórico não tem feito muito mais do que apontar e descrever os novos produtos e identificar genericamente o modo como estes implicam alterações de padrões comportamentais e de estilo de vida. É necessário observar criticamente os formatos culturais emergentes no contexto das sociabilidades que os veiculam e questioná-los em relação às suas propostas de integração e emancipação subjectiva (participação e interactividade). É necessário igualmente pensar se a transformação que se opera actualmente ao nível da arquitectura do conhecimento encontra nestes produtos veículos de crítica ou de submissão social. Nesta exploração, recorro nomeadamente a estudos de casos de formatos produzidos por Michel van der Aa e Tod Machover. Incidirei em três vetores principais: 1) o uso, na produção de sentido, do diálogo entre elementos de atuação ao vivo e dimensões mediatizadas, de captação e difusão modificada de imagens e som em tempo real, ou de produção de realidade virtual, entre outros procedimentos e conteúdos; 2) a inscrição da audiência numa dinâmica de participação ou co-criação de elementos do espetáculo através, entre outros recursos, de plataformas on-line; 3) a disponibilização de aplicações e a promoção de uma dinâmica relacional de suporte ao espetáculo em redes sociais.

AB - Nesta exposição, proponho-me indagar se a emergência de formatos de produção músico-teatral que exploram dinâmicas da realidade mista tem vindo a promover, ou a questionar, modelos, ideologias e comportamentos culturais. No paradigma da sociedade em rede, as transformações dos sistemas de produção e consumo musical têm sido de tal modo céleres que a geração de conhecimento teórico não tem feito muito mais do que apontar e descrever os novos produtos e identificar genericamente o modo como estes implicam alterações de padrões comportamentais e de estilo de vida. É necessário observar criticamente os formatos culturais emergentes no contexto das sociabilidades que os veiculam e questioná-los em relação às suas propostas de integração e emancipação subjectiva (participação e interactividade). É necessário igualmente pensar se a transformação que se opera actualmente ao nível da arquitectura do conhecimento encontra nestes produtos veículos de crítica ou de submissão social. Nesta exploração, recorro nomeadamente a estudos de casos de formatos produzidos por Michel van der Aa e Tod Machover. Incidirei em três vetores principais: 1) o uso, na produção de sentido, do diálogo entre elementos de atuação ao vivo e dimensões mediatizadas, de captação e difusão modificada de imagens e som em tempo real, ou de produção de realidade virtual, entre outros procedimentos e conteúdos; 2) a inscrição da audiência numa dinâmica de participação ou co-criação de elementos do espetáculo através, entre outros recursos, de plataformas on-line; 3) a disponibilização de aplicações e a promoção de uma dinâmica relacional de suporte ao espetáculo em redes sociais.

M3 - Abstract

ER -